Comentários
600

Lei dos resíduos sólidos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 01/11/2010 13:39
Acompanhe também o Lugar Certo pelo Twitter


1º de novembro de 2010 - A chamada “onda verde”, que deu à senadora Marina Silva a consagradora votação de 20 milhões de votos, não deve ser encarada como um fenômeno eleitoral, mas uma necessidade da sociedade. Prova disso foi a aprovação pelo Congresso Nacional da Lei 12.305, promulgada em 2 de agosto deste ano, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos.

A nova legislação surge depois de quase duas décadas de tramitação e longas discussões, gerando polêmicas que somente foram vencidas depois de uma ação firme e determinada do governo federal.

Foram estabelecidos princípios objetivos para a gestão integrada e gerenciamento adequado dos resíduos sólidos, que deixaram a posição de coadjuvantes nas ações relacionadas às políticas de saneamento.

Do ponto de vista do setor privado, a nova legislação impõe às empresas, proporcionalmente ao seu tamanho e ao tipo de resíduo que produzem ou são responsáveis, a elaboração de um plano de gerenciamento de resíduos sólidos, ao qual será vinculado o processo de emissão e de renovação da licença ambiental.

Em decorrência disso, a lei prestigia a noção de internalização dos custos sociais do processo produtivo, que compreende a tentativa de evitar o dano ambiental. Quando isso não for possível, que seja reparado pelo beneficiário da ação danosa, impondo o ônus da prevenção e compensação dos danos ambientais.

Esse princípio é denominado “poluidor-pagador”, e dele se espera que o responsável pelo dano promova a sua reparação, além de cumprir uma função pedagógica, inibindo ações dessa natureza e fazendo com que o poluidor e o usuário racionalizem o uso dos recursos naturais.

A principal novidade, entretanto, é a consagração da sistemática de logística reversa, que consiste na obrigação imposta a fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes de agrotóxicos, pilhas, baterias, pneus, lubrificantes, eletroeletrônicos e lâmpadas pelo recolhimento das embalagens e dos resíduos resultantes do processo de fabricação e comercialização, que deverão dar a eles a destinação adequada.

Essa sistemática será implantada por fases e espera-se que surjam soluções diversas para a exigência, como a criação de empresas especializadas em desmontes, inclusive fomentadas por um determinado segmento, que possam recolher o produto, desmontá-lo e reaproveitar componentes e materiais.

Outros aspectos que devem ser ainda destacados referem-se ao princípio da responsabilidade compartilhada, que consiste no envolvimento da cadeia produtiva, do poder público e da sociedade na adequada destinação do lixo, e o reconhecimento dos resíduos reutilizáveis como bens de valor econômico e social. Isso propiciará a inserção social das pessoas envolvidas nessas atividades.

Do ponto de vista do setor público, existe uma série de regras a serem cumpridas, entre elas a que obriga a União a elaborar um plano de resíduos sólidos com validade de 20 anos. Além disso, a proibição de lixões e ampliação dos sistemas de coleta de lixo pelos municípios.

Não obstante os elogios que cercam a nova lei, ela surge com uma polêmica, que cerca os dispositivos que vinculam os municípios ao planejamento do Estado na gestão de resíduos nas regiões metropolitanas, considerados inconstitucionais por seus critérios, por violar a autonomia municipal.

Outros Artigos

ver todas
13 de março de 2017
21 de novembro de 2016
24 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
01 de setembro de 2016