Comentários
600
Mercado imobiliário

Norma de Desempenho - Parte 5: Requisitos para os sistemas de coberturas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
O presente capítulo da Norma de Desempenho NBR-15.575 se refere aos sistemas de coberturas, designados pela sigla SC, cujas funções são imprescindíveis à preservação da saúde dos usuários e à proteção do corpo da construção. Isso se reflete diretamente na durabilidade de seus elementos, ao impedir a infiltração de umidade decorrente das intempéries e evitar a proliferação de micro-organismos patogênicos que, além das indesejáveis consequências à saúde dos que ali habitam, resultam em processos de degradação dos materiais utilizados na construção, causando apodrecimento, corrosão e fissuras de natureza higrotérmica, entre outros.

Em razão dessas prováveis consequências indesejáveis, torna-se imperativo que os sistemas de coberturas (SC) sejam planejados e executados de forma a proteger os demais sistemas, especialmente por ser a parte da edificação mais exposta à radiação solar. Isso se reflete na carga térmica transmitida aos demais ambientes, influenciando no conforto térmico e no consumo de energia nos equipamentos de ventilação e ar-condicionado, além de interagir com os sistemas de instalações sanitárias, proteção de descargas atmosféricas e isolação térmica.

Dessa forma, o projeto requer atenção nas ações atuantes decorrentes do vento, intensidade de chuvas e insolação, bem como devem ser previstos mecanismos de segurança de pessoas, uma vez que os serviços de execução e manutenção devem ser executados em locais acima do solo e de acesso cuidadoso.

O tópico destinado aos conceitos e definições é bem detalhado no que se refere à caracterização das diversas partes, iniciando pela própria definição do sistema de cobertura (SC) como o conjunto de elementos/componentes dispostos no topo da construção. A função é assegurar a estanqueidade, proteger os demais sistemas da deterioração por agentes naturais e contribuir para o conforto termoacústico da edificação.

Em seguida, apresenta a definição de telhado, elemento constituído pelos componentes telhas, peças complementares e acessórios; alpendre, telhado constituído por uma única água; telhado de duas águas, formado por dois planos concorrentes na linha de cumeeira; telhado de quatro águas, constituído por quatro planos inclinados, em formatos diversos, concorrentes em linha de cumeeira ou espigão; telhado em arco, com águas côncavas; água, pano ou vertente, denominação de cada plano inclinado que constitui o telhado; água-mestra, aquela principal, de maior área; ático ou desvão, espaço entre o telhado e o forro ou laje; caimento, declividade da água; entreforro ou plenum, espaço entre forro e uma laje ou pano de telhado que lhe é paralelo.

Em continuidade aparece a definição cobertura-terraço, como aquela que disponibiliza sua área, total ou parcial, para o desenvolvimento de atividades; laje plana, cobertura com declividade maior ou igual a 5%; lauternim, peça do telhado sobreposto, destinada a ventilar e/ou iluminar um ambiente; sótão, ático acessível e possível de ser utilizado pelos usuários; subcobertura, componente impermeável aplicado sob o telhado, destinado a proteger o forro ou a laje de cobertura contra a ação das águas; teto, superfície inferior de uma cobertura, que serve para delimitar a parte superior de um ambiente; forro, revestimento inferior de cobertura ou de entrepisos; viga-calha, componente estrutural, com formato de canal, objetivando captar e conduzir as águas na cobertura; estrutura principal, conjunto resistente apoiado diretamente na estrutura da edificação; estrutura secundária, conjunto de componentes do telhado apoiado na estrutura principal; trama, estrutura secundária, compreendendo terças, caibros e ripas; tesoura, elemento da estrutura principal de sustentação da trama.

Além de indicar o atendimento aos requisitos dos usuários, no que se refere às necessidades básicas de segurança, saúde, higiene e economia, o texto normativo recomenda aos construtores e incorporadores a realização de inspeções periódicas. O objetivo é acompanhar o comportamento dos sistemas de cobertura, bem como examinar a correta utilização e efetiva implementação dos programas de manutenção. Também apresenta os requisitos do desempenho estrutural, compreendendo resistência à deformabilidade, solicitações dinâmicas em sistemas de cobertura e em coberturas-terraço acessíveis aos usuários, solicitações em forros e ação do granizo e outras cargas acidentais em telhados.

Quanto à segurança contra incêndio, os requisitos se referem à reação ao fogo dos materiais de revestimento e acabamento e resistência ao fogo do sistema de cobertura, onde constam tabelas de classificação dos materiais e métodos de ensaios, além de outros critérios objetivos de aferição. Prossegue com requisitos de segurança no uso e na operação, estanqueidade, visando preservar as condições de salubridade, e desempenhos térmico e acústico, sempre pautado em tabelas contendo os parâmetros de aferição dos resultados a serem alcançados.

Entre outras exigências, destacamos em resumo que o sistema de cobertura deve suportar cargas de pessoas que trabalhem em sua superfície, não apresentar avarias ou deslocamentos que prejudiquem sua funcionalidade ou leve à ruína, as manchas de umidade não podem ultrapassar 35% de sua área, deve ter capacidade de drenagem que não permita empoçamentos ou extravasamentos, além de apresentar transmitância térmica e absortância à radiação solar que resultem em desempenho térmico compatível com a respectiva zona bioclimática, além de ajudar no isolamento sonoro.

*Engenheiro e advogado, sócio da Precisão Consultoria e autor do livro Guia de negócios imobiliários - Como comprar, vender ou alugar seu imóvel

E-mail para esta coluna: coluna@precisaoconsultoria.com.br

Tags: Francisco Maia Neto

Anúncios do Lugar Certo

Outros Artigos

ver todas
13 de março de 2017
21 de novembro de 2016
24 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
01 de setembro de 2016