Comentários
600

Alterações na lei sobre aluguéis

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
Gladyston Rodrigues/Esp.EM/D.A.Press
Em função de um veto do presidente da República, que determinava que a Lei 12.112/09 entrasse em vigor na data da publicação, o novo dispositivo legal que cuida das locações de imóveis urbanos entrou em vigor em 25 de janeiro, trazendo inovações que afetarão não só a relação entre inquilinos e proprietários, mas também atinge o fiador e terceiros até mesmo fora da relação locatícia.

Ao longo do processo de votação, ou mesmo o projeto aprovado ser submetido à sanção presidencial, acorreram debates, quando representantes dos locatários insistiram que esses sairiam prejudicados, enquanto, de outro lado, especialistas apontaram que as mudanças aumentam as garantias e com elas a oferta de imóveis, cuja tendência, em tese, é a provável redução dos preços.

No que se refere aos vetos presidenciais, além do prazo já citado, destacamos aquele que autorizava o proprietário a exigir a desocupação do imóvel em 15 dias, na hipótese de receber proposta mais vantajosa, e aquele que exigia concordância do proprietário do imóvel na manutenção do contrato de locação caso o inquilino pessoa jurídica promovesse alterações em sua estrutura societária.

Entre as análises até agora apresentadas sobre a nova lei o que mais se ouve é o aumento da segurança jurídica, que se traduz pela maior agilidade para o processamento do despejo do inquilino, cujo prazo atual pode durar anos, e espera-se que possa ser efetuado em, no máximo, seis meses.

As maiores inovações nesse quesito se referem primeiramente à introdução de quatro novas situações em que o juiz pode conceder liminar para que o imóvel seja desocupado em 15 dias (reparos urgentes, falta de apresentação de novas garantias, término de locação não residencial e falta de pagamento).

Leia mais:
Locação mais segura
Nova Lei do Inquilinato alivia fiador, mas preocupa lojista
Alívio para os proprietários
Lei do Inquilinato livre de polêmicas
Mudanças na Lei do Inquilinato favocerem fiador e proprietário
A volta do investidor
Como reaver seu imóvel
Locação de imóveis requer atenção com aspectos jurídicos e práticos

Além disso, destaca-se o artigo referente às ações de despejo por falta de pagamento e de acessórios, de aluguel provisório, de diferenças de aluguel ou apenas de acessórios, que sofreram modificações, aumentando sua abrangência e restringindo a emenda da mora, entre outros.

A situação do fiador, que na vigência anterior da lei se obrigava com o contrato até seu fim, agora poderá se desonerar em situações normatizadas no novo texto, como o fim do contrato original e nos casos de morte do inquilino ou de separação do casal locatário, mas se quiser deixar de ser o garantidor, deverá modificar o proprietário, continuando responsável pela finança por 120 dias.

No caso das locações comerciais, onde existe a possibilidade de ação própria prorrogação dos contratos acima de cinco anos, denominadas renovatórias, o inquilino deve ajuizar essa ação pelo menos seis meses antes do vencimento, e o proprietário pode recusar em situações prescritas na lei, como a existência de uma oferta melhor de terceiro pelo imóvel.

Pela norma anteriormente urgente, caso o inquilino perdesse a ação, o despejo somente ocorreria após o "trânsito em julgado", ou seja, quando se esgotassem todos os recursos, e em 180 dias. Agora, o prazo foi reduzido para 30 dias e essa expressão foi retirada, bastando uma sentença do juiz de primeiro grau para determinar a saída.

A última alteração relevante se refere à multa contratual para rompimento de contrato antes do prazo pré-determinado, que era aplicada independente do tempo transcorrido e passa a ser proporcional ao restante do contrato.

Como enfatizado durante a tramitação da proposta, existem no país atualmente aproximadamente 7 milhões de contratos de locação, estimando-se que 3 milhões de imóveis estejam desocupados. Portanto, espera-se que as novas regras estimulem a entrada desses imóveis no mercado, contribuindo para o equilíbrio habitacional no país.

*Francisco Maia Neto é engenheiro e advogado, sócio da Precisão Consultoria e autor do Guia de negócios imobiliários - Como comprar, vender ou alugar seu imóvel

E-mail para esta coluna: coluna@precisaoconsultoria.com.br

Anúncios do Lugar Certo

Outros Artigos

ver todas
13 de março de 2017
21 de novembro de 2016
24 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
01 de setembro de 2016