Além da padronização

Profissionais apontam que assumir a própria personalidade é uma das maiores dificuldades para fazer da arquitetura e do design recursos que reflitam os anseios dos consumidores

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 30/05/2011 10:37 Júnia Leticia /Estado de Minas
David Guerra diz que beleza de um espaço modifica os humores no cotidiano - Eduardo Almeida/RA Studio David Guerra diz que beleza de um espaço modifica os humores no cotidiano

Uma vez consolidada a mentalidade de que a arquitetura e o design são recursos a serem utilizados para promover o bem-estar e que estão cada vez mais acessíveis, o próximo passo é fugir da padronização. Apesar de existirem tendências, é necessário que os consumidores expressem quem realmente são para que a casa tenha a sua cara.

Para isso, é preciso que as pessoas tenham coragem de assumir a própria personalidade, como aponta o arquiteto David Guerra. “Somos fruto de nosso comportamento. Se algo está existindo é porque a maior demanda é por aquilo. As pessoas são protagonistas de como a cidade vai se desenvolver. E é a diversidade que traz beleza ao mundo”, opina.

E isso vale até para o que é bom, segundo o arquiteto. Afinal, por melhor que seja um elemento ou a composição dele, a banalização faz com que perca sua beleza. “Se algo estiver em todos os lugares, às vezes vai ser tão massificada que se sacrifica o que é belo”, adverte David Guerra.

Mais do que a expressão do gosto pessoal, a diversidade possibilita uma percepção diferenciada do mundo, conforme David Guerra. “Tudo o que é monótono me dá um certo tédio. As pessoas têm de se esforçar para buscar o que realmente faz a diferença e se desligar das fórmulas. O ser humano é mais que uma tendência. Por isso, é muito importante o cliente se posicionar na hora da concepção do projeto”, comenta.

E a aposta no sonho de ter uma casa com sua cara é proporcional à importância de se adquirir um imóvel. “Como a casa é o maior ou um dos maiores investimentos que uma pessoa faz ao longo da vida, para obter o resultado que se espera é preciso planejamento”, aponta David Guerra.

A renda crescente da populaçãio faz com que as pessoas valorizem pequenos espaços por meio de projetos personalizados - Eduardo Almeida/RA Studio A renda crescente da populaçãio faz com que as pessoas valorizem pequenos espaços por meio de projetos personalizados
O resultado do investimento é a concepção de um projeto que produz uma beleza capaz de modificar o humor das pessoas, como explica David Guerra. “Tudo o que se vê de belo em uma cidade, fora a sua paisagem natural, é o cenário construído cuja responsabilidade cabe ao arquiteto e ao urbanista. Nesse sentido, a beleza de um espaço construído modifica os humores no cotidiano.”

Mas isso sem esquecer a consciência ambiental, imprescindível nos dias de hoje. É a arquitetura sustentável, uma tendência na área. “Temos que tentar fazer projetos mais econômicos e melhor planejados, ecologicamente falando”, aponta Gisleine Lopes.

TECNOLOGIA

David Guerra concorda com Gisleine Lopes e acrescenta o maior uso da tecnologia nos projetos. “Daqui a um tempo tudo vai ser questionado a respeito da forma como foi feito e, quem não desenvolver algum trabalho de reciclagem e tiver selo verde, estará fora do sistema”, prevê.

E ao desenvolvimento da tecnologia tem de estar atrelada a sustentabilidade do ser humano, como verifica David Guerra. “O homem está cada vez mais percebendo que não é a natureza que tem de ser preservada, mas é ele mesmo”, ressalta o arquiteto.

Tags: decoração

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
08 de julho de 2019
02 de julho de 2019

No Lugar Certo você encontra o que procura