Injeção de gás para o mercado

Aumento do valor dos imóveis que podem ser financiados pelo FGTS estimula venda de bens mais caros

Medida, porém, não terá efeito para reduzir o déficit habitacional brasileiro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 13/04/2017 11:58 Augusto Pio /Estado de Minas
Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press

O governo federal anunciou recentemente um aumento para o valor dos imóveis que podem ser financiados pelo Sistema Financeiro da Habitação (SFH), com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A mudança já está em vigor. Com a alteração, o valor das unidades subiu de R$ 750 mil para R$ 950 mil em Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e também no Distrito Federal. Para os demais estados, o preço máximo vai até R$ 800 mil. Além de ampliar os limites de financiamento, o Conselho Monetário Nacional (CMN), órgão do Sistema Financeiro Nacional (SFN) que tem a responsabilidade de formular a política da moeda e do crédito, determinou que todos os novos contratos do SFH tenham algum grau de amortização em todas as parcelas.

Para o presidente da Associação Brasileira dos Mutuários da Habitação (ABMH), Lúcio Delfino, a mudança assegura que o saldo devedor caia o tempo todo. “Além disso, proíbe financiamentos com amortizações negativas quando, no início dos financiamentos, o cliente vê o saldo devedor subir e só começa a amortizar a dívida mais tarde. Essa regra valerá a partir deste ano. As operações aprovadas até 31 de janeiro do próximo ano poderão ser finalizadas até 31 de março do ano que vem ainda sem a obrigatoriedade de amortização nas parcelas.”

Lúcio avalia ambas as medidas como positivas. De acordo com ele, o aumento do valor dos imóveis que podem ser financiados com juros menores é uma boa notícia para o mercado imobiliário, especialmente para quem tem imóveis usados. “A novidade pode melhorar a liquidez das unidades usadas e suspender a queda real dos preços, fenômeno que vem sendo observado desde 2015, com o reajuste do preço do metro quadrado abaixo da inflação”, acredita.

Entretanto, como se tratam de imóveis de alto valor, a medida praticamente não terá efeito para reduzir o déficit habitacional brasileiro, uma vez que o público-alvo tem um poder aquisitivo maior. “São pessoas que, em geral, já têm casa própria e pretendem fazer um upgrade”, ressalta o presidente da ABMH. “Quanto à obrigatoriedade de amortização do saldo devedor em todas as parcelas, trata-se de um grande avanço para os mutuários. Quando o comprador toma um empréstimo do SFH para aquisição de um imóvel, o saldo devedor é pago por meio de prestações periódicas, compostas dos juros mensais, dos encargos acessórios (seguros, taxa de administração etc) e da parcela que efetivamente amortiza o capital (saldo devedor).”

AMORTIZAÇÃO

Lúcio Delfino, presidente da ABMH, diz que a medida é positiva, principalmente para quem tem imóveis usados - Arquivo Pessoal Lúcio Delfino, presidente da ABMH, diz que a medida é positiva, principalmente para quem tem imóveis usados
O que ocorre atualmente é que o comprador pode optar por algum sistema de amortização cujas prestações não contemplem a parcela de amortização do saldo devedor no início do financiamento. Conforme Lúcio Delfino, o exemplo mais comum é o sistema price (ou tabela price). “Tais sistemas de amortização são malignos para o devedor/mutuário, pois geram a cobrança de mais juros que nos sistemas com amortização maior. A única vantagem, se é que podemos considerar assim, é que as prestações são menores no início do contrato.”

“Por outro lado, lembramos que, além dos juros, o saldo devedor é reajustado pelo índice de correção monetária eleito em contrato. No caso do SFH, este índice é a TR (taxa referencial), que em 2015 e 2016 ficou acima da média dos anos anteriores e tem comprometido a diminuição dos saldos devedores. Com a redução da Selic (um dos fatores utilizados para o cálculo da TR), a tendência é que o índice volte a cair”, analisa o presidente da ABMH. Para quem já tem um financiamento, Lúcio aconselha acompanhar a evolução do saldo devedor mensalmente. “Se a dívida não diminuir de um mês para o outro, ou, pior, se aumentar, o mutuário deve verificar o que está ocorrendo e tomar as medidas necessárias para que o saldo devedor volte a cair, até zerar ao final do prazo contratado.”
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
25 de maio de 2017
23 de maio de 2017
19 de maio de 2017
18 de maio de 2017