Decoração de quarto de menina deve traduzir personalidade

Quarto de menina costuma ser assim: colorido, cheio de bibelôs, pôsteres e muito estilo. Visitamos quatro cantinhos feitos para e por garotas com muita personalidade

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 06/06/2011 10:25 Maria Júlia Lledó /Correio Braziliense
O quarto de uma menina é o primeiro espaço onde ela descobre e exerce a individualidade. Vale colorir parede, colar pôster, jogar pelúcia na cama, escolher a colcha e até arrumar prateleiras e armários como bem entender. Ok. Há limites apontados pelos pais. Mas o quarto dela deve traduzir personalidade, sonhos e paixões próprias. Essa foi a conclusão da fotógrafa libanesa Rania Mattar no ensaio A girl in her room (A garota no seu quarto, em português). A Revista também conversou com quatro meninas, entre 8 e 13 anos, para saber — e registrar— como decoraram aquele cantinho da casa que pertence a elas.

Quartos fotografados

Mãe de uma adolescente, Rania Matar observou o crescimento e a mudança das aspirações da filha pela ótica do quarto dela. Foi assim que começou a registrar o quarto da primogênita e de outras amigas dela nos Estados Unidos. A fotógrafa ainda incluiu quartos de garotas do México, Haiti e Oriente Médio. Esse último, cenário onde Rania já havia realizado outros trabalhos. Em depoimento em seu site (www.raniamatar.com), ela destaca o fascínio pelas semelhanças entre os quartos de meninas de culturas tão distintas.

Quase lá


Estudiosa, curiosa e vaidosa. Três adjetivos que descrevem a estudante Marina de Araújo M. Souza, 8 anos. Ela ainda deixa aos cuidados da mãe a decoração do quarto. Mas quem disse que não faz cara feia quando não gosta de algo? Foi ela quem não arredou o pé para ter uma televisão e um computador na escrivaninha. Também organizou brinquedos, livros, revistas e acessórios que se espalham pelo quarto. “Ainda vou ter um quarto todo roxo”, promete. Enquanto isso, Paula mata a vontade de ousar cores nas almofadas e travesseiros da cama. Mesmo que a mãe dê pitacos, esse espaço é só dela.

Um para dois


A ideia é aprender a compartilhar. Essa lição Júlia e Paula Reis da Motta, 11 e 8 anos, respectivamente, aprenderam direitinho. Duas camas, dois computadores, armários, prateleiras individuais e o que mais fosse necessário para que as meninas mantivessem a individualidade sem abrir mão do aprendizado que vem do compartilhar um mesmo espaço. Júlia gosta de um cantinho em cima da escrivaninha onde guarda livros e revistas. Nas portas da prateleira, fotos de ídolos. Paula, mais nova, gosta de colecionar brinquedinhos e bibelôs. Alguns são presentes que a mãe traz de viagens, outros, ela ganha de amigos. Júlia, como irmã mais velha, confessa querer experimentar a independência e partir para outro cômodo da casa. Mas enquanto a convivência entre as duas estiver em harmonia, as irmãs se adaptam à diferença de gostos e de estilos.

Cheia de atitude


Os móveis que vieram da mudança para o novo apartamento de Alice Cândido Ribeiro Soares, 10 anos, eram nas cores branca e rosa. O quarto da menina correspondia ao gosto que apresentava na época. Mas a estudante deu um jeitinho de transformar o quarto novo em outro cantinho. Prateleira roxa para colocar CDs e bibelôs, cabideiro da mesma cor para que as bolsas saíssem do armário, e parede com cartazes do ídolo Justin Bibier tomaram conta do quarto “branquinho demais”. “Aqui, eu escolho”, diz, orgulhosa.

Moda na parede


Bastaram duas horas e meia durante uma madrugada para que a estudante Júlia Espíndola, 13 anos, recortasse e colasse propagandas e capas da Vogue, Elle, L’Officiel e RG Magazine no quarto. Tudo para dar vida e personalidade ao quarto, espaço sagrado e reservado da jovem. Bye bye para o rosa-choque que coloria as paredes. Também foi Júlia quem escolheu a cadeira de design, a prateleira em cubos brancos e os acessórios que enfeitam o criado-mudo. Duas luminárias ainda fazem conjunto com um pinguim branco de abajur. “Agora espero que minha mãe cumpra a promessa e me ajude a passar verniz na parede onde colei as capas de revistas. Até porque falta um acabamento. Mas outras mudanças devem surgir”, promete.

Tags:

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
12 de dezembro de 2016
22 de novembro de 2016
15 de novembro de 2016
06 de novembro de 2016