Negociação favorável

Concorrência no financiamento habitacional poderá ser mais acirrada em 2018

Cenário acaba sendo positivo para o consumidor, que terá condições mais interessante

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 01/01/2018 13:45 Augusto Pio /Estado de Minas
Ilustração/EM

As novas políticas aplicadas pela Caixa Econômica Federal (CEF) podem ser a chance real de os bancos privados aumentarem sua participação no mercado de concessão de financiamentos habitacionais, conforme análise de especialista da Associação Brasileira dos Mutuários da Habitação (ABMH). Diante desse cenário, a concorrência no financiamento habitacional poderá ser mais acirrada em 2018.

 “Cabe destaque para o aumento da entrada que deve ser dada pelo comprador, chegando a 50% para os casos de imóveis usados. Aliada à manutenção de uma taxa de juros consideravelmente alta, a expectativa é que haja uma fuga dos consumidores para os bancos privados”, ressalta Vinícius Costa, presidente da ABMH. Ele explica que, recentemente, a CEF deixou de fornecer financiamento habitacional para algumas linhas de crédito e também modificou as condições de financiamento.

Vinícius avalia a viabilidade de contratação de financiamento habitacional com bancos privados e com condições semelhantes às apresentadas pela CEF como sendo muito boa para o mercado. “Sempre que existe uma concorrência maior entre fornecedores de produtos e serviços, quem ganha é o consumidor, pois sempre haverá, por parte de um ou de outro fornecedor, algum benefício que trará o consumidor para sua empresa. Assim, o mercado, que é amplamente monopolizado pela Caixa, pode sofrer uma reviravolta de muita importância.”

PESQUISAR

Vinícius acredita que, por isso, para aqueles que pretendem financiar um imóvel, este é momento de pesquisar e barganhar com os bancos condições mais favoráveis para o negócio já que a concorrência passou a ser mais acirrada diante das novas políticas adotadas pela CEF. “Mas, antes de assinar qualquer contrato, não se esqueça de buscar auxílio de um advogado especializado em direito imobiliário para não cair nas pegadinhas dos contratos de adesão impostos pelas instituições financeiras”, alerta o especialista.

“Quando se fala de financiamento habitacional, a referência é um produto financeiramente interessante para os bancos. Primeiro, porque têm uma garantia dada pelo consumidor, que é capaz de diminuir, consideravelmente, o risco do negócio. Os imóveis, que são os garantidores das dívidas, podem ser levados a leilão e o produto da venda é capaz de proporcionar ao banco a recuperação do crédito”, lembra o presidente da ABMH.

Por outro lado, situação diferente ocorre com empréstimos pessoais sem garantia, cheque especial, cartão de crédito entre outros produtos. “Além disso, uma taxa média de 10% ao ano para um contrato de 360 meses implica lucro que supera três vezes o valor emprestado. Sem dúvida, é um nicho do mercado muito importante e atraente para as instituições financeiras”, assegura Vinícius.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
21 de janeiro de 2018

No Lugar Certo você encontra o que procura