Expectativa

Mudanças nos financiamentos devem impactar positivamente o mercado imobiliário

Com a redução da taxa mínima de juros pela Caixa, perspectiva é de aquecimento do setor, que aponta queda nas vendas nos últimos 12 meses

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 14/06/2018 15:12 Augusto Pio /Estado de Minas
Edésio Ferreira/EM/D.A Press

O preço médio dos imóveis caiu 0,01% entre o mês de março e abril, gerando acumulado de queda de 0,09% no presente ano e 0,70% nos últimos 12 meses, de acordo com pesquisas realizadas pela FipeZap. Vários fatores acabaram influenciando na queda do preço dos imóveis, porém, o que está à frente disso é justamente a procura. Segundo Vinícius Costa, presidente da Associação Brasileira dos Mutuários da Habitação (ABMH), quando a procura é baixa, a tendência é que o preço do imóvel caia, ajudando no aumento de oportunidades para o vendedor. “Mas a questão da ausência de procura passa por alta de desemprego, economia descontrolada, desconfiança na reação do mercado e condições desfavoráveis para aquisição de imóvel por meio de financiamento”, esclarece o executivo.

Diante desse cenário e sabendo que se trata de um mercado interessante, a Caixa Econômica Federal (CEF) anunciou algumas mudanças em seus financiamentos, que impactarão positivamente o mercado imobiliário, uma vez que o carro-chefe dessas mudanças é justamente a redução da taxa mínima de juros, que, desde abril, passaram de 10,25% ao ano para 9%, no caso de imóveis do Sistema Financeiro de Habitação (SFH), e de 11,25% ao ano para 10% para imóveis enquadrados no Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI).

Para Vinícius Costa, a facilitação da aquisição de financiamento habitacional é fator de extrema importância para a melhora do mercado imobiliário. “Isso porque, no Brasil, o costume é adquirir imóvel com financiamento habitacional e não com recursos próprios”, ressalta. O presidente da ABMH destaca, ainda, que a Caixa perdeu muito mercado imobiliário nos últimos meses para instituições particulares. “Antes de anunciar as novas medidas, a Caixa vinha praticando condições acima daquelas apresentadas por outros bancos do mercado imobiliário. Isso fez com que o consumidor voltasse sua atenção para essas instituições privadas, obtendo financiamentos com condições mais vantajosas.”

O mercado imobiliário é um produto interessante para as instituições financeiras, pois garante o retorno do capital por meio do pagamento das prestações, ou a retomada do imóvel, e também a remuneração do banco com juros. “No Brasil, a prática é comum. A taxa de juros média de 10% ao ano, para um contrato de 360 meses, leva a um lucro de 300% sobre o saldo devedor, ou seja, na prática, o mutuário vai pagar de duas a três vezes o valor que pegou emprestado do banco. Por outro lado, caso não venha a pagar as prestações, o próprio imóvel responde pela dívida e, considerando que não se financiam mais 100% do imóvel, obviamente, o banco não terá prejuízo em caso de inadimplência do mutuário.”

OFERTA

"A questão da ausência de procura passa por alta de desemprego, economia descontrolada, desconfiança na reação do mercado e condições desfavoráveis para aquisição de imóvel por meio de financiamento" - Vinícius Costa, presidente da ABMH
Apesar desse contexto de queda de preços, com as novas medidas adotadas pela Caixa a tendência é que o mercado volte a se aquecer um pouco mais. “Com o aumento da procura, a oferta tende a sofrer variação, ou seja, é bem provável que o preço médio dos imóveis sofra uma leve alta, já que mais pessoas, possivelmente, estarão aptas a adquirir imóveis e o que pagar melhor preço acaba levando o bem”, avalia o presidente da ABMH.

E se você está disposto a ir para o mercado adquirir um imóvel, não se esqueça de pesquisar bastante antes de fechar negócio. “Adquirir um imóvel com financiamento habitacional é ter relacionamento de uma vida com um banco. Portanto, não faça nada com dúvida ou por impulso. Ao iniciar um processo de aquisição, escolha com cautela o imóvel e peça toda a documentação referente ao bem e ao vendedor. Nunca feche um negócio sem saber se quem está vendendo é realmente o dono ou se o imóvel realmente pode ser vendido. Se vai utilizar o financiamento habitacional, procure o banco antes de fechar a compra, pois é importante que seu crédito esteja aprovado, para evitar surpresas. Pesquise o banco que lhe dê as melhores condições de financiamento antes de fechar o negócio. E, se possível, cerque-se de grandes profissionais que conhecem do assunto para evitar problemas futuros”, aconselha Vinícius Costa.  
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
21 de outubro de 2018

No Lugar Certo você encontra o que procura