Comentários
600
Aldeia contemporânea

União de arte e ecodesign, projeto de Domingos Tótora inspira criação de livro

Em Maria da Fé, interior de Minas, estética criada pelo designer dá novas dimensões ao papel

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 23/07/2013 14:49 Walter Sebastião /Estado de Minas
Domingos Tótora desenvolveu tecnologia própria para processar o papel, sua matéria-prima preferida - Domingos Tótora/Divulgação Domingos Tótora desenvolveu tecnologia própria para processar o papel, sua matéria-prima preferida

Domingos Tótora, um dos mais originais criadores mineiros, ganha livro. Ele tem 52 anos e mora em Maria da Fé, no Sul do estado, onde desenvolve peças ousadamente singulares como vasos, mobiliário e fruteiras. Sua matéria-prima é surpreendente: massa de papel semelhante ao papel machê, alterada para ganhar alta resistência. As criações lhe valeram prêmios importantes, como o conferido pelo Museu da Casa Brasileira/SP na categoria mobiliário. Em 2011, Tótora foi considerado um dos melhores profissionais do ano pelo conceituado Design Museum de Londres.

Não se trata apenas de um esteta. O mineiro é também referência em ecodesign. “Domingos Tótora é um designer completo”, afirma a curadora e pesquisadora Adélia Borges, autora do prefácio do livro organizado por Maria Sonia Madureira de Pinho. A especialista ressalta que o artista inventou a matéria-prima com a qual trabalha, desenvolveu processos e métodos para usá-la e mantém produção que dialoga com a sustentabilidade. Atento especialmente à ressonância social de seu projeto, Tótora valoriza sua parceria com artesãs de Maria da Fé, o que deu origem a outras atividades na cidade. “É muito raro encontrar tudo isso num autor só. As peças dele tocam o coração e a alma. Estabelecem conexão além do uso puro e simples para permitir fruição estética, o que as posiciona no interstício entre o design e a arte”, observa a pesquisadora.


A arte-educadora Maria Sonia Madureira de Pinho diz que seu livro é fruto do “olhar de admiração” sobre a obra de Tótora. “Cada peça é única e, ao mesmo tempo, reinterpretação do realizado, o que gera conjunto muito singular”, explica. A confecção dos objetos sintetiza o prazer de realização e a intensa relação com a natureza, além de “estudos e experimentações solitárias” para que o resultado fique de acordo com os ideais cultivados pelo autor.

“Admiro a estética que não deixa escapar nada: a criteriosa sinuosidade, tonalidades, a preocupação para que o objeto tenha brilho próprio. Luz acesa, o que se vê é a peça ali, respirando sozinha”, afirma Maria Sonia, ressaltando o caráter de “design de autor” da obra de Tótora. Nesse sentido, o mineiro tem papel importante “ao configurar o exercício intelectual de pensar o que faz e estimular que outros executem trabalhos pensados, mergulhem em suas realizações, atentem ao design do princípio ao fim do produto”.
Banco Kraft, criação elogiada do designer mineiro Domingos Tótora - Domingos Tótora/Divulgação Banco Kraft, criação elogiada do designer mineiro Domingos Tótora

Maria Sonia é autora dos quatro volumes da série 'Ambiente gastronômico no Vale do Jequitinhonha' e coordenou projeto dedicado ao diálogo entre artesanato e design em Ouro Preto. “A riqueza de Minas Gerais é afirmar culturas locais. Você pode falar desse assunto nas comunidades mais simples que elas entendem. Um desafio é personalizar, dar nome e autoestima a pessoas dessas comunidades, onde a cultura é viva”, conclui.

Solidez

“A vida foi me levando naturalmente ao design”, conta Domingos Tótora, formado em artes plásticas pela Fundação Armando Álvares Penteado (Faap) e pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. “Fazendo arte, percebi a beleza da matéria bruta, do peso e solidez das massas de papel fruto do descarte de papelão. Experimentando essa massa, aconteceu de perceber que poderia aumentar volumes e superfícies. Cheguei primeiro aos bancos de roça e, aos poucos, ao que faço hoje”, conta. O livro surge no momento de consolidação dessa proposta.

“Acho bonitos os tons terrosos das fotos. Meu trabalho é assim: cor do chão. Nem é intencional. Vivo no meio do mato, na Serra da Mantiqueira, o que deve ter alguma influência no que faço”, suspeita Tótora. Ele não esconde encanto especial por poltronas, cadeiras e bancos produzidos recentemente. “Há uma linha dividindo design e arte, mas gosto de ver as duas coisas andando juntas. É emoção e funcionalidade, combinação perfeita”, garante.
Massa semelhante ao papel machê, alterada para ganhar alta resistência, rendem prêmios ao artista, como é o caso do banco Solo, feito de papelão e vencedor do 24º Prêmio de Design do Museu da Casa Brasileira - Domingos Tótora/Divulgação Massa semelhante ao papel machê, alterada para ganhar alta resistência, rendem prêmios ao artista, como é o caso do banco Solo, feito de papelão e vencedor do 24º Prêmio de Design do Museu da Casa Brasileira

As novas peças traduzem momento de maturidade do artista, sintetizando saberes do design, da arte e do artesanato. Ele consegue expressar elementos de sua linguagem: formas orgânicas, a beleza das matérias e a liberdade de concepção e realização. Somados, esses aspectos materializam um projeto longamente cultivado, formado por esculturas para sentar e centros de mesas escultóricos.

Papel e Tinta/Reprodução
Três perguntas para...

Domingos Tótora, designer e artista

1- Como vê o design brasileiro?
O maior mérito é não ter identidade única, é ser múltiplo, característica de um país continental. Em cada lugar tem uma coisa. O que aparece na peça é a região com sua particularidade e miscigenação étnica e cultural. Isso contribui para um design muito inovador. Não ter padrão estabelecido permite criar coisas muito novas, abre possibilidades. Você percebe que não há limites.

2- Como você define seu trabalho?
Como o contemporâneo que vem do interior de Minas. Agradam-me as formas sinuosas, arredondadas, ameboides. Sou muito impulsivo, gosto de pegar a matéria e ir moldando, não é sempre que faço desenhos da peça. Também não sou de ficar pensando muito. Sigo apenas o movimento sugerido pelo trabalho. Gosto do objeto que fala por si, que não precisa ser teorizado.

3- Que conselho daria a jovens designers? Por que a opção por Maria da Fé?
Não perder o foco. Neste mundo com tantas possibilidades, é fácil se perder, querer seguir todos os caminhos e acabar embolado. É preciso traçar metas e sujar o máximo da matéria ou da proposta com a qual você trabalha, pois é assim que a gente amadurece. Quanto a Maria da Fé, a cidade poderia ser referência em ecodesign, mas falta foco nessa direção. Gostaria que todo o município fosse tão bem cuidado e revitalizado quanto o Centro. Senão, fica apenas como um lugar só para turista ver.

'DOMINGOS TÓTORA'
. De Maria Sonia Madureira de Pinho
. Editora Papel e Tinta, 200 páginas, R$ 100

Tags: livro

Últimas Notícias

ver todas
13 de dezembro de 2016
23 de fevereiro de 2016

No Lugar Certo você encontra o que procura