Comentários
600
Mercado imobiliário

Economia de água no condomínio residencial

"Estamos entrando na época de escassez de chuvas e os reservatórios brasileiros estão com seus níveis bem abaixo do que seria normal"

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
Já faz muitos anos que algumas empresas e profissionais autônomos vêm oferecendo para os condomínios de apartamentos vender e instalar equipamentos para reduzir o consumo de água e, logicamente, cobrando valores pelos equipamentos e serviços de instalação. Dessa forma, os condôminos só saberão se haverá, ou não, redução no consumo de água nos meses seguintes. Se reduziu o suficiente para justificar o dinheiro pago pelas instalações dos equipamentos, ótimo, caso contrário, é dinheiro perdido.

No kit de equipamentos oferecidos, o “eliminador de ar” é apontado como o mais importante para evitar que o ar seja “medido” como se fosse água. No entanto, a Copasa não permite que esse equipamento seja instalado antes do hidrômetro. Se for instalado, a companhia aplica uma multa no condomínio, podendo, ainda, cortar o fornecimento de água. Então, fica a pergunta: se o eliminador de ar for instalado depois do hidrômetro, na tubulação interna do condomínio, o ar já teria passado pelo hidrômetro e medido como se fosse água? Uma questão a ser esclarecida pelos técnicos de hidrometria.

Diante da dúvida acima, alguns projetistas e fabricantes de equipamentos aprimoraram a técnica de seus produtos. Uma empresa mineira vem inovando ao propor o fornecimento e instalação dos equipamentos sem custos para os condomínios (custo zero de verdade). A TRC – Técnica de Redução de Consumo (www.trcsustentavel.com.br), confiante na eficácia de seus produtos, propõe recuperar o investimento referente, recebendo do condomínio o valor financeiro mensal de 50% da redução mensal nas contas da Copasa, no decorrer de dois ou três anos, dependendo da quantidade de apartamentos no prédio e, depois de vencido o contrato de participação, os equipamentos serão de propriedade do condomínio, sem custos adicionais.

Por falar em recursos próprios dos condomínios para economizar nos custos com as contas d’água, é bom lembrar que estamos entrando na época de escassez de chuvas e os reservatórios brasileiros estão com seus níveis bem abaixo do que seria normal. Assim sendo, o rigor da fiscalização governamental será maior com referência aos poços artesianos clandestinos, aqueles não registrados nos órgãos pertinentes. Os condomínios que têm poços artesianos nessas condições devem providenciar o mais rápido possível as obrigatórias legalizações, até porque, se forem flagrados serão multados e terão seus poços “lacrados”. Além disso, é bom lembrar que, nesse caso, o síndico em mandato responde juridicamente pelo condomínio, independentemente se o poço foi instalado por síndicos anteriores.

 

*Diretor da Administradora Opala e das administradoras de condomínios na CMI/Secovi-MG

E-mail para esta coluna: nerycomercial@admopala.com.br

Anúncios do Lugar Certo

Outros Artigos

ver todas
18 de abril de 2016
21 de março de 2016
29 de fevereiro de 2016
30 de novembro de 2015
13 de julho de 2015