Comentários
600

Acessibilidade já - Parte 1

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 13/12/2010 14:29 Redação /Estado de Minas
Acompanhe também o Lugar Certo pelo Twitter

13 de dezembro de 2010 - Embora este assunto seja recorrente não só nesta coluna, mas em outros espaços da mídia, entendemos que se torna imperativo a conscientização da sociedade sobre as dificuldades que os portadores de deficiência enfrentam no cotidiano. Isso é fundamental para que sejam implementadas medidas efetivas, que nos levem a sair do discurso e partir para ações eficazes que permitam a reintegração dessas pessoas no contexto social e urbano das cidades.

A sociedade civil organizada tem que assumir seu papel e reunir forças em torno de uma campanha que permita conscientizar a população sobre as questões referentes à relação do portador de deficiência com a sociedade, que se mostra despreparada para receber esses indivíduos, o que resulta em uma elevada dose de preconceito.

Ao alertarmos a população para esse tipo de comportamento é possível destacar o que é a deficiência e o que ela representa para aquele que a adquire. Isso permite focar as inúmeras barreiras arquitetônicas que se formam em nossas cidades, que impossibilitam a acessibilidade dessas pessoas, levando a uma reflexão sobre a motivação das existências desses obstáculos limitadores.

Embora a definição da expressão deficiência física remeta ao conceito de um defeito no corpo, na mente ou no organismo do ser humano, é sabido que as pessoas portadoras dessas necessidades especiais são obrigadas a conviver não só com suas próprias limitações, mas também com aquelas que a sociedade impõe, seja de ordem psíquica ou física, o que alimenta o preconceito contra elas.

A questão é de tamanha relevância que, no início da década de 80, a Organização Mundial de Saúde (OMS) publicou uma instrução denominada Classificação Internacional de Impedimentos e Incapacidades, em que considera três níveis de limitação do organismo quanto ao desempenho de suas funções. O impedimento (compreende as limitações relacionadas a alteração psicológica, fisiológica ou anatômica, por dano ou lesão), a deficiência (sequela decorrente de algum impedimento que venha a restringir as atividades consideradas normais por uma pessoa) e a incapacidade (impossibilidade de a pessoa viver integrada ao seu meio em função de uma deficiência).

Por outro lado, em função de sua origem e da situação em relação ao organismo, a deficiência é dividida em quatro grupos: a física (aquela situada no corpo do indivíduo, sendo normalmente bem visível e requer o uso de aparelhos auxiliares), a sensorial (ligada aos órgãos dos sentidos, como a visual e auditiva), mental (que atinge a mente, afetando a inteligência e o raciocínio) e a orgânica (aplicada a um órgão ou sua função, como os cardíacos).

A importância dessa conceituação reside no fato de haver uma confusão entre deficiência e incapacidade, em função das dificuldades encontradas pelos portadores de necessidades especiais de se integrarem ao meio em que vivemos. Portanto, nossa luta deve voltar-se à superação dessas barreiras, à medida que conseguirmos levar esses cidadãos a desempenhar suas competências.

Precisamos desenvolver meios para que esses indivíduos participem do processo produtivo da sociedade, especialmente da educação e da profissionalização, a começar pela arquitetura urbana, que, ao não permitir um adequado contato do portador de deficiência ao meio, cria a possibilidade de se tornar um inválido social.

Sócio da Precisão Consultoria e autor do Guia de negócios imobiliários – Como comprar, vender ou alugar seu imóvel

Outros Artigos

ver todas
13 de março de 2017
21 de novembro de 2016
24 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
01 de setembro de 2016