Chega de barulho

O tratamento acústico como forma de melhorar a qualidade de vida

Há diversas soluções no mercado, entre elas produtos feitos com fibra de garrafas PET e outros que podem ser usados em formatos de fácil aplicação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 25/05/2017 10:47 / atualizado em 25/05/2017 11:00 Augusto Pio /Estado de Minas , Leticia Vidal


Flickr/Banco de Imagens
 
Stress, insônia, dores de cabeça, falta de concentração… Esses sintomas são familiares a você? Pois fique sabendo que a poluição sonora pode estar atrapalhando sua vida! 
 
Principalmente aqueles que moram em grandes cidades sofrem com barulhos causados por construções, geradores, elevadores, ar-condicionado, entre outros aparelhos. O problema da acústica chega a interferir na qualidade de vida, e o problema vai desde o zum-zum-zum em restaurantes até na dificuldade de ouvir o professor em sala de aula. 
 
Soluções em garrafas PET
O tratamento acústico adequado é um desafio e algumas soluções já são apresentadas. Há opções como espumas, lãs de vidro e de rocha, até produtos feitos com fibras de garrafas PET. 
 
A Trisoft, por exemplo, é uma empresa que oferece o ISOSOFT, um isolante acústico e térmico feito a partir da reciclagem de garrafas PET.  Ele pode ser usado em formatos de fácil aplicação (desde residências até salas de concertos) e atende construções já prontas. 
 
A empresa acredita tanto na necessidade do tratamento acústico nas construções, que participa constantemente de projetos de cunho educacional, ambiental e tudo que possa incentivar a mudança de práticas no mercado imobiliário e de decoração.
 
Menos ruído em salas de aula 
O tratamento acústico também é fundamental em sala de aula, e promove boa compreensão da fala, maior atenção e fixação do conteúdo. As aulas tornam-se mais tranquilas e produtivas, além de estimular a criatividade e o trabalho em equipe em um ambiente saudável para alunos e professores.
 
Débora Barretto é arquiteta especializada em acústica e sócia e diretora da Divisão da Acústica da Audium. Ela explica que com o projeto de tratamento acústico em sala de aula, foi atingido aumento de mais de 150% de concentração dos alunos.
 
No trabalho que ela coordena na União Metropolitana para o Desenvolvimento da Educação e Cultura (Unime), os próprios alunos desenvolvem um projeto acústico e o escolhido é colocado em prática. Todas as etapas do processo são observadas, desde sua criação até o final, quando é possível sentir e comprovar a melhoria na qualidade de vida dos usuários. 
 
Alejandra Kirkwood/Divulgação - Alejandra Kirkwood/Divulgação Alejandra Kirkwood/Divulgação
 
 
Alejandra Kirkwood, uma das alunas responsáveis pelo projeto que utilizou materiais Trisoft, esclarece o processo. “Desde que vimos fotos das nuvens acústicas, o desejo por aquela estética prevaleceu. As etapas incluíram volumetria, cálculos para saber a quantidade de painéis necessários para atender ao conforto acústico da sala de aula e o tipo de imagem que poderia ser estampada nas nuvens de uma forma tal que não prejudicasse a atenção e o rendimento dos alunos.” 
 
Isso porque o Isosoft Nuvem permite ser estampado em ambos os lados. No caso do projeto, foi escolhido o produto na cor cinza, para maior acomodação também visual na sala de aula.
 
Para o diretor da Trisoft Maurício Cohab, participar desse tipo de iniciativa faz com que a empresa incentive ainda mais a importância do conforto acústico e deixe de ser considerado supérfluo num projeto arquitetônico.
 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas notícias

ver todas
23 de junho de 2017
12 de junho de 2017
08 de junho de 2017
03 de junho de 2017
02 de junho de 2017