Novidade

Vila estudantil criada a partir de contêineres quer sanar a falta de espaço na capital da Dinamarca

Famosa pela qualidade de vida, Copenhague se vê diante do desafio de receber cada vez mais habitantes. Proposta sustentável é alternativa para resolver a dificuldade em ter lugar para as novas residências

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 06/12/2017 15:07 / atualizado em 06/12/2017 15:17 Joana Gontijo /Lugar Certo
Divulgação

Celebrada internacionalmente pela elevada qualidade de vida, Copenhague, capital da Dinamarca, vive uma contradição. Procurada por muitas pessoas de fora que querem morar ali atraídas pela boa fama, a cidade tem enfrentado um problema: a escassez de espaço para acomodar novas residências.

Perante esse cenário desafiador, um arquiteto elaborou uma alternativa prática e ecologicamente correta. Søren Nielsen, sócio do escritório Vandkunsten Architects, criou o projeto de uma vila para estudantes completamente acomodada em contêineres. Concebida a partir de materiais reutilizados, a construção tem como um dos diferenciais a possibilidade de ser retirada e levada para outros lugares, conforme a demanda.

Divulgação

O sistema se apresenta fácil e, cheio de versatilidade, necessita pouco de estruturas e adaptações para formar a edificação. As casas podem ser instaladas onde for a vontade dos moradores, inclusive em estacionamentos. O arquiteto explica que, quando o conjunto é retirado, o terreno fica quase igual o que era antes, restando apenas a configuração aplanada, o que otimiza a especificação de obras posteriores e definitivas.

A preocupação do autor foi oferecer conforto em ambientes agradáveis, a um custo acessível. Dessa maneira, os antigos compartimentos de carga receberam revestimento em madeira, o que melhora os processos de manutenção térmica e no balanceamento da umidade. Outra vantagem da madeira é dispensar a utilização de materiais sintéticos e com muita toxina.

Divulgação

Aberturas generosas em janelas caracterizam as moradias, que também contam com espaços fechados e mais escuros, o que gera o aproveitamento da luz natural em alguns cômodos, enquanto outros priorizam a privacidade, o aconchego e a segurança. A cobertura conta com fibras resistentes ao fogo e todo o contêiner é isolado com uma tecnologia de fibras de madeira.

Divulgação

O objetivo do arquiteto foi produzir as habitações com baixos investimentos financeiros e lançando mão de matéria-prima local. Mesmo assim, os apartamentos incluem uma grande sala, cozinha, quarto, banheiro, varanda e terraço.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
06 de dezembro de 2018
03 de dezembro de 2018