Comentários
600
A reinvenção do objeto

Estúdio aberto este ano em BH lança móveis que impactam pelo uso inusitado dos materiais

Jovens designers abraçam o imaginário e cultivam em casa edições limitadas, transitando por variadas vertentes do desenho

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 28/09/2014 09:00 / atualizado em 30/09/2014 17:08 Joana Gontijo /Lugar Certo
Estante 'Da Pá Vermelha' - Tiago Nunes/Divulgação Estante 'Da Pá Vermelha'
Ao observar e questionar os apelos cotidianos, nasce a curiosidade que concretiza, no trabalho pouco convencional, o resultado de tantas inspirações. Experimentar materiais e conceitos, em trânsito por variadas práticas do design, celebrando o diálogo entre o objeto e o espaço. Assim é o Cultivado em Casa, estúdio criativo lançado oficialmente este ano em BH, integrado por um trio que mostra ao que veio. Os amigos Bárbara Meirelles, Diego Garavinni e Mikael Dutra, são representantes de peso da nova safra de designers mineiros e do Brasil, autores de móveis que exploram o imaginário com uma proposta, no mínimo, inusitada.

Colegas de faculdade, ainda durante o curso Bárbara, 25, Diego, 27, e Mikael, 25, perceberam que, além das afinidades e ideias em comum, também os ligava uma grande vontade de investir em algo que os deixasse livres para criar, o que era, e ainda é, difícil dentro de um mercado enrijecido, contam. Após a formatura em Design de Produto, pela Universidade Fumec, em 2011, o objetivo começou a ser melhor estruturado para conceber o Cultivado em Casa, apresentado inicialmente com cinco peças, todas com edições limitadas.


Poltrona Super Jardim - Tiago Nunes/Divulgação Poltrona Super Jardim
“Design é a nossa maneira de nos comunicar. É a melhor forma que encontramos para depositar as experiências e sensações com as quais nos deparamos em nossa vivência diária”, diz Bárbara. A coleção inaugural, toda desenvolvida em 2013, inclui uma estante que tem como base uma cavadeira sobre chapa de aço e concreto, a Da Pá Vermelha, disponível em 15 unidades (R$ 3.320); uma poltrona feita com 200 metros de mangueira de PVC flexível, sustentação em aço inox escovado, e finalizada com uma torneira e esguicho de jardinagem, batizada Super Jardim e lançada em 13 edições (R$ 4.870); a luminária Célia, composta com um bloco de concreto, vergalhão, eletroduto e a cúpula em tela de proteção para a construção civil, fabricada em 23 unidades (R$ 1.340); a Cadeira de 56 Petecas que, como o próprio nome diz, tem como elementos 56 petecas, compensado, aço carbono e pintura eletrostática, com edição limitada de 19 (R$ 3.810); e um banco todo atravessado por tubos de aço inox escovado e assento em compensado pintado, chamado Verdaço, feito em sete unidades (R$ 6.370).
Banco Verdaço - Tiago Nunes/Divulgação Banco Verdaço
“Enxergamos o Cultivado em Casa como um estúdio criativo que atua em várias frentes, mas o maior interesse está no design colecionável. Principalmente devido ao caráter limitado e pessoal que esse ramo nos proporciona”, ressaltam. O nome, explicam, surgiu a partir da constatação de duas situações vividas pelos três. A primeira é que todo o processo de planejamento, criação e execução aconteceu em residências do tipo casas. E a segunda de que os clientes, ao adquirir as peças, estarão cultivando o trabalho, também dentro de suas casas.
Diego Garavinni, Mikael Dutra e Bárbara Meirelles dão asas à imaginação e criam quase esculturas com proposta de utilitários - Tiago Nunes/Divulgação Diego Garavinni, Mikael Dutra e Bárbara Meirelles dão asas à imaginação e criam quase esculturas com proposta de utilitários
Bárbara explica que o foco não são materiais reaproveitados, mas sim reinterpretados. “Buscamos uma abordagem pouco convencional ao levar a matéria prima para fora do contexto para o qual ela foi proposta inicialmente”, salienta. Os projetos são divulgados pelo site www.cultivadoemcasa.com, e os perfis no Facebook e Instagram permitem que as pessoas acompanhem de forma mais dinâmica a rotina do estúdio. Os móveis, que já ganham notoriedade em publicações especializadas e eventos da área (inclusive estiveram expostos na sede do Circuito DMAIS, que terminou neste sábado em BH), estão à venda pelo endereço eletrônico, por encomenda. A entrega é prevista em um prazo de até 60 dias, e a procura tem sido alta. “É difícil definir um público alvo nesse mercado ainda novo no Brasil. Mas, geralmente, as peças agradam pessoas ávidas por novidades e que valorizam um design autoral e exclusivo”, diz Bárbara.
Luminária Célia - Tiago Nunes/Divulgação Luminária Célia
Com o intuito de, além de desenvolver produtos, procurar sempre parcerias e iniciativas que os levem a trabalhar em outras atividades dentro do design, os integrantes do Cultivado em Casa já preparam novidade para novembro, com uma peça que será apresentada durante a MADE (Mercado de Arte e Design), em São Paulo, e também outros lançamentos para o verão. Para Bárbara, Diego e Mikael, os objetos, no contexto em que estão inseridos, se relacionam o tempo todo com as pessoas. “Dessa relação, que acontece primeiro simplesmente pela estética do objeto (forma, material,cor) e depois por sua utilização dentro da função para a qual foi concebido, surgem emoções e sensações, sejam boas ou ruins. É importante para nós, nesse aspecto, tentar gerar experiências positivas em nossos projetos. Para que, assim, se estabeleçam laços entre o objeto e o usuário”, finalizam.
Cadeira de 56 Petecas - Tiago Nunes/Divulgação Cadeira de 56 Petecas

Tags: design

Anúncios do Lugar Certo

Outros artigos

ver todas
13 de dezembro de 2016
23 de fevereiro de 2016
25 de junho de 2015
17 de junho de 2015
09 de maio de 2015