Uso de móveis baixos deixa espaços modernos e criativos

O estilo garante amplitude e ajuda a criar uma atmosfera mais suave para casa. Especialistas ensinam os segredos para tirar proveito desse estilo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 26/02/2012 11:49 / atualizado em 26/02/2012 12:22 Júnia Leticia /Estado de Minas
A arquiteta Estela Netto diz que o uso de mobília desse tipo confere ao ambiente uma sensação de fluidez e que já caiu no gosto das indústrias e de designers renomados - Eduardo Almeida/RA Studio A arquiteta Estela Netto diz que o uso de mobília desse tipo confere ao ambiente uma sensação de fluidez e que já caiu no gosto das indústrias e de designers renomados


Para deixar os espaços modernos e criativos, o uso de móveis baixos nos ambientes é uma boa alternativa que tem sido usada por decoradores e arquitetos. Mas essas não são as únicas razões pelas quais esse tipo de mobília ganha a atenção dos profissionais, que destacam como maior benefício da opção o fato de eles possibilitarem amplitude. Para os que têm pouco espaço em casa, isso significa maior aproveitamento de cada cantinho do lar, além da sensação de leveza e relaxamento.

Quem concorda com essa ideia é a arquiteta Estela Netto, que destaca as vantagens de se optar por esse estilo. “Móveis mais baixos conferem uma sensação de fluidez maior nos espaços e permitem ainda maior amplitude, pois os volumes são menores. É uma tendência na decoração”, explica. Segundo a profissional, grandes indústrias têm produzido peças mais baixas e designers renomados também têm optado por elas, uma vez que conferem um toque contemporâneo ao ambiente.

Facilidade de encontrar móveis prontos contribui para popularizar essa tendência no mercado nacional, segundo a decoradora Fernanda Berni - Eduardo Almeida/RA Studio Facilidade de encontrar móveis prontos contribui para popularizar essa tendência no mercado nacional, segundo a decoradora Fernanda Berni
Decoradora responsável pelo serviço Decorador on-line do Shopping Minascasa, Fernanda Berni diz que a principal vantagem é a possibilidade de criar ambientes mais leves visualmente e mais atuais. Para isso, há diversas opções. “Os móveis mais comuns são sofás, poltronas, mesas de centro e laterais, racks e camas. As cadeiras também podem ser feitas com espaldar mais baixo, embora a altura do assento não possa variar muito”, comenta.

A arquiteta Valéria Alves diz que eles são muito usados em lounges e casas noturnas, locais que necessitam de um mobiliário que favoreça a circulação de pessoas. Para escolher com o que decorar a casa, a profissional cita também mesas de apoio e gaveteiros de cabeceira. “É só tomar cuidado, pois cada morador tem personalidade e necessidades diferentes”. E aderir a esse tipo de mobiliário não é algo difícil, porque, de acordo com Valéria, há uma tendência por ele. Pode-se optar por fazer sob medida, mas eles são encontrados em lojas especializadas. “O mercado já oferece vários tipos de móveis mais baixos. A fabricação é realmente necessária somente em função de medidas e adaptações”, diz a arquiteta.

Apesar de hoje estar em destaque na decoração, Estela Netto diz que sempre existiu um pré-dimensionamento para padronizar os móveis que, não necessariamente, era o mais confortável. “Por isso, todo móvel pode ser de uma estatura mais baixa. Depende de como o usuário vai se adequar a ele.” As pessoas que demandam esse tipo de móvel são aquelas mais ligadas ao design das peças.

ADEPTOS
 "Quando bem especificados por um profissional, esses móveis podem até minimizar o custo do mobiliário como um todo" - Cristiane Maciel, arquiteta
Mas a necessidade por mais espaço nos imóveis também tem feito com que pessoas de diferentes perfis se interessem pelo mobiliário baixo, como observa a arquiteta Cristiane Maciel. “Atualmente, os ambientes, de uma maneira geral, têm dimensões enxutas e, por isso, a inserção de móveis baixos tornou-se um artifício usado por arquitetos e designers.” Além disso, segundo a arquiteta Denise Aurora, as famílias estão cada vez mais buscando a integração dos ambientes. “Esse tipo de mobiliário propicia o convívio entre a família. Normalmente, é uma peça mais sequinha, sem muitos detalhes, que tem a função de ampliar e integrar os espaços”.

