Foco em qualidade

Fábrica de móveis no interior de Minas se fortalece ao investir em design autoral

Perto de completar 18 anos, empresa planeja expansão com franquias para outras cidades, incluindo Miami

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 20/12/2018 13:07 / atualizado em 20/12/2018 13:15 Celina Aquino /Estado de Minas
O mercado brasileiro está mudando e tem valorizado cada vez mais o design autoral o que faz aumentar o campo para os profissionais - Henrique Queiroga/Divulgação O mercado brasileiro está mudando e tem valorizado cada vez mais o design autoral o que faz aumentar o campo para os profissionais

Depois de vencer o desafio de ampliar a linha de produtos, a Franccino, inicialmente focada em móveis para a área externa, se prepara para mais uma expansão. Agora, o objetivo da fábrica de Cláudio, na Região Centro-Oeste de Minas, que também cria peças para ambientes internos, é levar o seu design para outras capitais e até para fora do país. “Para você partir para outros mercados, precisa estar organizado e competitivo e entendemos que este momento está chegando”, avisa um dos sócios da marca, Isaac Francino, que tem lojas em Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro e Goiânia.

A história da Franccino começa com o irmão mais velho da família. Adriano era sócio de uma outra empresa do ramo quando decidiu abrir um novo negócio para desenvolver produtos com o máximo de excelência. “Peças comuns toda empresa faz. A Franccino busca formas, curvas e matérias-primas diferentes para criar produtos especiais. Era o sonho da família”, pontua Isaac. Hoje comandada pelos seis irmãos, a fábrica completa 18 anos em janeiro.

Apesar de já trabalhar com uma linha completa de produtos, a marca ainda é mais conhecida pelos móveis para jardins, varandas e piscinas. São mesas, cadeiras, banquetas, espreguiçadeiras, balanços e sofás resistentes à chuva e ao sol. As estruturas são de alumínio (material que não sofre oxidação) ou madeira (desde que não fique completamente exposta), enquanto encostos e assentos podem ser fabricados com cordas, fibras sintéticas, tecidos impermeáveis e telas.

Henrique Queiroga/Divulgação

Nas coleções, há peças criadas pelo estúdio próprio de design, seguindo tendências mundiais, e por designers parceiros, que desenvolvem um trabalho de assinatura. “Hoje o design brasileiro está muito forte e achamos importante dar valor a ele. Isso também fortalece a identidade da marca”, diz Isaac.

Zia Costa é um dos profissionais que desenham móveis para a Franccino. Na época em que recebeu o convite para colaborar com a empresa, ele havia acabado de voltar para a sua cidade, Dores do Indaiá, em busca de outro estilo de vida. “Não conhecia a marca, mas me identifiquei muito com eles, acho que porque também são do interior de Minas”, comenta.

Logo na primeira peça, o designer conseguiu imprimir a essência da marca, ao mesmo tempo em que apresentou algo diferente. Na poltrona Maria (cujo nome homenageia a sua mãe), a estrutura de madeira, que geralmente fica por dentro do estofado, aparece para propor um novo valor estético ao móvel. Depois vieram as poltronas Fran e Lilian. “A poltrona Fran tem um conforto extremo. Nela, trabalho com o mínimo de interferência, então o peso da pessoa é que define o molejo. Já a poltrona Lilian tem estrutura em curvas, então ela é toda anatômica. Comparo o aconchego ao colo de mãe”, compara.

INFINITO

A coleção mais recente da Franccino tem o primeiro móvel de Zia para área externa: a poltrona Infinito. Ela é uma mistura de balanço suspenso com cadeira de balanço de vovó. A base arredondada fica no chão e se movimenta de acordo com a vontade de quem está sentado. “Gosto de dizer que não é uma peça de balanço, mas uma poltrona que balança”, destaca. O designer ainda assina a mesa de apoio Tri, o bufê Mies (em referência ao arquiteto alemão Mies van der Rohe) e o revisteiro Near.

Henrique Queiroga/Divulgação

Zia observa, com satisfação, que o mercado brasileiro está mudando e tem valorizado cada vez mais o design autoral, o que faz aumentar o campo para os profissionais. Na hora de definir o seu traço, ele se volta para o passado. “O meu trabalho tem uma pegada retrô forte. Gosto muito de trabalhar com palhinha e madeira, assim como os escandinavos”, analisa. Ele até já criou uma cadeira, de nome Twiggy, para reverenciar o design da Escandinávia de outros tempos.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
21 de julho de 2019
08 de julho de 2019

No Lugar Certo você encontra o que procura