Comentários
600
Mercado imobiliário

O que a mão de obra representa para a construção civil

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
Sim! A carência de mão de obra qualificada é um sério problema que vem afetando vários segmentos da economia nacional. Na construção civil, isso até parece jargão para justificar, por exemplo, os atrasos nas entregas de algumas obras. Mas é a pura verdade. A gravidade dessa questão pode ser medida em números: exatamente 75,80% dos empresários da construção entrevistados pela Sondagem da Indústria da Construção de Minas Gerais, realizada no período de 1º a 18 de julho, pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) e Confederação Nacional da Indústria (CNI), em parceria com o Sinduscon-MG, apontaram a “falta de trabalhador qualificado” como o principal problema enfrentado por suas empresas.

O reflexo desse grande problema é justamente a queda da produtividade nas obras. Ela pode ser medida pela prática do dia a dia nos canteiros. Nosso colega construtor e presidente da Câmara da Indústria da Construção da Fiemg, Teodomiro Diniz Camargos, disse em entrevista recente que há poucos anos, na empresa dele, um pedreiro executava cerca de 30 a 40 metros quadrados (m²) de piso por dia, e que hoje essa média cai para aproximadamente 15m².

No entanto, é importante ressaltar que essa redução na produtividade não é reflexo apenas da escassez da qualificação no setor, mas também do absenteísmo. Ou seja, com o mercado em alta, os trabalhadores mais capacitados são demandados também pela informalidade, isto é, para as reformas em casas e comércios de particulares e até mesmo nos famosos ‘puxadinhos’, ofertas de serviços que eles não recusam. Afinal, representam mais dinheiro no bolso. Isso significa que eles se ausentam do trabalho “oficial” – aquele que lhes dá carteira de trabalho assinada e seus benefícios –, não querem mais cumprir hora extra, tampouco trabalhar aos sábados, prejudicando assim o andamento da obra (leia-se produtividade). O mesmo construtor que citei acima afirmou que a falta ao trabalho em suas obras nas segundas-feiras chega hoje a 35%.

Se, por um lado, a falta da mão de obra representa um freio no ritmo das obras, por outro, ela força a busca por novos processos e sistemas construtivos. E a industrialização é a saída. No entanto, para industrializar, é preciso investimento, o que é intimidado pela alta carga tributária do país. Aliás, a elevada carga de impostos e encargos que incidem sobre o setor foi apontada como o segundo maior problema da construção por 42,40% dos empresários que responderam à mesma sondagem citada no início deste texto. E o alto custo da mão de obra foi citado como entrave por 27,30% dos respondentes.

Nada menos do que 193,8% é a carga de encargos previdenciários e trabalhistas e dos benefícios da convenção coletiva que incidem sobre o segmento. Fazendo as contas: em Belo Horizonte, o piso pago pela hora trabalhada em julho foi de R$ 4,72 e o custo desse trabalhador para o empresário foi de R$ 13,87/hora.

Outro dado que mostra a dimensão da elevação dos custos com a mão de obra é o salto que eles deram em dois anos. Em julho de 2010, a participação dos custos dos trabalhadores do setor no custo total da construção em Belo Horizonte era de 47%. Em julho deste ano, passou para cerca de 51%.

Apesar de todas essas dificuldades, a construção civil, que não dispõe de oferta de trabalhador qualificado, tem baixa produtividade, carece de industrialização e assume custos elevados, ainda consegue produzir com eficiência e puxar o crescimento do país. Com soluções para esses entraves, imagine o quanto ainda não podemos crescer.

*Diretor de comunicação do Sindicato da Indústria da Construção Civil nos Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG)

Anúncios do Lugar Certo

Outros Artigos

ver todas
22 de junho de 2015
01 de junho de 2015
27 de abril de 2015
31 de março de 2015
03 de fevereiro de 2015