Comentários
600

Vistoria para entrega da obra

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
A compra de um imóvel na planta, ou seja, adquirido antes ou durante a construção, tem sido a escolha da maioria das pessoas que opta pela aquisição de um imóvel novo, pois esse sistema permite um planejamento mais adequado do pagamento das parcelas, além de estar comprovado que o valor de aquisição do bem nessas condições é inferior àquele quando já está concluído, não obstante os riscos envolvidos na operação, especialmente por tratar-se de algo com entrega futura, que não permite ao comprador examinar no momento do fechamento do negócio.

Por essa razão torna-se da maior importância a vistoria para entrega do imóvel, que é o último ato antes do que se costuma denominar de “cerimônia de entrega das chaves”, que é quando o adquirente efetivamente irá conhecer o bem que lhe foi prometido pela construtora, adquirido alguns anos antes, ciente de que a compra foi respaldada em documentos que atestam no que irá constituir aquele imóvel, notadamente o Memorial de Incorporação que tem especificações técnicas e de acabamento, folhetos publicitários e tudo o que a construtora prometeu de forma documentada no momento da compra, devendo este ser obrigatoriamente arquivado no Cartório de Registro de Imóveis.

Ao ser comunicado pela construtora da conclusão e consequente convite para a visita, o comprador deve se programar, não se deixando levar pela emoção do recebimento do imóvel, elaborando um checklist (uma relação escrita de tudo que deverá verificar naquele momento), o que deve ser feito com a devida calma, ciente de que alguns reparos podem ser feitos até mesmo naquela oportunidade, mas outros podem levar alguns dias e até um mês, devendo ser anotados em um “termo de vistoria”, elaborado conjuntamente pelo representante da construtora e o comprador, que deverá ser feito em duas vias ou copiado, para que cada parte tenha a sua respectiva via, que ensejarão uma nova vistoria após os consertos.

Para efetivar a vistoria, a sugestão é dividir a inspeção em dois grandes grupos, o primeiro referente aos revestimentos e acabamentos, quando deverão ser examinadas, por exemplo, a pintura de paredes, portas e janelas; a colocação de pisos e azulejos, especialmente quanto ao alinhamento, rejunte e ausência de trincas; abertura e fechamento das janelas e portas, inclusive dos armários; presença de trincas ou defeitos nos tetos de gesso e na textura.

Já o segundo grupo compreende as redes hidráulica, elétrica, gás, telefone e esgoto. É importante que todas as instalações sejam testadas, começando pelas tomadas, pontos elétricos, interfone e interruptores; verificação do funcionamento da tubulação de gás; conferência do quadro de luz, especialmente quanto à identificação dos disjuntores; certificação de que pontos elétricos estão nos locais projetados e a existência de pontos para televisão e telefone; verificação do estado geral das louças, não só quanto à sua integridade, mas também se coincide com a especificação do memorial descritivo; levantamento de eventuais vazamentos, mediante inspeção visual, inclusive nos sifões; acionamento de todas as torneiras, chuveiros e descarga, testando se o volume encontra-se adequado, tanto para água quente como fria, por último o teste de escoamento, que deve ser feito nos boxes e nas áreas sujeitas a lavagem ou descobertas, cujo direcionamento da água deverá ser para os ralos, inexistindo empoçamentos.

Por mais que o comprador esteja atento no momento da vistoria para identificar falhas ou desconformidades existentes no imóvel, se algo passou despercebido, ainda pode reclamar a correção, observando que o prazo para vícios aparentes, possíveis de serem identificados em um exame visual é de 90 dias, por isso alguns consumidores contratam engenheiros ou arquitetos para realizar esse trabalho, podendo inclusive emitir um laudo específico. Mas é importante observar que o eventual reparo reclamado compreende a obrigatória assistência técnica da empresa, mas não cobre o uso inadequado do imóvel, cujo problema foi provocado pelo comprador.

 

*Engenheiro e advogado, sócio da Precisão Consultoria e autor do livro Guia de negócios imobiliários - Como comprar, vender ou alugar seu imóvel

E-mail para esta coluna: coluna@precisaoconsultoria.com.br

Tags: Francisco Maia Neto

Anúncios do Lugar Certo

Outros Artigos

ver todas
13 de março de 2017
21 de novembro de 2016
24 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
01 de setembro de 2016