Comentários
600
Mercado imobiliário

"Somos tão jovens" *

Feriado no meio da semana, dias de folga com festas para crianças e professores%u2026 Isso significa dias de intensa convivência familiar, alegria, passeios, viagens, criatividade e, possivelmente%u2026 planos%u2026

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
Feriado no meio da semana, dias de folga com festas para crianças e professores… Isso significa dias de intensa convivência familiar, alegria, passeios, viagens, criatividade e, possivelmente… planos…

Se sua família pretende se mudar de casa, o ideal é fazer um bom planejamento.

Para auxiliar nesse processo, cada dia mais se torna importante a figura do corretor de imóveis, ou melhor, do consultor de investimentos. Ele poderá analisar os pormenores necessários para a elaboração de um bom planejamento para aquisição do imóvel ideal para você, sua família ou sua empresa, levando em conta as questões pessoais, comerciais, econômicas e financeiras.

Em geral, os brasileiros não têm a cultura do planejamento e nem do uso de crédito imobiliário. Acham que precisam poupar para adquirir um imóvel à vista. Na Europa, por exemplo, as famílias projetam os orçamentos domésticos incluindo a prestação do financiamento das suas residências

Por outro lado, sabemos que a decisão de comprar um imóvel e/ou contratar um financiamento vai muito além de desmistificar o planejamento financeiro e a consulta aos profissionais de mercado e aos bancos. Na verdade, o Brasil tem um histórico hiperinflacionário, de juros extorsivos, restrição de crédito, insegurança política e receio de desemprego. Isso dificulta tudo…

Mas a maturidade econômica e política que temos adquirido recentemente, a duras penas, muda muito o cenário e as perspectivas futuras. Felizmente para todos, poderemos fazer boas previsões, pois há indícios fortes de um mercado potencial para os próximos 10 anos.

O déficit de moradias atual diminuiu, mas ainda gira em torno de seis milhões e cerca de 18% dos domicílios são alugados. E o principal: ainda é muito baixo o percentual de crédito imobiliário em relação ao PIB comparativamente aos outros países.

Desde a entrada dos bancos privados no setor imobiliário, após a aprovação da alienação fiduciária no caso de inadimplência, percebemos uma mudança real nos números. No entanto, apesar da constante evolução, hoje o percentual do crédito imobiliário corresponde a menos de 10% do Produto Interno Bruto. Em 2008 era de 2,2% e a expectativa do Banco Central é de que, nos próximos 15 ou 20 anos, possa chegar a 25% do PIB Brasileiro. Só para termos uma ideia, no Reino Unido esse percentual é de 75% do PIB; nos EUA 68%; na Espanha 55% e no Chile 18%. No entanto, os juros na Europa giram em torno de 3%, nos EUA 5% e no Brasil 12%.

Portanto, o crescimento no crédito e no mercado imobiliário como um todo tem que ser acompanhado com baixa de juros, crescimento da renda, geração de negócios, incremento das fontes de recursos com funding alternativos por exemplo LCI – letra de crédito imobiliário e CRI – certificado de recebíveis etc.

Costumo citar poetas aqui na coluna, mas hoje vou citar o presidente do Banco Central do Brasil, Ilan Goldfan, que afirma que estamos vivendo a recessão mais severa da história, mas “comprometidos a levar a inflação para a meta de 4,5% mantendo-a estável, o que ajudará na recuperação da confiança e do crescimento econômico”.

Realmente, a economia tem mostrado sinais de recuperação após a avalanche de eventos políticos que vivemos trazendo tanta incerteza ao país. Segundo a Confederação Nacional das Indústrias, a confiança do consumidor subiu no mês de setembro. O brasileiro está mais otimista em relação à inflação, desemprego e situação financeira.

Isso é fundamental após vermos a deteriorização nas contas públicas e adoção de políticas internas equivocadas. Esperamos que o próximo governo esteja avançando numa agenda política mais austera e mais ampla, menos distorcida em relação à responsabilidade fiscal e com compromisso com as reformas estruturais necessárias e urgentes.

Há muito caminho pela frente, afinal crescimento econômico é questão de longo prazo. Não podemos querer que tudo mude, que o Brasil volte a crescer rapidamente, que a família possa adquirir um novo imóvel de um dia para o outro e muito menos que as crianças se tornem adultos ao amanhecer… Vamos dar tempo ao tempo, planejar e acompanhar, assim: adquirindo maturidade…

(*Renato Russo)

Anúncios do Lugar Certo

Outros Artigos

ver todas
17 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
21 de agosto de 2016
25 de julho de 2016
27 de junho de 2016