Comentários
600

Norma de Desempenho - Parte 2: Requisitos para os sistemas estruturais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 21/07/2013 08:00 / atualizado em 19/07/2013 17:06 Francisco Maia Neto /Especial para o Estado de Minas
A partir da Parte 2, até a Parte 6, a Norma de Desempenho trata de questões de elevado conteúdo técnico, explorando conceitos muitas vezes não considerados em normas específicas, o que obriga a interação entre elas, possibilitando assim atender os requisitos dos usuários, com soluções tecnicamente adequadas e economicamente viáveis, visando alavancar a qualidade pretendida e a oferta de moradias, definindo financiamentos imobiliários e adequando os procedimentos de execução, uso e manutenção dos imóveis.

A Parte 2 da NBR – 15.575 (Norma de Desempenho) analisa o desempenho estrutural sob o prisma dos estados limites últimos, considerando as prescrições das normas NBR-8.681, NBR-6.120 e NBR-6.123, por meio de simulações de modelos matemáticos e físicos das situações de ruína por esgotamento da capacidade de resistência dos materiais ou por instabilidade do equilíbrio, tendo como premissa assegurar a durabilidade quando da utilização normal da estrutura, limitando a formação de fissuras e a extensão de deformações, o que restringe a ocorrência de falhas localizadas, que trazem prejuízos ao conjunto estrutural e consequências aos demais elementos e componentes da edificação, incluindo a totalidade dos sistemas prediais.

Entre as definições, destacamos a integridade estrutural, que é a capacidade de evitar o colapso na ocorrência de danos localizados; a ruína, característica do estado limite último, seja por ruptura, instabilidade ou deformação excessiva; a falha, ocorrência que compromete o estado de utilização do sistema; a deformação, variação da distância entre pontos que modifica sua forma ou volume; fissura, ocorrência na superfície com abertura capilar, que pode ser ativa (quando varia devido a função de alguma movimentação) ou passiva (quando se mostra constante); trinca, expressão coloquial que caracteriza a fissura maior ou igual a 0,6mm; e a mossa, que é o vestígio de pancada ou pressão.

No que tange à segurança estrutural, ela deve suportar durante a vida útil de projeto, sob ação de seu próprio peso, sobrecargas de utilização, ação de ventos, entre outros, além de atender os requisitos de não ruir ou perder a estabilidade de nenhuma de suas partes; garantir a segurança dos usuários quando submetida a ação de impactos, choques, vibrações e solicitações originárias da regular utilização da edificação; não provocar sensação de insegurança nos usuários decorrente de deformações de quaisquer elementos, salvo aqueles que as deformações se mantenham nos limites da norma; não repercutir em estados inaceitáveis de fissuração nas vedações e acabamentos; não prejudicar a manobra normal das partes móveis, como portas e janelas, ou o funcionamento normal das instalações, resultantes de deformações estruturais, bem como atender as recomendações das normas NBR-5629, NBR-11.682 e NBR-6.122, no que tange às interações com o solo e o entorno da edificação.

Deve ainda atender os requisitos específicos quanto à estabilidade e resistência do sistema estrutural e dos demais elementos da edificação com função estrutural, inclusive as obras geotécnicas, devendo ser consideradas as cargas permanentes, acidentais, ação do vento e deformações impostas, como variação de temperatura e umidade ou recalque das fundações, devendo os métodos de avaliação corresponderem à análise do projeto, mediante cálculos ou ensaios, existindo ainda requisitos específicos para deformações ou estados de fissura do sistema estrutural, estados-limites de serviço e impactos de corpo mole e corpo duro, contendo tabelas específicas, a serem utilizadas pelos profissionais responsáveis por esses projetos.

Importante observar que o texto normativo não altera a forma de projetar e edificar as estruturas convencionais, contempladas nas normas já existentes, mas poderá permitir a introdução de novos materiais e até mesmo sistemas de construção, não abrangidos pelo sistema normativo nacional, que poderão ter valor de critérios de estabilidade e segurança por meio de cálculos, modelos, o que facilitará o surgimento de novas tecnologias, que poderão melhorar a qualidade e otimizar os custos.

*Engenheiro e advogado, sócio da Precisão Consultoria e autor do livro Guia de negócios imobiliários - Como comprar, vender ou alugar seu imóvel

E-mail para esta coluna: coluna@precisaoconsultoria.com.br

Anúncios do Lugar Certo

Outros Artigos

ver todas
13 de março de 2017
21 de novembro de 2016
24 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
01 de setembro de 2016