Com poucos recursos é possível montar de forma aconchegante o primeiro lar do casal

Para começar a vida a dois com o pé direito, é preciso pensar na decoração da casa, alugada ou própria

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 28/10/2012 12:43 / atualizado em 29/10/2012 11:49 Júnia Leticia /Estado de Minas
Uso de móveis planejados ou pré-fabricados em casa depende da condição do imóvel: próprio ou alugado - Eduardo Almeida/RA Studio Uso de móveis planejados ou pré-fabricados em casa depende da condição do imóvel: próprio ou alugado


Para quem está prestes a se casar, com certeza a montagem do lar é uma das questões que mais tira o sossego dos noivos. Para que essa etapa da vida seja algo prazeroso e bom de lembrar, o ideal é investir em um projeto de decoração. Mesmo que o casal não tenha condição de executá-lo todo de uma vez, é recomendável ter uma diretriz do que comprar e do que fazer. Assim, é possível economizar e evitar gastos desnecessários. Na hora de pensar o projeto, é preciso levar em consideração duas situações: imóvel na planta ou a reforma de um usado.


Segundo a arquiteta Márcia Mundim, essa diferenciação permite definir se haverá ou não modificações antes da construção, evitando quebradeiras. Em prol da reforma, há a otimização da planta e a possibilidade de especificação de bons acabamentos, que valorizam o imóvel. “A reforma feita a partir de um projeto elaborado (até mesmo na modificação em planta) resulta em espaços mais adequados ao estilo de vida dos moradores. Essa se torna uma opção interessante, lembrando que é essencial a contratação de profissional da área.”

Para avaliar essas e outras questões, antes de tudo é preciso fazer o briefing com o casal para que sejam assimilados seus desejos e necessidades, de maneira a imprimir no projeto a personalidade de ambos, segundo a arquiteta Adriana Ferreira. “Além disso, é fundamental saber quanto o casal quer investir para fazer um planejamento da execução do projeto de forma consciente e em etapas, para evitar surpresas com gastos desnecessários”, explica.

Além do custo, a arquiteta Izabela Dinelli diz que outro ponto fundamental é a realidade da vida das pessoas atualmente. “Hoje, tudo tem de ser muito prático. Portanto, devemos nos preocupar com o material do mobiliário, o tecido das cortinas e demais detalhes que tornam a vida corrida do jovem casal mais prática”, aponta.

Como nessa etapa da vida há muitos gastos envolvidos – como cerimônia de casamento e lua de mel –, é necessário fazer escolhas, elegendo alguns itens como essenciais em um primeiro momento. Na opinião de Izabela Dinelli, a prioridade é a execução de bons armários e de uma cozinha bem montada. “Ter o local adequado para organizar as coisas já é meio caminho andado. Depois, passo para a decoração do quarto do casal e assim por diante.”

DEMANDA


De acordo com Adriana Ferreira, todo o trabalho deve ser pensado de uma só vez, mesmo que concretizado gradualmente. “É essencial que o arquiteto saiba interpretar as necessidades do novo casal, concebendo o projeto como um todo e de forma que possa ser executado em etapas, de acordo com as necessidades de cada cliente.” Depois de decidir em qual tipo de imóvel investir, é preciso que o casal faça o levantamento de suas necessidades e prioridades, segundo Márcia Mundim. Nesse processo, é importante levar em consideração o que mais combina com suas personalidades, para evitar mudanças em pouco tempo. Feito isso, é preciso considerar a renda familiar e as perspectivas para os próximos anos. “O projeto deve ser concebido com parcimônia, apresentando o que necessita realmente sofrer modificações. Caso necessário, é aconselhável que o projeto seja executado em etapas.”
Eduardo Almeida/RA Studio

Para tornar o imóvel aconchegante, prático, funcional e, ao mesmo tempo, barato, a dica de Márcia Mundim é investir na integração dos ambientes. A solução proporciona sensação de amplitude e maior iluminação. “Mas deve-se ter muito cuidado quando da troca de revestimentos. De que adianta a especificação de produtos extremamente caros, que não retratam a personalidade dos moradores e ainda não apresentam praticidade e funcionalidade?”

