Feira promete agitar a capital com a beleza e a singularidade do artesanato

Evento promovido por centro cultural de BH será realizado em 4 de agosto com o melhor do feito à mão

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 28/07/2017 12:31 / atualizado em 28/07/2017 13:55 Joana Gontijo /Lugar Certo
A graciosidade do artesanato é celebrada em cada detalhe - Jair Amaral/EM/D.A Press A graciosidade do artesanato é celebrada em cada detalhe

A beleza do gesto artesanal. A singularidade do que nasce das mãos. Obras únicas, criativas e cheias de caráter cultural, histórico e de identidade, que não deixam nada a desejar em relação às peças de alto design. Objetos que enfeitam cada canto da casa com charme e elegância, convidando a desfrutar o espaço. Lançar mão do artesanato é uma maneira de transformar o mundo ao redor e transmitir emoção. Quando aplicado na decoração, o trabalho manual realça qualquer estilo com originalidade.

Minas Gerais é um celeiro de artistas que mostram os mais variados tipos de artigos concebidos dessa maneira. E, para celebrar a produção dessas mentes inventivas, um centro de cultura em Belo Horizonte se prepara para receber o público em um evento para lá de especial. É a terceira edição da Feira de Artesanato promovida pela Brilho Handmade Art (BHArt), que reúne um grupo de artesãos mineiros, marcada para o próximo dia 4 de agosto.

Itens feitos à mão são o ponto alto do trabalho do centro cultural e loja Brilho Handmade Art  - Jair Amaral/EM/D.A Press Itens feitos à mão são o ponto alto do trabalho do centro cultural e loja Brilho Handmade Art

O dia dedicado ao artesanato vai reunir 28 profissionais do estado na aconchegante Casa Ateliê, no Santo Agostinho. A fundadora e coordenadora do BHArt, Cynthia Rabello, ressalta que os trabalhos passaram por uma curadoria cuidadosa, assegurando que são realmente feitos à mão. Além das peças, o evento contará com o melhor da gastronomia, com food bikes de pudim, hambúrguer, suco e cerveja artesanal, e as delícias do renomado chef Gastón Almada, que fará pratos na hora. Ao cair da noite, um pocket show vai animar a galera para curtir o happy hour no lounge gourmet montado no jardim do casarão.

Com entrada gratuita, a feira começa às 13h e vai até as 22h. E tem promoção especial para quem tiver o convite. Os locais de distribuição são: Cinema Belas Artes, Museu Memorial Vale, Centro Cultural BHArt, Café com Letras (Savassi), Sou Café CCBB, Baiana do Acarajé (Savassi) e Loja Colaborativa BHArt. No projeto, são 60 artistas plásticos e artesãos envolvidos e a loja colaborativa, um braço do centro cultural que funciona no mesmo local, agrupa 25 pessoas.

Da garagem para o mundo

O centro começou pequenino na garagem de casa, e hoje funciona como um ateliê coletivo e loja, que oferta cursos, oficinas e workshops na área. As aulas de mosaico, estamparia em seda, cartonagem e pintura em aquarela e acrílico fazem parte da grade fixa. Entre as oficinas, estão as de crochê, pátina para restauração de móveis, suculentas e terrários e pintura. Os workshops têm valores a partir de R$ 100 e os cursos de R$ 200, já incluído o material. As atividades variam entre quatro ou duas aulas, ou até em um dia inteiro.

A fundadora e coordenadora do BHArt, Cynthia Rabello, ressalta a importância de resgatar e valorizar o fazer manual - Jair Amaral/EM/D.A Press A fundadora e coordenadora do BHArt, Cynthia Rabello, ressalta a importância de resgatar e valorizar o fazer manual

Depois de deixar o emprego formal em um banco, Cynthia, há muito tempo inspirada pela mãe e pela avó, adeptas do artesanato, além das aulas de arte na escola, começou a investir em produtos de joalheria, que comercializava, no início timidamente, para as amigas. Eram os idos de 2001. "Comecei atendendo em casa, e participava de feiras e eventos da área, que não eram muitos, a não ser a feira nacional, que ocorre todo fim de ano. A partir daí, consegui abrir meu próprio espaço para receber as pessoas com um atendimento mais personalizado. Resolvi montar um ateliê na garagem. Coloquei umas mesinhas, improvisei. As pessoas passavam e ficavam encantadas e, a partir daí, começaram a encomendar. Depois, fiz cursos de ourivesaria e iniciei a produção de peças com banho de ouro. Tudo muito artesanal, mão na massa", relembra. Em 2015, ela alugou o prédio onde criou o centro cultural, na rua Paracatu, em BH. A loja colaborativa vai completar um ano em setembro, e o ateliê abriu as portas em 2002.

O que não falta é opção

Entre o variado leque da loja, o melhor do artesanato, das artes plásticas, da moda e do design. São itens como cartonagem com carteiras, feitas com as técnicas de tecido, papelão, costura e patchwork; caderninhos; capas de livro; vidros, taças e garrafas pintadas; artigos religiosos, como oratórios, santos, divinos e escapulários de porta; chaveiros; uma linha exclusiva de esculturas em palitos de fósforo; camisetas; semi joias e acessórios; pendentes; luminárias e abajures; espelhos; bandejas; bolsas; sabonetes e essências; bonecos e esculturas; panos de prato; almofadas; porta chaves; trabalhos em ferro fundido; cerâmicas, entre outros. Os produtos também podem ser encomendados.


