Racionalização construtiva

Presença de um profissional responsável pela gestão de projetos em todas as etapas do empreendimento ajuda a reduzir problemas e obter ganhos de produtividade e qualidade

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 04/09/2008 14:35 / atualizado em 25/04/2013 16:34
Luiz Eduardo defende investimentos em testes de materiais e em procedimentos - Jackson Romanelli/EM/D.A Press Luiz Eduardo defende investimentos em testes de materiais e em procedimentos
As construtoras estão descobrindo que, quando aplicadas às obras, as metodologias da gestão de projetos ajudam a reduzir o número de problemas construtivos e ainda permitem ganhos de produtividade e qualidade. O que antes era restrito ao universo dos escritórios ganhou terreno nos canteiros de obras. Gestores estão presentes em todas as etapas do processo, da concepção à entrega do empreendimento.

Embora as grandes empresas estejam na linha de frente da incorporação desses profissionais, construtoras de todos os portes também estão aderindo às metodologias. Isso porque estão motivadas pela consciência de que todo empreendimento necessita ser controlado financeiramente e ter o prazo bem definido, o escopo técnico precisa ser gerenciado, os contratos elaborados e comparados com a necessidade do empreendimento.

Para o coordenador da pós-graduação em gestão de projetos do Instituto de Educação Tecnológica (Ietec), Clênio Senra, a preparação focada de profissionais para atuar antecipando ações, planejando riscos, mensurando recursos humanos e maquinário impacta positivamente nos resultados. “O gestor aplica um conjunto das melhores práticas percebidas e reunidas ao longo de anos, para evitar erros de estimativa de prazo e custo, falta de integração entre as diversas disciplinas envolvidas, comprometimento do trabalho por riscos não previstos, falha no fornecimento de materiais e na integração do pessoal envolvido, entre muitos outros.”

Quanto maior o empreendimento, maior a redução de custos e tempo com a gestão de projetos. “Podemos alcançar uma queda entre 10% e 20% nos prazos estabelecidos e em até 10% de economia”, garante Clênio. “Para chegar a essa meta, o gestor não precisa ter as qualificações de todas as engenharias envolvidas, pois conta com uma equipe multidisciplinar. O importante é ser um bom líder, comunicador, negociador de conflitos e de compras, agregador e bom solucionador de problemas.”

Alexandre Soares, superintendente da construtora Habitare, investe em profissionais especializados na gestão de projetos desde 2002, quando criou um setor para gerenciar os projetos de engenharia de todas as obras. A equipe atua na centralização e compatibilização dos diversos projetos. Realizam análises prévias para garantir a integração e evitar conflitos entre eles. “Nosso desafio diário é melhorar a produtividade. Os insumos da construção civil têm crescido num ritmo muito grande, e o bolso do consumidor não tem como acompanhar. A otimização é indispensável. Hoje, o arquiteto faz o projeto, envia para um colega definir os pontos de estrutura, que por sua vez repassa ao eletricista de instalações para que ele detrmine os locais por onde vão passar tubulações e fios, e assim por diante. Até voltar ao arquiteto para finalizar o projeto, que chega à prefeitura com todas as soluções definidas.”

RETRABALHO Ainda segundo Alexandre, o maior ganho com esse trabalho se dá na economia de tempo e dinheiro por evitar o retrabalho. “Quando os projetos não tinham harmonia, era preciso quebrar algo pronto para cumprir algo planejado em outro projeto. Uma obra que há 10 anos levava 30 meses hoje é feita em 18. Esse cuidado prévio é um dos motivos. Evita uma série de gastos fixos com pessoal, energia elétrica, equipamentos locados e IPTU, por exemplo”, pondera.

Segundo Luiz Eduardo Prosdocimi Corrêa, engenheiro civil e pós-graduado em gestão de projetos pelo Ietec, a construção civil brasileira enfrenta há muitos anos acentuada dificuldade, passando por diferentes crises de mercado. Isso faz com que as empresas do setor restrinjam os investimentos em novas tecnologias, tanto na execução quanto na gestão de seus projetos. "Para fazer frente à atual explosão de demanda, como resultado da estabilidade econômica e da maior oferta de crédito imobiliário, as empresas estão buscando competitividade. Para isso, a indústria da construção civil tem buscado aplicar em seus canteiros novas tecnologias construtivas aliadas e respaldadas por novas metodologias de gestão", comenta ele, que é gerente de Obras da Gerance Gerenciamento e Consultoria.

Ele defende, ainda, investimentos em testes de materiais, em procedimentos e em treinamento de pessoal. “Com essas medidas e mecanismos de controle para manter a atuação dentro dos padrões planejados, atacaremos os gargalos da construção de forma eficaz”, garante. “Ao valorizar os colaboradores, treinando-os e mantendo-os informados, a empresa mantém a equipe alinhada e comprometida com seus objetivos.”

O gerenciamento de projeto pode ser adotado em diferentes tipos de empresas ou obras – construções residenciais, grandes edificações, plantas industriais. No entanto, o nível de controle de um projeto deve respeitar o tamanho da obra. Ele ainda lembra que empresas de outros setores também podem se envolver com obras, como a construção de um alto forno.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
16 de dezembro de 2016
21 de outubro de 2016

No Lugar Certo você encontra o que procura