A iluminação também deve ser pensada com cuidado, sendo adequada a cada ambiente do imóvel. “Desse modo, os espaços tornam-se aconchegantes e funcionais. Luz branca, apenas nas áreas de trabalho, como cozinha, área de serviço e home-office. Nos demais ambientes, a luz amarela faz toda a diferença”, diz Márcia.

Começar com o pé direito
Pesquisar recursos e investir na conjugação de peças de família com artigos novos é receita de especialistas para ter sucesso na composição do primeiro imóvel do casal


Para unir todas as características indispensáveis para que um imóvel possa ser chamado de lar e, de quebra, fazer tudo isso sem gastar muito, um dos segredos é fazer um tour por lojas dos mais diversos artigos de decoração. A otimização das áreas com mobiliário adequado e uma decoração confortável são fatores primordiais a serem considerados quando o assunto é decorar a primeira residência do casal. Nessa hora, é preciso pesar bem as escolhas.

"Uma decoração excessiva, além de gerar custos altos, não agrega valor ao espaço". Adriana Ferreira, arquiteta


No quarto do casal deve haver uma cama confortável e de boa qualidade. E para quem gosta de papel de parede, o recurso enobrece o ambiente. Nos criados, abajures dão uma luminosidade agradável. “Caso não esteja sendo assessorado por um profissional da área, opte por cores mais suaves nas paredes e no mobiliário, e arrisque as cores nos complementos, como nos tapetes, almofadas e adornos”, recomenda a arquiteta Márcia Mundim. Na cozinha, otimizar é a palavra de ordem. O espaço deve ser bem planejado, aproveitando cada canto. “Usando armários suspensos, prateleiras, nichos, básculas. Abaixo da bancada de trabalho também existem hoje no mercado opções diversas, desde armários a gavetões fazendo a vez de paneleiros”, recomenda a arquiteta.

Uma opção que tem sido muito usada é a criação de vários ambientes em um só, como a sala de estar, jantar e TV. O recurso é ideal para reunir os amigos e aumentar o convívio familiar. “O ambiente de jantar pode ser separado por um aparador, posicionado entre o sofá e a mesa de jantar, sem que a visão ampla da sala seja perdida. É uma peça versátil e, quando há espaço para a colocação de poltronas atrás, serve como apoio para um tablet ou até mesmo como espaço para assento quando de um jantar entre amigos. Nesses ambientes, a mesa de centro e a lateral são imprescindíveis para apoio”, explica a arquiteta.

No banheiro, o espelho é um grande aliado. Além de passar a sensação de que o cômodo é maior, ajuda a refletir e espalhar a luz. “Em relação ao uso de box, o transparente é a melhor opção. Os texturizados dão a sensação de que o ambiente foi recortado e a aparência é menor”, explica Márcia. Ao escolher os móveis, a indicação é dar preferência àqueles que tenham bom desenho em seu compartimento interno. “São práticos e economizam espaço. O revestimento deve ser de madeira impermeabilizada para resistir à umidade própria do ambiente.”

Apesar da atmosfera de recomeço, não é necessário abandonar o passado nesta nova etapa da vida. Isso serve também no caso da decoração, que pode servir como ponte entre o passado e o presente. “Nunca deixe sua história de vida para trás pensando que determinado objeto de valor sentimental não combina com seu apartamento”, destaca Márcia.

PLANEJAR

Com tantas ideias para que o trabalho de decoração do primeiro imóvel seja acertado, a sugestão da arquiteta Izabela Dinelli é pensar e colocar tudo no papel antes de agir. “Pare e escreva seus desejos. Pesquise muito em revistas, livros e publicações diversas. Chegue a uma conclusão do que você realmente gostaria de ter na sua casa. Não saia comprando tudo o que ver pela frente apenas porque achou bonito. Lembre-se de que às vezes o que é bonito na loja não combina ou não cabe na sua casa”, alerta. Para quem quer contar com a ajuda de um profissional nesse trabalho, pode recorrer à consultoria, que é cobrada por hora de atendimento e, normalmente, é feita no escritório.