A tabela de valores tem peças entre R$ 10 e R$ 1,5 mil. Pelo preço mínimo, é possível comprar chaveiros, bolsinhas, porta moedas, semi joias; pendentes em acrílico ou madeira com resina para pendurar na porta, no quarto ou no carro saem por R$ 30; caixinhas de fósforo enfeitadas com casinhas imitando um mini quadro são vendidas por R$ 15; esculturas com fósforo vão de R$ 20 a R$ 60; artigos sacros, como santos e oratórios têm custo entre R$ 15 a R$ 200; além de mandalas, bancos de madeira ou espelho com mosaico, e luminárias, entre R$ 300 e R$ 350 e, por último, uma peça entre as mais caras, o oratório de marchetaria que faz referência a igrejas antigas e barrocas, encontrado por R$ 1,5 mil.

"Temos uma clientela que conhece o trabalho há muito tempo, e a loja tem um bom retorno. As pessoas ficam fascinadas", diz Cynthia. O artesanato rico e autêntico chama o olhar do público, que se surpreende com o trabalho. "Geralmente, não se tem acesso a uma produção de qualidade. Assim, quem frequenta nossa loja e os eventos se apaixona. Fazemos questão de exaltar a história de cada artista, como uma maneira de resgate mesmo". No grupo do BHArt, artesãos de todas as idades são os responsáveis por essa magia do que é feito à mão.

Parcerias

A feira de artesanato acontece mensalmente. A edição inaugural foi em maio, no Museu das Minas e do Metal, e esta é a segunda vez que a Casa Ateliê abriga o evento. Em setembro, a intenção é também aproveitar o belo espaço na Rua Gonçalves Dias para a realização. "O objetivo é fazer parcerias com outros centros culturais. Está para vir um projeto conjunto com a Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), para uma exposição em Mariana", revela a artista.

São opções para todos os gostos e bolsos - Jair Amaral/EM/D.A Press São opções para todos os gostos e bolsos

A partir de agosto, será ainda concebida no centro uma cafeteria e bistrô. "Pequeno, mas bem aconchegante. Terá o comando de Gastón Almada, que inclusive trabalha com a comunidade carente oferecendo cursos de fabricação de pães gratuitamente. Ele deve ministrar essas aulas aqui também", adianta Cynthia Rabello.

Para a fundadora do BHArt, a maior importância dessa iniciativa é o resgate e a valorização dos trabalhos artesanais. "São artistas que fazem peças lindas, mas enfrentam dificuldades na comercialização, principalmente por causa dos atravessadores. Dessa forma, acabam não sendo reconhecidos e ficam sem o retorno desse esforço todo. Muitas vezes, a loja oferece o produto mas não faz a mínima questão de apresentar a história do autor da obra para os clientes. E a maioria dos artesãos dedica a vida a isso", critica.

Reciclagem

O argentino Exequiel Duarte mora em Belo Horizonte há 16 anos e começou a participar do projeto ao lado de Cynthia a partir de 2016. Primeiro como um integrante da loja e, agora, dentro do grupo de curadoria. Ele conta que ajuda na escolha das peças, com uma percepção orientada para seguir o estilo do espaço. "Quando o espaço colaborativo surgiu, os artesãos passaram a atuar mais ativamente no centro cultural, com os cursos e oficinas", diz. Exequiel ministra as aulas de mosaico e o retorno é mais do que positivo.

Peças primam pela qualidade, criatividade e beleza - BHArt/Reprodução/Facebook Peças primam pela qualidade, criatividade e beleza
No trabalho com o mosaico, o artista exalta a utilização de itens reciclados para a produção dos objetos. "Uso material encontrado na rua ou doado por pessoas que conhecem meu modo de trabalhar". São luminárias, garrafas, vidros, transformados com diferentes tipos de matéria-prima, entre as mais inusitadas. "As pessoas ficam surpresas quando revelo de onde vem o material. Se comparado com a técnica tradicional do mosaico, o método é muito similar, mas se diferencia justamente pelo reaproveitamento", salienta.

Exequiel faz questão de lembrar que a ideia do centro cultural e da loja é ser um espaço de convívio, onde os artesãos podem comercializar os produtos, priorizando a qualidade."Imagino que, para os profissionais, o fato de ser desafiado a apresentar produtos novos e em inovar faz grande diferença nas vendas, em um segundo momento. Trabalhos originais e com bom acabamento é o que as pessoas estão procurando", ressalta.

De passagem pelos arredores da loja, a violinista Fernanda Monteiro, de 30 anos, ficou atraída e logo entrou. Na primeira vez que visitou o local, ela se surpreendeu com a beleza das peças. "Gostei muito. Adoro o trabalho artesanal, e aqui é tudo de muito bom gosto. Como sou do meio artístico, me familiarizo com esse estilo. É uma coisa que não se vê todo dia, em qualquer lugar", finaliza.


Serviço
III Feira de Artesanato Mineiro BHArt
Sexta-feira, 4 de agosto, de 13h às 22h
Na Casa Ateliê, Rua Gonçalves Dias, 3.182, Santo Agostinho
Entrada gratuita

Centro Cultural Brilho Handmade Art
Rua Paracatu, 1.003, Santo Agostinho
Informações: 98225.5711
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Outros artigos

ver todas
18 de setembro de 2017
13 de setembro de 2017
12 de setembro de 2017
05 de setembro de 2017
29 de agosto de 2017