Projeto para construção em BH do maior prédio da América Latina já tem investidor

Investimentos devem girar em torno de R$ 2 bilhões

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 09/10/2012 10:41 / atualizado em 09/10/2012 11:25 Paula Takahashi /Estado de Minas
Torre de 85 andares seria a principal construção de complexo que deve incluir arena multiuso para 40 mil pessoas - PERSPECTIVA Torre de 85 andares seria a principal construção de complexo que deve incluir arena multiuso para 40 mil pessoas

O projeto de construir em Belo Horizonte o prédio mais alto da América Latina começa a virar realidade. Há uma semana, a construtora mineira PHV oficializou o interesse em erguer o arranha-céu de 350 metros de altura dividido em 85 andares, idealizado pelo escritório de arquitetura Farkasvölgyi, do também mineiro Bernardo Farkasvölgyi. O empreendimento, divulgado com exclusividade pelo Estado de Minas em meados de julho, deve exigir investimentos de R$ 2 bilhões.

A princípio, somente a torre comercial tem viabilidade financeira garantida. O restante do complexo arquitetônico – que além da torre de vidro de 85 andares ainda incluiria uma arena multiuso com capacidade para 40 mil pessoas e um espaço de entretenimento com 40 mil metros quadrados – continua a espera de investidores que já manifestaram interesse.

PERSPECTIVA
O presidente da PHV Engenharia, Paulo Henrique Vasconcelos, lembra que o valor estimado de R$ 2 bilhões compreende todo o empreendimento. “O prédio em si exigiria investimento menor. Para termos certeza do quanto será aplicado, estamos esperando que saiam as regras de operação urbana consorciada da região para avaliarmos o potencial construtivo da área”, explica Paulo. Segundo a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, o projeto de lei da operação urbana prevista para a região do Bulevar Arrudas sairá até o final do ano.

Proprietária de um terreno de 15 mil metros quadrados na área prevista para instalação do arranha-céu – em frente ao Boulevard Shopping –, a PHV já negocia outros 15 mil metros quadrados no mesmo local. “Mas somente os 15 mil iniciais já são suficientes para receber a torre”, afirma. Paulo Bernardo acrescenta que o restante do terreno, que deve somar 85 mil metros quadrados, também está em fase de prospecção. “Estamos negociando as demais áreas com a prefeitura, inclusive no que diz respeito à remoção da favela que se encontra na região. Estão sendo estudados outros locais que poderiam receber esses moradores”, afirma.

A expectativa é de que o espigão seja dividido em andares e salas comerciais totalizando 100 mil metros quadrados de área de vendas e de que o metro quadrado seja cotado a cerca de R$ 10 mil. No último andar, seria construído um restaurante. “Na base, serão instaladas lojas para atendimento ao complexo”, acrescenta Paulo. Alguns dos andares seriam destinados a hotelaria.

Aprovação

Até o final do ano o projeto deve ser apresentado à prefeitura, com expectativa de que seja aprovado ainda em 2013. “Assim que sair a liberação, já começamos as obras. Se iniciadas ano que vem, o prédio ficaria pronto em 2018”, estima Bernardo. Com foco em empreendimentos comerciais, a PHV possui hoje 31 obras em andamento na capital mineira e gera cerca de 2 mil empregos diretos.
Arquiteto e urbanista Bernardo Falkasvolgyi, responsável pelo desenho do edificio - Divulgação/FalKasVolGyi Arquiteto e urbanista Bernardo Falkasvolgyi, responsável pelo desenho do edificio

Tags: América Latina

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Paulo - 09 de Outubro às 11:34
Será que os paulistas e cariocas deixarão construir? Eles mandam no Brasil, nada pode ser mauior que eles.

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
23 de junho de 2017
12 de junho de 2017
08 de junho de 2017
03 de junho de 2017
02 de junho de 2017