Traçado orgânico

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 28/12/2011 16:40 Maria Júlia Lledó /Correio Braziliense
Divulgação
Móveis de fibra não mais pertencem à categoria "varanda", avisam os arquitetos a quem insistir em rotular esse tipo de mobiliário. Graças a design diferenciado e material diversificado - há um leque de opções de fibras sintéticas ou naturais, coloridas ou não -, o móvel feito de tramas voltou a ser queridinho na decoração. Nos anos 1980, não havia uma casa sem um móvel do tipo. À época, predominavam o ratam e o junco, duas fibras naturais. O atrativo hoje é a sustentabilidade. "Percebo a volta de um mobiliário artesanal não só porque há essa preocupação ambiental, mas também porque cada peça é única", ressalta a arquiteta Juliane Moi.

E ai de quem se referir ao móvel como "aquele de palhinha" na frente da arquiteta Beth Rosso. "A fibra natural valoriza e diversifica o ambiente. Gosto, por exemplo, quando, em um living, há uma poltrona de fibra natural ao lado de cadeiras de design", conta. A arquiteta Helaine Caloête concorda e também aposta nessa mistura, sem medo de errar. "O resultado é um espaço despojado ou, dependendo da escolha do mobiliário, rústico", acredita.

Sem restrições, o móvel de fibra pode adentrar qualquer ambiente. Seja o quarto do casal, da criança, a sala de estar ou mesmo o lavabo. A arquiteta Renata Dutra já incluiu berço, aparador e outros móveis de fibra no projeto para um quarto de bebê, dando-lhe um ar de aconchego. O espaço ficou bonito, simples e não menos sofisticado. Juliana Moi também optou por móveis de fibra ao finalizar um projeto de um quarto da criança. "Coloquei uma poltrona de fibra pintada de branco para ser usada pela mãe na hora de amamentar o filho. O móvel ganhou um estilo provençal e ficou elegante", lembra.

Uma das desvantagens do material é o preço. Embora seja mais durável, mobiliário feito de fibra sintética é sensivelmente mais caro. Além disso, o móvel requer cuidados. Nada de luz solar incidindo diretamente sobre ele, para não haver desgaste. Atenção também para a hora de lavar o piso da casa: é recomendável retirar o móvel do local. Mesmo assim, o investimento costuma compensar. Basta levar em conta que, se bem conservada, aquela poltrona de juta (herança dos avós) permanecerá na família, decorando a casa sem perder a bossa nem sair de moda.

Natural ou sintético?

Móvel de fibra natural

Vantagens
l combina com diversos estilos de decoração.
l é uma peça única, trabalhada artesanalmente.
l permite mistura de materiais e de outras fibras.
l é flexível e, por isso, permite design arrojado.
l disponível em diversas tonalidades.
l pode receber pintura.

Desvantagens
l não pode ser colocado em áreas
externas sem cobertura.
l sofre mais desgaste com a ação do tempo.

Móvel de fibra sintética

Vantagens
l estrutura em alumínio e cobertura em fibra de polipropileno permitem uma durabilidade grande.
l o alumínio da sua estrutura não enferruja.
l não sofre desgaste com as intempéries climáticas.
l pode ser colocado em áreas externas.

Desvantagens
l 30% mais caro do que a fibra natural.
l a produção mais demorada.
l tem paleta de cores restrita.
l não pode receber pintura.

Fonte: Alessandro Campos, da Armando Cerello (Brasília).

Tags:

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
25 de maio de 2018
21 de maio de 2018

No Lugar Certo você encontra o que procura