A amplitude também favorece a adesão pelos jovens e recém-casados aos móveis baixos. Especialmente porque o primeiro apartamento quase sempre é pequeno. “Com essas peças, o ambiente é ampliado e, ao mesmo tempo, dá a sensação de aconchego e conforto”, comenta Valéria Alves. A versatilidade é outro atrativo, conforme a arquiteta, já que uma grande parte desses móveis é encontrada em módulos, o que permite mudanças e adaptações sempre que necessário.

Versatilidade na composição
Preferidos pelo público mais jovem e por pessoas que gostam de investir em design em casa, móveis baixos podem ser encontrados para pronta entrega ou feitos em marcenarias

Antes de sair comprando, saiba que essa mobília vai influenciar todas as outras escolhas que fizer no ambiente, para que haja harmonia - Eduardo Almeida/RA Studio Antes de sair comprando, saiba que essa mobília vai influenciar todas as outras escolhas que fizer no ambiente, para que haja harmonia


Uma prova de que os móveis baixos vieram para ficar é a incorporação nos ambientes de opções que antes só eram encontradas em tamanhos mais altos. Um dos exemplos é a mesa de centro, que agora dificilmente é encontrada à venda em modelos mais altos. Para os que gostaram de mobílias menores, o mercado já oferece grande variedade, não havendo necessidade de encomendar peças sob medida.

A facilidade de encontrar esse tipo de móvel no mercado atualmente é um dos fatores que tem feito com que eles tenham grande aceitação por parte dos consumidores. Mas há outros, segundo a arquiteta Valéria Alves. “Facilidades de transporte e acomodação no ambiente, além da versatilidade. Com uma boa composição, é perfeitamente possível fazer um ambiente bonito, prático e confortável”, diz.

A decoradora Fernanda Berni observa que a tendência por peças de baixa estatura surgiu há acerca de 10 anos, mas foi entrando no mercado aos poucos. “À medida que os móveis mais baixos começaram a aparecer nas lojas e a serem fabricados por fornecedores, as pessoas começaram a prestar atenção e aceitá-los”. As alterações que ocorrem com relação ao que é valorizado e cai em desuso também levaram as pessoas a aderir a esse tipo de mobiliário. “A tendência dos móveis baixos tem tudo a ver com uma mudança de comportamento, padrões e do próprio conceito de elegância: da suntuosidade e sofisticação para a leveza, simplicidade e autenticidade”, comenta Fernanda.

Mas não são todas as pessoas que privilegiam esse mobiliário. Segundo a decoradora, esse tipo de móvel é muito bem-vindo por um tipo específico de consumidor. “Os jovens são mais abertos à novidade e entre os solteiros há uma preocupação menor com a ergonomia. Em geral, esse público está mais preocupado com visual e modernidade do que com conforto e praticidade. As pessoas mais velhas e as mais altas não costumam aderir a essa tendência devido ao desconforto de ficar abaixando o tempo todo.”

Além de fatores práticos, houve uma mudança de percepção do consumidor sobre suas necessidades e vontades, como explica a arquiteta Cristiane Maciel. “Ele percebeu que precisava otimizar espaços, mantendo uma linguagem contemporânea. Além de, quando bem especificados por um profissional, podem até minimizar o custo do mobiliário com um todo”, diz. Mas, se mesmo assim você opte por encomendá-los, o caminho é recorrer à ajuda de um arquiteto, que, com um marceneiro, traçará um programa de necessidades.

OFERTA

Apesar de reconhecer que eles já podem ser encontrados prontos nos grandes varejistas de móveis, Fernanda Berni observa que não há tantas opções assim. “É mais fácil encontrá-los em lojas voltadas para um público mais adepto a novidades de decoração e que investe mais em design. Nas lojas de perfil mais popular, eles também já estão começando a aparecer, mas não com tanta força.”

A arquiteta Denise Aurora concorda com Fernanda no que diz respeito aos locais onde os móveis baixos são vendidos. “Ainda não é possível encontrá-los em qualquer loja. De maneira geral, estão nas lojas que têm tradição em vanguarda. E, no caso de encomendá-los, o ideal é haver um projeto personalizado e um profissional para acompanhar.” Na hora de projetar o móvel baixo, é imprescindível que seja feita uma avaliação minuciosa da demanda dos moradores e do espaço que utilizam. “A escolha dos materiais é um detalhamento apurado garantindo estética e ergonomia. Finalmente, uma mão de obra de instalação e execução especializada.”

