Comentários
600
Mercado imobiliário

Morosidade do Judiciário é entrave ao crescimento econômico

São vários e distintos os casos em que a demora de uma decisão judicial provoca atrasos em importantes projetos que gerariam nova dinâmica econômica, com postos de trabalho, aumento da renda e incremento no pagamento de tributos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 16/08/2016 17:26 / atualizado em 16/08/2016 17:27
Um ambiente econômico favorável ao desenvolvimento depende, necessariamente, de um sistema interligado e dinâmico que dê suporte às iniciativas produtivas. Contudo, além das deficiências na infraestrutura e nas legislações tributária e trabalhista, o empreendedor no Brasil também se vê obrigado a vencer a burocracia e a morosidade do sistema judiciário do País.

São vários e distintos os casos em que a demora de uma decisão judicial provoca atrasos em importantes projetos que gerariam nova dinâmica econômica, com postos de trabalho, aumento da renda e incremento no pagamento de tributos. Em alguns casos, o tempo à espera de uma decisão da Justiça chega até a inviabilizar todo o empreendimento.

Segundo Relatório Justiça em Números, divulgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a taxa de congestionamento na instância de primeiro grau em 2014 foi de 73%. Na prática, significa que se o Judiciário parasse de receber novos processos e se concentrasse em resolver as disputas em estoque, mantendo o volume resolvido naquele ano, seriam necessários quatro anos para zerar as pendências. Na segunda instância, a taxa de congestionamento é de 48%, mostrando que o problema é estrutural.

Por isso, uma alteração no rito processual e nas estruturas de atendimento aos pleitos é fundamental para reduzir a burocracia. Além disso, é necessária também uma reformulação nas leis que modulam algumas relações, como as transações de direitos de propriedade. O objetivo deve ser o de evitar que processos em que não há conflitos tenham a obrigatoriedade de ter um longo trâmite no judiciário, desafogando os tribunais e favorecendo a atividade econômica.

O entendimento de vários juristas é de que as leis e suas aplicações pelo Poder Judiciário devem ter como mote a remoção de obstáculos à livre iniciativa e à negociação entre particulares. Contudo, a necessidade de juridicializar alguns processos impõe a certas operações privadas aumento de gastos decorrentes do pagamento de taxas e honorários advocatícios, bem como imobiliza patrimônio e capital, postergando investimentos.

No mercado imobiliário, por exemplo, há casos em que todas as partes envolvidas estão em comum acordo, mas, devido à obrigatoriedade de se seguir vários trâmites na esfera do judiciário os negócios ficam travados por anos. Um dos exemplos são operações de compra e venda de bens em processo de inventário judicial. O trâmite se tonar ainda mais moroso quando este envolve direitos de crianças e adolescentes, demando autorização específica para a venda por parte do Ministério Público.

É certo e fundamental que os direitos do menor, bem como de todos envolvidos na negociação, devem ser preservados e que a transação precisa se dar conforme determina a legislação. Contudo, o processo no jurídico não pode se transformar em amarras aos indivíduos. Fato é que, a espera por uma decisão judicial por anos acaba por ferir os direitos à propriedade e à livre iniciativa dos envolvidos, incluindo os menores herdeiros.

Deste modo, modificações na legislação e nos códigos processuais são imperativas frente ao aumento das transações e a limitação do Poder Judiciário em dar vazão a todos os processos que recebe anualmente. Estabelecer ritos mais simples quando os interesses das partes convergem é um modelo salutar. Outra medida possível seria a criação de câmaras especializadas, nas quais juízes e promotores familiarizados tornariam mais ágeis e fundamentados os procedimentos.

Portanto, neste momento em que discutimos importantes reformas em nossa sociedade, a necessidade de se promover a evolução na legislação e no trâmite judiciário é emergencial e terá importantes impactos positivos na retomada dos negócios e da atividade econômica do Brasil.

* Vice-presidente da Área Imobiliária do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG)

>>E-mail para esta coluna: comunicacao@sinduscon-mg.org.br

Tags: entrave Morosidade do Judiciário crescimento econômico

Anúncios do Lugar Certo

Outros Artigos

ver todas
10 de novembro de 2016
12 de outubro de 2016
13 de setembro de 2016
16 de agosto de 2016
20 de julho de 2016