Técnica e experiência

Planejamento na hora de construir pode reduzir em até 15% o custo da obra

Um bom projeto executivo pode reduzir em até 15% o valor da obra e garantir uma execução benfeita. Ao contratar, preço não é o mais importante

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 07/04/2016 12:00 / atualizado em 07/04/2016 12:05 Augusto Pio /Estado de Minas
Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 16/4/15
Com a crise pela qual o país está passando, fazendo com que o dinheiro fique cada vez mais curto nos bolsos, o jeito é tentar economizar em tudo que puder. E para aqueles que estão planejando construir, a economia é fundamental. As formas de contratação de projetos de arquitetura e engenharia e, consequentemente, suas implicações na qualidade do empreendimento são temas recorrentes entre os profissionais da área. Para se ter uma ideia, um bom planejamento pode reduzir em até 15% o valor da obra, afirma o presidente do Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva de Minas Gerais (Sinaenco-MG), Lucas Ribeiro Horta. Para ele, o que define um bom projeto é estar amparado no saber técnico e na experiência. “O projeto executivo é tido como instrumento único e insubstituível para obter obras de qualidade.”

Para ele, um dos grandes problemas são os curtos prazos, desconsiderando o tempo de maturação do projeto, que é muito importante. “A execução pode até ser boa, mas se o projeto for deficiente, os problemas surgirão mais à frente”, ressalta Lucas. O presidente do Sinaenco-MG diz também ter opinião contrária à contratação do projeto pelo preço mínimo. “Contrata-se o projeto pelo valor mais baixo, não levando em conta o compromisso com a qualidade das empresas de arquitetura e engenharia e desvalorizando os profissionais mais experientes. Não que seja uma regra, mas deve ser desmistificado.”

Lucas salienta que a economia na contratação do projeto pode gerar gastos futuros. “Projetos mal-elaborados podem levar a erros de execução, representando custos altos que virão a superar o valor economizado a princípio”, ressalta. Para ele, é altamente recomendável investir na contratação de um arquiteto ou um engenheiro civil, de forma a se ter um projeto bem-elaborado. Segundo Lucas, toda obra tem seus imprevistos. No entanto, a falta de um projeto completo só reforça essa possibilidade, dando margem a um conjunto de falhas que implicam desperdício de tempo e de recursos. “Com projeto executivo benfeito, a construtora sabe os custos que vai ter e como executar a obra, sem precisar fazer estimativas de orçamento nem jogar os preços para o alto”, explica.

ANTECEDÊNCIA No caso das obras públicas, muito tempo é perdido em função de não serem pensadas com antecedência. “É notório o pouco esforço que costuma ser dedicado no Brasil às fases de planejamento. Em alguns países, como Alemanha e Japão, por exemplo, a fase de planejamento chega a demorar até a metade do tempo total do prazo de execução da obra. Se compararmos com o Brasil, normalmente, só um quinto do tempo é dedicado às etapas iniciais. No Brasil, muitas obras podem ser iniciadas apenas com um projeto básico. Sem detalhamento, é normal que surjam situações não previstas, exigindo mudanças no cronograma e mais dinheiro para a execução. Por isso, muitas obras não vão para a frente e precisam sofrer modificações por causa da demora na execução e pouca dedicação ao planejamento”, ressalta Lucas.

Tags: sinaenco-mg obra custo construir planejamento

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Outros artigos

ver todas
16 de dezembro de 2016
21 de outubro de 2016
07 de outubro de 2016
28 de setembro de 2016
10 de setembro de 2016