Comentários
600

Administração financeira do condomínio

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 29/12/2014 14:03 / atualizado em 21/01/2015 16:13 Marcos Nery /Especial para o Estado de Minas
Aproximadamente 90% das despesas dos condomínios ocorrem por conta do consumo de água e energia elétrica, da manutenção predial obrigatória, dos salários e encargos trabalhistas, sociais e fiscais, seguros obrigatórios, gás de cozinha etc... Com valores “tabelados” e praticamente inegociáveis, variando para mais ou para menos de acordo com a demanda condominial. Portanto, para reduzir custos nesse grupo de despesas somente por meio da redução de consumo ou eliminação parcial ou total de serviços internos existentes.

Mas reduzir consumo e eliminar serviços no condomínio não é nada fácil ou até impossível, dependendo da situação, porque de um lado ficam os condôminos que fazem questão de manter tudo como está e, de outro, os condôminos que querem reduzir custos de qualquer maneira, mesmo sabendo sobre os reflexos negativos que virão. Se esse caso for levado para votação em assembleia condominial, vencerá o lado que tiver dois terços dos votos, estabelecendo a rivalidade condominial entre os condôminos vencedores e perdedores, situação que será no mínimo constrangedora para todos.

O consumo de água e energia elétrica de uma forma geral, na maioria dos condomínios, tende a ser elevado e até exagerado. Algumas pessoas, sabendo que os custos das contas serão rateados por todas as unidades do prédio, gastam com muita fartura sob o lamentável raciocínio de que “eu não economizo porque os meus vizinhos não economizam”. Mas, como dizem, a fila anda e no futuro bem próximo, não havendo a conscientização de todos para a redução de consumo, certamente virão os problemas de racionamentos e de carência nos preços dos produtos e serviços.

Os outros 10% das despesas mensais dos condomínios são indispensáveis para a boa gestão administrativa e funcionalidade condominial, tais como os custos com as tarifas bancárias, emissões de boletos das taxas de condomínio, correios, material de expediente e arquivo, honorários de síndico e da administradora, sem o que a segurança financeira, contábil, trabalhista e fiscal do condomínio estaria correndo riscos administrativos. Neste grupo de 10% de despesas condominiais mensais, por mais que possa ser reduzido, seria pouco significativo financeiramente sobre o total geral (100%) das despesas e, ainda, prejudicaria os síndicos na execução de suas tarefas, podendo resultar em baixa funcionalidade condominial.

Outra situação interessante é quando algum condômino argumenta que o valor da taxa de condomínio no prédio vizinho é bem menor... Nesse caso, prevalecerá a apresentação das contas mensais para demonstrar a realidade financeira contábil existente e também esclarecer que a comparação de preços com as taxas de condomínio de outros prédios não funciona, salvo entre prédios iguais, porque não sendo iguais terão a quantidade de unidades (apartamentos, salas, lojas) e valores com as despesas de caixa diferentes, que obviamente resultam em diferentes valores de taxas de condomínio.

É indiscutível que o dinheiro é a “mola mestra” que sustenta e movimenta a humanidade e, nos condomínios não é diferente. Portanto, o fluxo financeiro do caixa condominial deve ser muito bem contabilizado e transparente para facilitar o trabalho dos conselheiros fiscais e acompanhamento por parte dos demais condôminos, facilitando muito para o síndico prestar as contas anualmente em assembleia.

A pior parte da questão dos altos custos de taxas de condomínio é que temos constatado que algumas famílias, profissionais e empresas ocupantes de unidades condominiais estão mudando para prédios com as taxas mais baratas, na busca de acertar seus orçamentos financeiros, demonstrando que, também na área condominial, a realidade da perda do poder aquisitivo dos brasileiros vem fazendo “vitimas”.

Mas como na vida temos que aproveitar ao máximo os bons momentos de alegria e felicidade, desejo para todos os leitores desta coluna um próspero 2015.

 

*Diretor da Administradora Opala e das administradoras de condomínios na CMI/Secovi-MG

E-mail para esta coluna: nerycomercial@admopala.com.br

Tags: mercado imobiliário

Outros Artigos

ver todas
18 de abril de 2016
21 de março de 2016
29 de fevereiro de 2016
30 de novembro de 2015
13 de julho de 2015