Comentários
600
Mercado imobiliário

Os condo-hotéis e a regulamentação da CVM

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
Os números não deixam dúvidas quanto ao sucesso dos empreendimentos imobiliários idealizados, viabilizados e operados segundo o sistema de hotéis em condomínio, ou simplesmente condo-hotéis, que consiste na comercialização do estabelecimento hoteleiro de forma pulverizada entre os investidores, pessoas físicas ou jurídicas, que podem adquirir as unidades autônomas, segundo uma modalidade, ou frações ideais, que representam cotas do futuro empreendimento, de acordo com a outra alternativa.

Em ambos, o comprador é informado no momento da aquisição que a totalidade das unidades do hotel funcionarão sob a forma de um “pool” hoteleiro. Todos receberão uma distribuição de lucro mensal, em função do resultado da atividade, e mesmo quem adquiriu pela sistemática de unidades autônomas se desejar hospedar-se naquele hotel deverá arcar com o valor da hospedagem como um hóspede comum. Isso permite viabilizar uma administração única, que se estende a todas as unidades indistintamente.

A primeira experiência com esse tipo de lançamento, utilizando o contrato coletivo de venda e operação, ocorreu em 1999, em São Paulo, com a comercialização do Ibis Congonhas, e foi visto como uma forma de apagar a péssima lembrança dos flats no passado. Nos 10 anos seguintes, entre 1999 e 2009, segundo o Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB), foi registrado crescimento de 506% no número de lançamentos desse tipo de empreendimento no país.

Essa questão, entretanto, desde que foi publicado no Diário Oficial da União, em 19 de março, ganhou um novo ingrediente, pela Comissão de Valores Imobiliários (CVM): a Deliberação CVM 734, que “Delega competência à Superintendência de Registro de Valores Mobiliários para conceder dispensas em ofertas públicas de distribuição de contratos de investimento coletivo no âmbito de projetos imobiliários vinculados à participação em resultados de empreendimento hoteleiro, nas hipóteses que especifica”.

Até 2014 não existia nenhuma preocupação dos empreendedores com relação a restrições ou até mesmo punição quanto à publicidade desses projetos, que seguiam igual sistemática adotada pelo mercado imobiliário, até que a CVM suspendeu as vendas do projeto denominado Town houses Copa, localizado no Rio de Janeiro. A propaganda era capitaneada por um ex-técnico da seleção brasileira de futebol, tendo como fundamento que o lançamento era uma oferta de valores imobiliários disfarçada de negócio imobiliário.

Essa movimentação da CVM com relação aos condo-hotéis havia-se iniciado no ano anterior, quando foi expedido um alerta ao mercado, informando que este tipo de empreendimento eram passíveis de registro neste órgão, que foi seguida pela notificação em abril de 2014, a 50 empreendimentos do gênero.

Curiosamente, nesse mesmo mês ocorreu a primeira decisão da CVM sobre o tema, dispensando de oferta e emissão de valores imobiliários um empreendimento no Rio de Janeiro, denominado Best Western Arpoador Fashion. Essa decisão foi acompanhada da restrição de venda de frações ideais aqueles que dispunham de patrimônio superior a R$ 1,5 milhão ou que aportassem, no mínimo, R$ 1 milhão no empreendimento.

Embora a CVM tenha buscado a celeridade no exame dos pedidos, ao delegar à SRE, braço técnico do órgão, o exame do pedido para obter o benefício da dispensa rápida, existe o pré-requisito de que a comercialização seja feita somente a investidores qualificados (com mais de R$ 1,0 milhão em patrimônio financeiro) ou, caso não se enquadre nesta categoria, invista no mínimo R$ 300 mil no empreendimento, para a modalidade unidades autônomas, e para a venda de frações ideais, R$ 1,5 milhão e R$ 1 milhão, respectivamente.

Não há dúvida de que o aparecimento de restrições constitui uma dificuldade imposta do segmento, especialmente pela velocidade com que a CVM examinou os pedidos ultimamente, liberando apenas oito projetos em um ano e meio. Além do que, a existência dos valores mínimos acaba modulando o mercado e restringindo os futuros lançamentos. No entanto, existem já defensores da medida adotada, que enxergam nela uma proteção ao investidor, o que representa uma segurança para o setor, uma vez que resultará na regulação da oferta, cujo excesso constitui o principal fator de destruição dos hotéis.

 

*Engenheiro e advogado, sócio da Precisão Consultoria e autor do livro Guia de negócios imobiliários - Como comprar, vender ou alugar seu imóvel

E-mail para esta coluna: coluna@precisaoconsultoria.com.br

Anúncios do Lugar Certo

Outros Artigos

ver todas
13 de março de 2017
21 de novembro de 2016
24 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
01 de setembro de 2016