Estética e terapia das cores

Cores têm o poder de tratar e harmonizar os ambientes

Feng shui ajuda a escolher a cor certa para sua casa ou ambiente corporativo. Dar a devida importância à influência dos tons sobre pessoas e espaços é ponto-chave na decoração

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 29/12/2014 12:59 / atualizado em 22/01/2015 09:46 Lilian Monteiro /Estado de Minas
Quarto com nuances de cor, de Marina Dubal, abre espaço para o lúdico - Juliana Buli/Divulgação Quarto com nuances de cor, de Marina Dubal, abre espaço para o lúdico
Colorir com sabedoria. A cor da sua casa vai além de preferências estéticas ou belas. Valéria Loureiro, arquiteta, consultora em feng shui e decoradora, destaca que “uma das formas de tratar e harmonizar o ambiente é por meio das cores”. Quem escolhe seguir o milenar pensamento chinês para decorar pode ter diante de si “escolhas que dificilmente pensaria”, enfatiza a especialista, lembrando que é preciso ter cuidado. “Se o vermelho for pedido para o quarto, por ser uma cor excitante, a pessoa pode correr o risco de passar a dormir mal. Para não prejudicá-la, opte por inserir a tonalidade de outra forma, não numa área grande como a parede, mas em detalhes e pinceladas no tapete, almofadas ou adornos.” O ideal, ela enfatiza, é conseguir o equilíbrio entre “a decoração, harmonização e cromoterapia. O azul é calmante, o laranja excitante. Um restaurante laranja vai abrir o apetite , uma cozinha nessa cor não vai beneficiar quem está de dieta!”



Valéria Loureiro enfatiza que o feng shui “rema contra as tendências” e lembra que, se a moda é uma decoração minimalista, o “ambiente pode ser lindo, clean, mas energeticamente é prejudicial”. Com experiência nas duas áreas, ela confessa que “não é abrir mão da estética, mas como arquiteta, hoje em dia, não consigo mais desvincular o projeto do feng shui. O importante é trabalhar em conjunto. O feng shui dita as cores e o bom gosto e bom senso vêm em seguida”. Ela lembra que “não existe regra e tudo depende do ambiente e de quem mora no lugar. É importante ter contraponto, nunca os extremos. Aliás, o que define o feng shui é o equilíbrio, inclusive nas cores”.
No Hotel Saint Louis, no Bairro São Francisco, na Pampulha, projeto da arquiteta e especialista em feng shui Valéria Loureiro, detalhes de cor quebram o impacto do branco  - Thiago Lopes Kraotz/Divulgação No Hotel Saint Louis, no Bairro São Francisco, na Pampulha, projeto da arquiteta e especialista em feng shui Valéria Loureiro, detalhes de cor quebram o impacto do branco
A arquiteta explica que as cores determinadas pelo feng shui são praticamente definitivas, mas como tem nuances, a gama de escolha facilita a vida de todos. Se o marrom for o tom indicado, não precisa ser o mais escuro, por exemplo, dependendo da composição do espaço, o bege pode se encaixar perfeitamente. “A cor precisa ser agradável. E dificilmente muda ao longo dos anos. A alteração só vai ocorrer caso nasça um bebê, aí é preciso reestudar, ver qual o melhor quarto, a energia, a melhor cor...”

PERFIL

A arquiteta Marina Dubal, do escritório Dad Arquitetura & Design, reforça que o uso de cores intensas e alegres nos ambientes depende do perfil do cliente. “De modo geral, o público mineiro tem muita parcimônia em usar cores fortes nos espaços e, por isso, nós profissionais sempre indicamos dar aos ambientes apenas pinceladas de cores especificando em elementos que serão facilmente trocados com o tempo, como nas almofadas, tecidos de poltronas e adornos.”