Estilo predominante

A identificação de um estilo que seja mais adequado a esse tipo de decoração ajuda a visualizar a composição dos objetos nos ambientes. Alguns especialistas dizem que o contemporâneo se encaixa melhor com os móveis baixos. Entretanto, um profissional consegue mesclar esse mobiliário com outros estilos, garantindo identidade ao ambiente.

Os móveis baixos, por exemplo, também podem ter um toque de influências que vêm da Índia, ou dos estilos moderno ou retrô.

Atenção às cores e ao conforto

Tomados esses cuidados, todos os ambientes podem receber móveis com uma altura menor do que a convencional. Algumas peças, inclusive, chegam a ter quase o mesmo nível do chão, como explica a arquiteta Estela Netto. “Deve-se ficar atento à adequação ergonômica. Pessoas muito altas vão se sentir desconfortáveis com esse tipo de mobiliário”, alerta. A cor também tem influência direta no efeito que o espaço vai transmitir. Tonalidade, volume e forma devem ser analisados para que o objetivo traçado no projeto de decoração seja alcançado. As nuanças mais escuras, por exemplo, ficam lindas e combinam bastante com essa proposta dos móveis mais baixos. “Porém, tudo vai depender do conceito do projeto e do repertório estético do cliente”.

Para escolher as que farão parte do espaço, é preciso analisar o estilo, a composição e o conceito do ambiente. “Hoje, há uma liberdade de cor muito grande. Há desde as neutras (lacas brancas, beges e pretas) até as mais fortes, que podem fazer um contraste legal”, indica Fernanda Berni. A escolha correta dos objetos para composição do espaço e sua forma de organização também devem ser levadas em consideração. De acordo com Estela Netto, a opção por essa mobília influencia todas as outras escolhas. “Se a chaise de leitura for baixa, você não pode escolher uma luminária alta para acompanhá-la. Já a mesa de centro baixa permite a utilização de adornos altos, porque não atrapalha a conversação entre as pessoas que estão nos sofás”.

O uso de peças decorativas dependerá de cada ambiente em que elas são utilizadas, como observa Valéria Alves. “Uma sala multiuso pode ter uma grande mesa baixa com almofadas e futons em sua volta, que tanto serve para as refeições como para receber os amigos ou para reuniões familiares. Nesse caso, móveis altos próximos a essa composição quebrariam a harmonia do ambiente”. De acordo com Fernanda Berni, deve-se sempre pensar em vários critérios, mas, principalmente, em harmonia, ritmo e equilíbrio.

PALAVRA DE ESPECIALISTA
Valéria Alves - arquiteta

Conforme o estilo


Eduardo Almeida/RA Studio
As vantagens e desvantagens de se optar por móveis baixos dependerão de quem os usa. Sentar em cadeiras, bancos e sofás baixos pode não ser confortável para uma pessoa que não seja muito jovem. Porém, depois de acomodado, pode ser bem prazeroso. Lojas podem oferecê-los com um custo melhor, pois os móveis são fabricados em série. Mas, se é necessário atender necessidades quanto às dimensões, uso ou design, as marcenarias com certeza atenderão melhor, fornecendo o móvel personalizado. Para tornar o ambiente mais aconchegante, prático, funcional e, ao mesmo tempo, mais em conta, tente comprar módulos, pois serão mais versáteis e multifuncionais. Os caixotes tipo nichos são uma ótima dica, pois acomodam muita coisa, podem ser feitas composições de acordo com o espaço e a necessidade e têm um preço melhor. Almofadas e futons, além de permitir uma composição adequada ao seu ambiente, também aparentam conforto e aconchego. Elas podem ser as peças que vão dar cor ao ambiente e são fáceis de ser encontradas no mercado. Atenção, não use móveis baixos para dividir ambientes, porque alguém vai acabar tropeçando neles.

Tags: moveis

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Tiago - 05 de Abril às 07:55
Esta matéria é muito boa, parabéns pela qualidade do conteúdo deste post. No link abaixo encontrei imagens interessantes de móveis baixos, vale a pena conferir: http://www.casabelainteriores.com/p/mesas-de-centrolateral.html

Últimas Notícias

ver todas
08 de julho de 2019
02 de julho de 2019