Comentários
600
Mercado imobiliário

A distorção do conceito de trabalho análogo à escravidão por órgãos fiscalizadores

A lista editada pelo Ministério do Trabalho, que aponta empresas que estariam submetendo os trabalhadores a condições análogas à escravidão possui critérios questionáveis que estão prejudicando trabalhadores e empresas de vários setores produtivos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 20/07/2016 09:53 / atualizado em 20/07/2016 09:56
O tema é muito importante e deve ser avaliado com todo o rigor técnico e legal que merece, incorporando objetividade e consequentemente justiça às decisões a ele inerentes. A lista editada pelo Ministério do Trabalho, que aponta empresas que estariam submetendo os trabalhadores a condições análogas à escravidão possui critérios questionáveis que estão prejudicando trabalhadores e empresas de vários setores produtivos.

Isso porque a falta de diretrizes objetivas por parte dos órgãos competentes abre brechas para que a fiscalização nas empresas seja feita de forma subjetiva e até tendenciosa. A consequência é a punição improcedente de empresas com a inserção de seus nomes na lista, paralisação das atividades e perda de emprego por parte dos trabalhadores.

Não se trata aqui de defender empresas que, deliberadamente, atentam contra os direitos e a saúde dos trabalhadores ou os tratem de forma indigna. Para elas, a lei e as punições devem ser severas. Contudo, a fiscalização e os processos de apuração administrativa das ocorrências devem ser pautados por diretrizes objetivas e claras. O que se observa em alguns casos são decisões individuais, subjetivas, algumas com viés ideológico e sem razoabilidade.

Segundo o artigo 149 do Código Penal Brasileiro, o trabalho análogo ao de escravo é caracterizado por trabalho forçado, restrição de locomoção e retenção no local de trabalho, retenção de documentos pessoais, jornada exaustiva, servidão por dívida e/ou condições degradantes de trabalho, que coloquem em risco a saúde e a vida do funcionário. Entretanto, de maneira totalmente arbitrária à legislação, alguns autos de fiscalização resultam em enquadramentos bastante questionáveis.

Na construção civil, há casos em que o ângulo do jato de água do bebedouro e a densidade do colchão do alojamento resultaram na indevida inclusão do nome de empresas na “lista suja” do Ministério do Trabalho. Em outro, o fato de um alojamento ter nove chuveiros quando deveria ter 10 também foi motivo para autuação e poderia ensejar o referido enquadramento. Por isso a urgência em se rediscutir esse processo que intensifica a insegurança jurídica nos setores produtivos do país.

Não raras vezes, o nome de empresas é incluído na 'lista suja', mas depois de processo penal a Justiça considera a penalidade como improcedente. Entretanto, até uma decisão do Judiciário, os danos à imagem da empresa e em seus negócios já causaram prejuízos muitas vezes irreparáveis.

Essas decisões inadequadas e carentes de objetividade também impactam negativamente os trabalhadores e suas famílias. Nos casos em que a penalidade é inadequada, obras são paralisadas, forçando as empresas a demitir seus funcionários. Portanto, as consequências sociais de um ato administrativo precisam ser melhor dimensionadas pelo poder público e órgãos de fiscalização.

O que o setor produtivo deseja é que o assunto seja tratado de forma séria e responsável. As empresas que seguem a legislação trabalhista e as normas de segurança não podem ficar reféns da subjetividade. O objetivo deve ser sempre o de garantir as condições adequadas de trabalho e preservar a atividade produtiva e o emprego, nunca promover injustamente o fechamento de postos de trabalho.

Por isso, é muito importante que a indústria, o Ministério do Trabalho, o Ministério Público do Trabalho e representantes dos trabalhadores se reúnam para, em consenso, definir critérios claros para a classificação do trabalho análogo à escravidão. Uma solução equacionada pelos principais envolvidos certamente vai evitar paralisações desnecessárias de obras e a exposição indevida das empresas, bem como o aumento do desemprego e a consequente queda da renda das famílias, especialmente neste momento tão delicado da economia brasileira.

*André de Sousa Lima Campos, presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG)

Tags: escravidão análogo trabalho conceito distorção órgãos fiscalizadores

Anúncios do Lugar Certo

Outros Artigos

ver todas
10 de novembro de 2016
12 de outubro de 2016
13 de setembro de 2016
16 de agosto de 2016
20 de julho de 2016