No entanto, Marina lembra que cores como azul -laro, amarelinho, o verde-água – por serem tons mais naturais que dão vida, mas ao mesmo tempo não pesam no ambiente – estão sendo cada vez mais requisitadas pelos clientes nos projetos e indicados para elementos de grande destaque como paredes, armários etc. “Esses tons podem ser usados em vários ambientes da casa: quarto, sala, cozinha... Aliás, atualmente, as cores ganharam liberdade total na casa, não tendo limite de espaço para sua aplicação.” Com relação ao cinza, a arquiteta ensina que já há algum tempo ele é considerado o novo branco. “É um tom mais contemporâneo. Adequa-se a variados estilos de decoração, do clássico ao despojado. Valoriza as cores mais quentes, como o amarelo e o laranja, e o contraste com essas cores deixa os espaços mais elegantes”.
No projeto da arquiteta Marina Dubal, o amarelo da estante é o destaque do banheiro  - Henrique Queiroga/Divulgação No projeto da arquiteta Marina Dubal, o amarelo da estante é o destaque do banheiro
SAIBA MAIS
O tom certo

Antenada com as tendências, a Lukscolor, empresa de tintas premium, lançou seu catálogo 2015 com 30 novas tonalidades para colorir ambientes. E para ajudar seus clientes, ela criou uma espécie de guia de várias cores que podem despertar diferentes sensações e emoções em cada espaço. Qual será a sua cor do próximo ano? Para atiçá-lo, divulgamos cinco. Para saberem mais, clique lá:
lukscolor.com.br.

Amarelo

A cor: alegre. Com base no dourado, traz opulência e prosperidade. Sua essência é quente, gerando calor, vida e luz.
Décor: ambientes amarelos são mais quentes, por isso são indicados para lugares frios e com pouca iluminação. Por facilitar a concentração e atenção, a cor pode ser usada em escritórios e centro de estudo. Para os mais conservadores, pode ser inserida na decoração aos poucos como revestimentos, cortinas, almofadas ou pequenos objetos.

Violeta

A cor: é das mais místicas e introspectivas. Violeta e roxo são agentes da transformação, que envolvem o mais alto grau espiritual e mental, capaz de combater medos e dar paz. São associados aos impulsos musicais e artísticos, ao mistério e à sensibilidade, à beleza e aos grandes ideais. De acordo com os esotéricos, é a cor da purificação e da cura nos níveis físico, emocional e mental, ajudando a encontrar novos caminhos para a alma e a elevar nossa intuição espiritual.
Décor: é aplicada para criar atmosferas misteriosas, sendo por isto uma das mais apropriadas para locais de meditação. Cuidado: em excesso pode gerar ambientes depressivos e melancólicos. Em residência, é perfeita para colorir paredes ou móveis estrategicamente posicionados.

Azul

A cor: do céu e do mar... Os azuis são considerados tons da paz, inspiram devoção, fé e as aspirações elevadas. Simboliza o ideal e o sonho. Acalma e traz paz de espírito.
Décor: ambientes nesse tom estimulam a criatividade, sendo considerado o único com poder de desintegrar energias negativas, favorecendo assim a harmonia e a suavidade dos espaços. Aconselha-se o uso em quartos ou áreas ocupadas por pessoas estressadas e hiperativas.

Cinza

A cor: antes ocupados por variações de bege, os novos neutros chegam ao mercado com uma rica paleta de cinzas, desde o tímido cinza-claro até o expressivo cinza-chumbo, observado com frequência em pisos e revestimentos. E em projetos de interiores – comum nas versões que reproduzem o “cimento queimado”.
Décor: apesar de ser considerado cor neutra, o cinza não passa despercebido nos ambientes. Essa “neutralidade” é facilmente harmonizada com outras tonalidades, gerando ambientes elegantes e em perfeito equilíbrio.

Laranja

A cor: associada ao sol e ao fogo, transmite sensação de calor. É a cor da comunicação, transmite alegria, movimento e espontaneidade, além de expressar empatia e companheirismo. Por ser uma cor quente, cria espaços íntimos e acolhedores.
Décor: um ambiente com a cor laranja pode provocar os mesmos efeitos que a cor vermelha quanto a estímulo do apetite e abertura de diálogos. É recomendável para cozinhas, salas de jantar e de visitas. Ideal para salas de estudo, de reunião e outros locais onde as pessoas se encontram para conversar. O alaranjado transborda irradiação e expansão.

Tags: cores

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
08 de julho de 2019
02 de julho de 2019

No Lugar Certo você encontra o que procura