Comentários
600
Mercado imobiliário

O desafio de se construírem relações mais saudáveis para o desenvolvimento do Brasil

No setor da construção, temos inúmeros desafios que podem ser superados caso façamos um pacto pela melhoria das relações entre os agentes envolvidos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 12/10/2016 19:45
Um ambiente propício para o crescimento econômico sustentado depende, necessariamente, da interação entre governos, iniciativa privadas e instituições de ensino. Mais que as ações funcionais, cada um dos agentes envolvidos deve adotar postura propositiva e que foque na cooperação e solução de problemas. Contudo, o clima de embate entre segmentos da sociedade que tomou conta do país nos últimos meses tem sido extremamente prejudicial às ambições de desenvolvimento da nação.

A fragmentação da sociedade tem feito com que projetos de interesse comum fiquem estagnados por conta de disputas políticas e ideológicas. Por isso, o principal desafio dos cidadãos brasileiros hoje é elevar o nível das relações em todos os campos. Em vez do enfrentamento, precisamos criar pontes para que governo, empresas, sociedade civil organizada, instituições do Judiciário e universidades dialoguem e cooperem entre si.

No setor da construção, temos inúmeros desafios que podem ser superados caso façamos um pacto pela melhoria das relações entre os agentes envolvidos. Ampliar e aprofundar as interações com base na ética e na responsabilidade técnica é uma das saídas para amenizarmos os confrontos que hoje há, por exemplo, entre aqueles engenheiros que executam e os que fiscalizam obras.

Não raras vezes, casos que envolvem adequações pequenas ou mesmo divergências de conceitos são elevados a um patamar tal que é preciso a intermediação de um juiz. Nesses momentos, certamente, a boa vontade e o diálogo na hora da fiscalização conduziriam para uma solução imediata no próprio canteiro de obras.

Essa situação é decorrente de preconceitos de lado a lado. Há fiscais que veem as empresas e seus profissionais como agentes que tentam burlar a lei e há empresários e engenheiros que enxergam o fiscal como um mero arrecadador do Estado. Precisamos combater isso. Nesse contexto, a ética nas relações é fundamental para minimizar esses estereótipos.

Contudo, a mudança no mercado depende da evolução dessa discussão também dentro das universidades brasileiras. Infelizmente, ainda hoje, alguns educadores veem as empresas como vilãs na estrutura da sociedade, fomentando o preconceito nos futuros profissionais. Em países desenvolvidos, a academia e o mercado são parceiros do desenvolvimento socioeconômico. O conhecimento construído nas instituições de ensino fica à disposição dos cidadãos, das empresas, dos órgãos públicos e das demais instituições da sociedade civil. Por outro lado, compete aos governos, ao setor privado e entidades fomentar e financiar a construção do saber.

É injustificada a aversão de professores e pesquisadores ao mercado. Se uma nova mentalidade de sustentabilidade tem se desenvolvido dentro das empresas, ela é decorrente dos novos conceitos e soluções que nasceram dentro das universidades e centros técnicos. Os novos modelos de negócios das empresas não se baseariam apenas no lucro, agora a rentabilidade é um resultado da qualidade e eficiência do trabalho, tendo como preceitos o respeito aos indivíduos e o desenvolvimento do bem comum.

Certamente, a sinergia entre governo, empresas e instituições de ensino resultará no aumento das fontes de financiamento das pesquisas, da arrecadação com patentes e royalties, da produtividade e eficiência na indústria e comércio, da geração de empregos, da renda e da arrecadação de tributos. Nesse clico virtuoso, o resultado é sempre a incorporação de mais tecnologia, riqueza e qualificação profissional na economia.

Por fim, indiscutivelmente, os modelos de desenvolvimento sustentável também perpassam pelas relações entre as empresas e os governos. Assim, a modernização e simplificação da legislação tornariam as relações entre empresas e Estado menos burocráticas, minimizando brechas para favorecimentos de qualquer ordem. Quanto mais claras as regras, mais justo é o jogo.

Assim, precisamos seguir exemplos bem-sucedidos de outras nações que fortaleceram os laços entre a indústria, governo e instituições de ensino e hoje experimentam um sólido processo de crescimento econômico e melhora da qualidade de vida de seus cidadãos. Para isso, é preciso muito diálogo e, sobretudo, cooperação.

*Geraldo Jardim Linhares Júnior -  1º vice-presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG)

Tags: desafio construírem relações mais saudáveis desenvolvimento do Brasil mercado imobiliário Estado de Minas Lugar Certo

Anúncios do Lugar Certo

Outros Artigos

ver todas
10 de novembro de 2016
12 de outubro de 2016
13 de setembro de 2016
16 de agosto de 2016
20 de julho de 2016