Lugar de tradições

Floresta agrada quem quer morar perto do Centro sem perder a calma típica de interior

A história do bairro, muito bem localizado na Região Leste de Belo Horizonte, confunde-se com a própria trajetória da capital mineira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 15/06/2015 07:00 / atualizado em 14/06/2015 14:53 Ludymilla Sá /Estado de Minas
Viaduto Santa Tereza, que dá acesso à Avenida Assis Chateaubriand: história do bairro se confunde com a da capital mineira - Leandro Couri/EM/D.A Press Viaduto Santa Tereza, que dá acesso à Avenida Assis Chateaubriand: história do bairro se confunde com a da capital mineira
“A minha vida é esta: subir Bahia, descer Floresta.” Não é apenas o fato de ser citado no verso do compositor Rômulo Paes que faz o Floresta ter um pouco de poesia. Mas também as presenças de Guimarães Rosa e Carlos Drummond de Andrade, antigos moradores da região. A história do bairro, localizado na Região Leste de Belo Horizonte, confunde-se com a da capital mineira.

Ele foi projetado para abrigar operários que trabalharam na construção da cidade. Lá, eles ergueram suas casas simples, feitas de zinco, próximas à Avenida do Contorno. Com o término das obras da nova capital do estado, os barracões foram demolidos e deram lugar a casarões. Muitos deles, de imigrantes europeus, ainda existem. A maioria desses sobrados era sede de chácaras, que abasteciam a cidade com produtos hortifrutigranjeiros. Uma marca dessa época é a Praça Comendador Negrão de Lima. No início do século passado, o local era uma chácara de mesmo nome.

A origem do nome do Floresta é controversa. Há quem diga que se deve ao fato de o local ter abrigado, ainda nos tempos do Arraial Curral del Rei, uma grande mata. Outra versão remete à fama do boêmio Hotel Floresta, erguido em 1897, na Avenida do Contorno. Uma terceira corrente defende que o bairro abrigou um botequim muito frequentado, cujo dono era um espanhol chamado Floresta.


Por ter sido um bairro construído para operários, o Floresta nasceu marginalizado no grande centro e começou a se desenvolver a partir de 1905, com a chegada da linha do famoso bondinho, que intensificou o comércio entre as avenidas Assis Chateaubriand e Contorno. Outras importantes vias de acesso ajudam a delimitar a localidade nos dias de hoje, como as avenidas Cristiano Machado e Silviano Brandão.

Com o passar dos anos, e para facilitar o acesso ao crescente bairro, entre as décadas de 1920 e 1930, foram inaugurados os viadutos Santa Tereza e Floresta. A Rua Itajubá passou a ser referência para o restante da cidade como ponto de lazer. Lá, eram realizados os famosos bailes de carnaval, como o Bloco dos Bocas-Brancas e as sessões de cinema no Cine Floresta.


O bairro de ruas estreitas recebeu a primeira bomboniere de Belo Horizonte, a Fábrica de Balas Lalka, fundada em 1925 por Stanislau Genon Grochowisk e que, até hoje, está localizada no local. O Floresta também é conhecido pela intensa atividade varejista. Tem variada rede de bancos e estabelecimentos comerciais, como o Shopping Floresta, os enxovais da Casa Pérola, as tortas e doces da Confeitaria Momo. Fica próximo ao Centro, mas ainda assim tem o jeito de cidade do interior em razão da tranquilidade.

Bairro mantém grande número de construções antigas; muitas transformadas em comércio - Leandro Couri/EM/D.A Press Bairro mantém grande número de construções antigas; muitas transformadas em comércio
Não tem favelas ou áreas invadidas em suas imediações e está localizado entre Santa Efigênia, Santa Tereza, Horto, Centro, Lagoinha, Colégio Batista, Concórdia e Sagrada Família. O bairro também atrai pelas manifestações culturais, como as que são realizadas no Teatro Alterosa, na Praça Comendador Negrão de Lima e na sede do Giramundo, que abriga uma escola de teatro de bonecos e um museu, responsáveis pelo maior acervo de marionetes do Brasil.

Independentemente da época ou do valor do bem, comprar um imóvel para morar ou, apenas, investir, no Floresta será sempre um bom negócio, segundo o proprietário da Casa Sartori Negócios Imobiliários, Roberto Sartori. “Não existe época porque é um dos bairros mais tradicionais de Belo Horizonte, próximo ao Centro, e que oferece excelentes oportunidades. Ao mesmo tempo em que está, extremamente, bem localizado, ainda preserva aquele ar bucólico até em razão das intervenções públicas feitas ao longo do ano. O bairro não foi projetado para sofrer grandes expansões. Há restrições quanto ao tamanho das edificações e muitos imóveis são tombados.”

O preço médio anunciado de um imóvel de três quartos no bairro, com duas vagas de garagem, é de R$ 600 mil, com o preço do metro quadrado em torno de R$ 5 mil.

Comércio é intenso e variado na região. Ao fundo, a Igreja Nossa Senhora das Dores
 - Leandro Couri/EM/D.A Press Comércio é intenso e variado na região. Ao fundo, a Igreja Nossa Senhora das Dores
RAIO X

» Região
Leste

» Principais vias
Avenida do Contorno, Avenida Assis Chateubriand, Avenida dos Andradas, Avenida Francisco Sales e Avenida Cristiano Machado

» Origem do bairro
Construído para abrigar operários, tem diversas versões que explicam seu nome. A primeira remete à existência de uma mata no local. Outra, à fama boêmia do Hotel Floresta. E uma terceira afirma que o bairro abrigou um bar muito frequentado, cujo dono era um espanhol chamado Floresta.

» Transporte Público
8103, 8102, 8405 e 9205

» Outras linhas alimentadoras
SC01, SC03 e 1502
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
24 de maio de 2018
29 de abril de 2018