Para a arquiteta Isabela Dinelli, planejar evita comprar produtos desnecessários - Eduardo Almeida/RA Studio Para a arquiteta Isabela Dinelli, planejar evita comprar produtos desnecessários


Atenção aos alugados

No início da vida conjugal, não é raro haver casais que optam por morar de aluguel, até pela necessidade de organizarem, juntos, uma reserva financeira para investir no imóvel. Independentemente do motivo, o que não dá é para abandonar a vontade de construir um lar que reflita essa nova fase da vida. Mas cuidado com a empolgação, pois não se deve gastar muito, já que a ideia é ficar apenas por um tempo no espaço.

O período de permanência no imóvel não impede a execução de uma decoração aconchegante e de personalidade, conforme Márcia Mundim. “Nas paredes, por exemplo, pode-se optar pelas tintas de efeitos decorativos, que deixam o ambiente com ar do sofisticado ao alegre e divertido. Outra opção divertida e contemporânea é adesivar a parede”, sugere.

Na sala, uma boa opção são os tapetes e investir em adornos, quadros, cortinas e almofadas para dar um ar aconchegante e personalizado ao local, como indica Márcia. “Use luminárias de teto mais baratas e invista nas de pé, que, além de sofisticar o ambiente, podem ser levadas para a outra moradia”, acrescenta.

A escolha do mobiliário também é um fato de grande importância na decoração do imóvel alugado. O segredo é apostar na versatilidade, tentando imaginar o que poderá ser usado em qualquer outro lugar. “Portanto, nada sob medida. Boa dica são os sofás modulares, poltronas, as mesas de centro e lateral. Todo esse mobiliário pode ser renovado por meio da troca de tecido, pintado, dando cara nova ao próximo apartamento”, diz Márcia.

Mesmo que seja um imóvel alugado, a arquiteta Adriana Ferreira confirma que há recursos que podem e devem ser utilizados para deixar a casa aconchegante para os recém-casados. A opção por móveis e objetos versáteis, que podem ser adaptados em outros espaços em caso de mudança, são algumas soluções apontadas pela arquiteta.

EM DUPLA

E para que a decoração da casa não seja motivo de desentendimentos logo no início da vida a dois, a arquiteta Adriana Ferreira destaca que é muito importante que o casal tome as decisões em conjunto. “Ponderem nas escolhas para agradar aos dois e, ao mesmo tempo, não extrapolem os valores já planejados para serem gastos com cada etapa da execução do projeto”, aconselha.

Investimento demais também pode camuflar compras de artigos em excesso, acarretando poluição visual. “Uma decoração excessiva, além de gerar custos altos, não agrega valor ao espaço e pode pesar visualmente. Os objetos e adornos devem ter relação e muitas vezes proporção com o ambiente”, explica Adriana. Um dos erros mais comuns nesse sentido é a aquisição de mobiliário maior do que o ambiente comporta.

PALAVRA DE ESPECIALISTA - Estela Netto, arquiteta

Projeto sem quebra-quebra


“Evitar obras é a dica mais importante para quem quer deixar o espaço confortável, prático, funcional e barato. Mudar as cortinas, colocar um tapete interessante, investir em papel de parede, usar luminárias de mesa, abajur, colunas, que são peças belas e funcionais na iluminação e podem ser transportadas para outro imóvel são alguns exemplos. Além disso, invista em uma decoração atemporal, que permitirá a você aproveitar esse acervo num próximo imóvel. Sendo assim, as dicas dadas para quem vai morar de aluguel se aplicam também nesses casos, já que é necessário pensar em intervenções no espaço que não vão exigir obras, mas que permitam deixar a morada com a cara do casal. Posso adicionar mais duas dicas que estão em alta na decoração e que dão um up no espaço – no caso de imóvel próprio –, sem que seja preciso, para isso, fazer grandes intervenções. Uma delas é o uso dos pisos vinílicos, que podem ser aplicados em cima do piso já existente e têm preço excelente. Além disso, a troca do rodapé pode trazer grande mudança no espaço. Existem no mercado vários tipos deles. Essa pequena intervenção pode enobrecer a moradia.”
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Luciana - 28 de Outubro às 16:58
"lar" para o "lar"? Ops!

Últimas Notícias

ver todas
08 de julho de 2019
02 de julho de 2019

No Lugar Certo você encontra o que procura