É velho, mas não é lixo

Arquiteta e designer de BH se especializam em customizar móveis e objetos

Engajadas com a questão ambiental e avessas à mesmice, dupla trabalha com personalização de peças antigas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 07/10/2014 10:00 / atualizado em 07/10/2014 13:35 Joana Gontijo /Lugar Certo

A Casatelier reaproveita peças antigas, que se renovam com novas cores e propostas  - Osvaldo Castro/Divulgação A Casatelier reaproveita peças antigas, que se renovam com novas cores e propostas
Sair da mesmice, da monotonia, do neutro e que não é novidade, e dos altos investimentos. Para elas, a casa deve contar história, ser original, alegre e criativa. Chegar a uma decoração com personalidade significa fazer do lar um mosaico de inspirações e surpresas. Com essa ideia em mente, uma designer de interiores e uma arquiteta de Belo Horizonte se uniram para apostar na customização de móveis e objetos. Garimpando itens antigos, que são repaginados com muita cor e liberdade, o trabalho da Casatelier, espaço multidisciplar aberto em 2011, é fazer nascer peças únicas e cheias de significado.

Para Cátia Maiello, designer de interiores, e Cláudia Aragão, arquiteta e urbanista, muitas vezes o que iria para o lixo pode ressurgir em leituras inovadoras. Móveis e objetos velhos carregam um estilo próprio, com características singulares, em riqueza de traços, formatos e materiais, segundo as profissionais. “Eles aguçam o olhar, narram histórias e encantam”, dizem. As duas se conheceram enquanto cursavam design de interiores no Izabela Hendrix, onde começou a amizade que veio da descoberta dos objetivos em comum – a vontade de atuar com customização, respeitando os preceitos da sustentabilidade. “É uma maneira de valorizar o que já se possui. Muitas vezes, as pessoas descartam peças lindas e de excelente qualidade porque elas não combinam mais com o estilo da decoração, ou porque simplesmente enjoaram. A nossa intenção é reduzir ao máximo esse descarte, pois é nestes elementos que surgirá uma composição autêntica e criativa”, salientam.

 

Leandro Couri/EM/D.A Press e Talles Abreu/Divulgação
NOVO SENTIDO

 

Cátia Maiello e Cláudia Aragão conferem novos sentidos a qualquer objeto de decoração  - Leandro Couri/EM/D.A Press Cátia Maiello e Cláudia Aragão conferem novos sentidos a qualquer objeto de decoração
O serviço oferecido pela Casatelier se inicia ao abrir a perspectiva ao cliente para a possibilidade de conferir um outro sentido a uma peça já existente - seja mais simples, como um espelho, uma mesinha de canto ou uma luminária, ou mais complexa, como aparadores, poltronas, sofás, pentedeiras e escrivaninhas -, mas se expande ainda mais. Cátia e Cláudia percorrem brechós, antiquários, lojas topa-tudo, cidades do interior de Minas, e encontram a matéria-prima até mesmo em caçambas, além de sites de móveis usados. Também fornecem itens exclusivos escolhidos por elas e já reformados e, por outro lado, fazem desenhos sob medida, sem contar os projetos de ambientação de interiores. “A demanda pode surgir em um projeto de decoração/arquitetura que estamos executando, pode ser por encomenda ou por produção própria (acervos e garimpos)”, elucidam.

Entre as criações da dupla, que sempre se sobressaem pela identidade colorida, estão uma poltrona Luis XV, várias penteadeiras, cristaleiras, chapeleiras, armário com parte transformada em escrivaninha, sofá que virou recamier e até uma cabeceira de cama de casal, criada a partir de uma grade que protegeu uma casa, há muitos anos. Outros produtos são azulejos, porcelanas e vidros pintados à mão, e as opções personalizadas de abajures. “Quando customizamos um móvel, evitamos o descarte e o consumo desnecessário. A ideia de reaproveitamento e reutilização dos produtos é uma forma de pensar na sustentabilidade.”
Leandro Couri/EM/D.A Press
O trabalho da Casatelier é divulgado no site próprio (www.casatelier.com), pelas redes sociais, e já ganha espaço notório em mostras de decoração e publicações especializadas. “No site, estão as peças que temos no acervo. Os interessados entram em contato conosco por telefone ou email, e em breve teremos a venda online. Estamos com uma aceitação muito boa, principalmente entre o público que gosta de peças originais, criativas e coloridas”, comemoram.
Espaço Conceito Customização, da Casatelier, para a Morar Mais por Menos BH 2014 - Gustavo Xavier/Divulgação Espaço Conceito Customização, da Casatelier, para a Morar Mais por Menos BH 2014
O processo criativo se desenvolve em etapas. O primeiro passo é selecionar o objeto que será reformado (móveis de madeira maciça, mais resistentes ao tempo, geralmente rendem bem), analisando o estado de conservação – algumas peças, mesmo muito maltratadas, não estão estragadas, mas outras podem não ter conserto, e aí não é vantagem investir. Se o móvel for aprovado, Cátia e Cláudia resolvem o que será feito, decidindo com o cliente a preferência de tecido e cor. Então começa a restauração, que geralmente é finalizada com a aplicação de laca, um jeito de dar um visual menos artesanal à mobília, sempre com tonalidades vivas. Em qualquer projeto, a Casatelier respeita o gosto do freguês. “Nosso público é o que deseja decorar uma casa com a cara dele: única, original, sem cópias”, descrevem.
Osvaldo Castro/Divulgação
No Espaço Conceito Customização, ambiente que a Cátia e Cláudia apresentaram na edição deste ano da mostra Morar Mais por Menos, que terminou neste domingo na capital, o uso das cores foi o ponto forte. Tons de azul, rosa, amarelo, roxo, vermelho, verde, laranja, estampas e texturas diferentes traduzem a proposta que prima pela originalidade. Como descrevem as profissionais, os móveis e objetos, em grande parte, são customizados. Peças simples ou até mesmo descartadas foram levadas a um patamar de destaque. O espaço foi premiado com o primeiro lugar no quesito Customização. “A proposta é que a casa conte a história do morador, com espaços alegres e personalizados. Cada objeto tem uma trajetória individual, e a soma de todos cria um ambiente rico em detalhes e sutilezas. O antigo com cara nova, o descartado reaproveitado, o simples reinventado”, finalizam.
A penteadeira também faz parte do acervo das especialistas em transformar móveis - Casatelier/Divulgação A penteadeira também faz parte do acervo das especialistas em transformar móveis

Tags: antigos

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Marcos - 08 de Outubro às 13:29
Bolha imobiliária presente no brasil.

Últimas Notícias

ver todas
21 de julho de 2019
08 de julho de 2019

No Lugar Certo você encontra o que procura