COMBATE AO CUPIM

Os ataques de aleluias ou siriris à madeira podem trazer sérios danos às estruturas de telhados, forros, varandas, portas e janelas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 20/11/2006 19:08
Fotos: Gladyston Rodriguês/Especial para o EM - 19/10/2006 e Otto Baumgart/Divulgação)
Existem mais de 2 mil espécies catalogadas de cupins em todo o planeta, que habitam ninhos em galhos de árvores, cavam túneis nos troncos ou debaixo da terra. Pelo menos um traço elas têm em comum: todas se alimentam de estruturas ricas em celulose, encontradas em madeira, papel, telas, tecidos, gesso e alvenaria. Toda madeira está sujeita ao ataque de cupins, alertam especialistas como o técnico Fernando Bruno, sócio-proprietário da ADDtiza Ltda., empresa sediada em Belo Horizonte. O primeiro sinal é aquele pozinho de minúsculos grãos duros que aparecem no chão, ressalta. É preciso não confundir com um tipo de resíduo fino, com textura de talco, próprio das brocas. As revoadas que dão origem a novos cupinzeiros ocorrem na primavera e no outono, quando siriris ou aleluias caem ao solo, livram-se das asas e, aos pares, procuram locais apropriados para o acasalamento e a implantação de novos cupinzeiros. Das espécies existentes, três provocam grandes prejuízos: cupim de solo ou subterrâneo; cupim de madeira seca e cupim de pântano. O cupim de solo é o mais voraz e de difícil combate, explica Fernando. Rapidamente destrói madeira, papel, fundo de armário, forros, rodapés, tacos e portais. Quando o morador percebe, o cupim já comeu quase tudo, avisa. Assim, quanto mais depressa se iniciar o combate, melhores serão os resultados.

BARREIRA

O combate requer perfuração para encontrar os locais onde estão alojados os cupins. É preciso cercar o acesso deles ao imóvel com barreira química e alguns repelentes. Como as formigas, os cupins quando se cruzam num caminho dão uma lambidinha um no outro, e isso facilita o extermínio. De qualquer forma, dependendo de cada caso, os preços para o trabalho de descupinização variam de R$ 250 a R$ 30 mil. O cupim da madeira seca pode infestar edifícios inteiros e são encontrados em locais elevados, como por exemplo, no 10º andar de um prédio de bairros centrais da capital mineira. Os caso mais graves exigem monitoramento no período de um a dois anos depois do primeiro tratamento para evitar reincidência. O aparecimento do cupim subterrâneo pode ser percebido pelos túneis que constrói para se locomover, evitando a luz do sol. Esses insetos não gostam de claridade. Fazem suas casas em alicerces de prédios, de onde se espalham. O cupim de madeira seca prefere janelas e portas. E a colônia do cupinzeiro de fazendas, comum em pastos, costuma ficar por ali mesmo. Comem raízes de árvores e moram na sua própria casa, sem incomodar a habitação dos humanos.

COMO EVITAR OS ATAQUES

Quando o objetivo é prevenir o ataque, o indicado é a aplicação do produto com broxa ou pincel. Para combater e prevenir a ação do cupim de madeira seca, existem diversos produtos imunizantes no mercado, como o Penetrol Cupim, da Vedacit/Otto Baumgart. Pode ser aplicado em madeiras secas usadas na construção civil, na fabricação de móveis, entre outros, e é também eficaz em madeira já atacada. São cinco opções de embalagem: aerossol 300 ml, com aplicador, lata de 900 ml, galão de 3,6 litros, lata de 18 litros e tambor de 200 litros. É incolor e permite qualquer tratamento posterior na madeira: verniz, cera ou tinta, 24 horas depois do uso. Em Belo Horizonte, esses produtos são vendidos no Leroy Merlin, Telha Norte e L&C. Devem ser usadas duas demãos fartas do produto. No tratamento de madeira já atacada, a empresa recomenda a aplicação diretamente nos orifícios, com o aplicador que acompanha a embalagem de 300 ml. Com isso, evita-se qualquer desperdício. No uso doméstico, especialmente em móveis e outras madeiras atacadas, localizadas no interior das residências, recomenda-se usar o imunizante somente nos orifícios existentes. Existem formas de impermeabilizar e realçar a cor natural das superfícies antes que os cupins decidam se tornar hóspedes indesejáveis, como o Multistain Vedacit, protetor para madeiras disponível nas versões transparente mogno, imbuia e cedro, em três tipos de embalagem. De fácil aplicação e em acabamento semibrilho, o produto se diferencia do verniz por não apresentar risco de descascamento, já que não produz película. Para atender todas as necessidades de consumo, é apresentado em lata de 18 litros, galão de 3,6 litros e ainda em embalagem de 900 ml para pequenos serviços. Cada litro é suficiente para a cobertura de 9 a 10 metros quadrados. É indicado para madeiras não-resinosas e em ambientes internos e externos como decks, portões, esquadrias, portas, janelas, lambris, estruturas de telhados, beirais e forros, entre outros. O produto pode ser aplicado diretamente sobre a madeira, bastando que a superfície esteja limpa. O lixamento só é necessário nos casos de ter ocorrido uso de um outro produto anteriormente ou quando se tratar de manutenção, medida essa que varia de acordo com o ambiente. Em superfícies expostas ao sol e instaladas em regiões litorâneas, a manutenção deverá ser considerada anualmente.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
18 de dezembro de 2015
04 de setembro de 2015

No Lugar Certo você encontra o que procura