Casa Cor Minas começa na Grande BH com o melhor de seus 20 anos

Evento aproveita a riqueza de uma região de belas paisagens naturais para reafirmar seu compromisso de levar ao público o que há de novo em arquitetura, decoração, design e paisagismo. É até 16 de dezembro, em Macacos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 17/11/2014 13:23 / atualizado em 18/11/2014 11:23 Joana Gontijo /Lugar Certo
Refúgio do Escritor, de Cristina Morethson e Ângelo Coelho
 - Leandro Couri/EM/D.A Press Refúgio do Escritor, de Cristina Morethson e Ângelo Coelho
Mesmo que ainda fossem necessários alguns ajustes para deixar tudo nos trinques, a Casa Cor Minas Gerais abriu as portas, na última sexta-feira, para comemorar 20 anos de sucesso apresentando ao público o melhor da arquitetura, decoração, design e paisagismo. Este ano, a mostra aproveita a exuberância da natureza para emoldurar 46 ambientes, criados por cerca de 60 profissionais, incrustados em mais 70 mil m² de área preservada. Com investimentos da ordem de R$ 40 milhões e nove mil pessoas envolvidas no trabalho, o evento acontece no condomínio de apart hotel Vila Gaya, ainda a ser inaugurado, em São Sebastião das Águas Claras, distrito de Nova Lima, a simpática Macacos, a 12 quilômetros da capital. São esperados 60 mil visitantes até o último dia, 16 de dezembro.

Esta é a quarta vez que a Casa Cor é realizada em Macacos que, para um dos organizadores, João Grillo, combina com charme, qualidade de vida, sustentabilidade e as novas experiências do habitar, conceitos explorados na 20ª edição. Em 2014, os espaços são harmonizados em apartamentos de um e dois quartos, ocupando 34 das 90 unidades que o empreendimento terá no futuro. As composições temáticas se inspiram em pessoas que curtem gastronomia, música, moda, arte e, principalmente, apreciam estar em casa e poder se conectar com a paisagem. Em cinco ambientes, os profissionais mantiveram as características padrões da construção, em outros puderam fazer interferências estruturais, e ainda há propostas onde a liberdade é completa. "O fato de todos os apartamentos serem praticamente iguais produz um efeito ainda mais interessante, pois são diferentes arquiteturas de interior a partir de uma mesma planta. Um olhar, muda tudo”, comenta João Grillo.


Aliando conforto, bem-estar e tecnologia, nascem ideias para livings, lounges, home theaters, lofts, cozinhas gourmet, decks, salas de banho, suítes, salas de TV, salas de música, estúdios, galerias, jardins, além de quartos para o filho, a filha, o casal, e o bebê. “As necessidades dos moradores são traduzidas em projetos sofisticados, dotados de funcionalidade e irreverência”, afirma Ernesto Lolato, também organizador. O Gaya Restaurante, instalado especialmente para a Casa Cor, é outra atração, e fica sob o comando do renomado chefe Felipe Rameh, do Trindade e Alma Chef, cuja equipe, junto à moradores da região, tem representantes no time que coordena o espaço de encontro do evento.

ARQUITETURA DO AFETO

Para o arquiteto David Guerra, que estreia em grande estilo na Casa Cor, a relação do homem com o espaço deve ser sempre de um lugar que o acolha, tranquilize, que tenha humor e o faça sentir bem. Formado pela UFMG e à frente do escritório que leva seu nome desde 2002, o profissional participou este ano da Bienal de Arquitetura de Veneza, onde defendeu seu trabalho ligado à memória do afeto - uma concepção de construções feitas menos como produção em série e mais como ambientes nos quais as pessoas tenham prazer em estar. Com este contexto conceitual, David apresenta em Macacos o Apartamento do Executivo, de leiaute fluido, circulação livre, uso flexível, integração total de cômodos, e com o desfrute da visão da floresta descortinada pelos amplos panos de vidro.
No Apartamento do Executivo, de David Guerra, fluidez e integração em um ambiente sem paredes - Jomar Bragança/Divulgação No Apartamento do Executivo, de David Guerra, fluidez e integração em um ambiente sem paredes
O apartamento é dividido entre sala de estar, mesa de jantar, quarto, home office, banheiro, e a cozinha embutida que pode ser oculta como se fosse um armário. "Como o projeto não é para um cliente específico, aqui temos a liberdade de criar um personagem. O morador deste apartamento é um executivo que gosta de arte, aprecia vinhos, um bom design. Ele é elegante, discreto, convive com pessoas de todos os jeitos, sua delicadeza está em conviver com todos. É um homem que transita entre o natural e o tecnológico, o sofisticado e o simples, que gosta desde de arte contemporânea à arte naif, que encara a beleza como usufruto, não como ostentação", descreve o arquiteto.

Em um ambiente feito para usar, tido não apenas como uma montagem, o projeto quer ser um lugar confortável, agradável, uma casa para onde dê vontade de voltar e que também aguce a insipiração para trabalhar, onde estão as lembranças e o que se mais gosta, continua David. Tudo foi muito bem selecionado para não carregar a composição, explica, onde a leveza do vidro é um trunfo para aproveitar a ausência de divisões de alvenaria e portas. A madeira no teto e no piso reforça o aconchego do campo e da mata, e o tecnocimento azul cobalto nas paredes, vernacular, confere a identidade dos tempos da vovó, em um diálogo entre o rústico e o moderno.
Para David, a casa deve estar ligada à afetividade - Joana Gontijo/Portal Uai/D.A Press Para David, a casa deve estar ligada à afetividade
Nos elementos decorativos, celebração ao design e à cultura nacional. O desenho icônico de Sergio Rodrigues está presente na poltrona Xibô, nos bancos Sônia, na cadeira Menna e nas cadeiras de jantar Cantú, e o primor de Jorge Zalszupin faz um brinde ao verde com o Carrinho de Chá estrategicamente colocado em frente à janela. O painel em couro trançado de Elisa Atheniense, todo em reaproveitamento, as mesas lateral Mac, o revisteiro Etel Carmona, o sofá Neobox, a luminária Taccia, as peças de Achille Castiglioni e a coleção de esculturas Ad Vintage, são outros destaques de personalidade e bom gosto. "Morar bem é conseguir transformar a nossa memória afetiva e os nossos sonhos em matéria. Nossa casa dever ser além de bela, afetiva. Na medida em que reconhecemos beleza em um lugar que é a nossa cara, reforçamos em nossas identidades o que somos de melhor", acrescenta David.

UM CASAL MODERNO

Estilo para morar bem sozinho, no Loft do Homem Moderno, de Ana Claudia Navarro e Sylvia Navarro - Leandro Couri/EM/D.A Press Estilo para morar bem sozinho, no Loft do Homem Moderno, de Ana Claudia Navarro e Sylvia Navarro
Para um casal do século 21 que encara a relação com maturidade, duas casas independentes. Estão juntos, mas ele mora sozinho em um loft, moldado na melhor pegada nova-iorquina, e ela em outro, logo à frente, onde a máxima é o encanto do desapego. No Loft do Homem Moderno, a opção de Ana Claudia e Sylvia Navarro foi por cores que fogem do tradicional para ambientes masculinos, como o aconchegante verde e o quente laranja, sintonizados com o jogo de cinzas e a parede de tijolos que traz o clima NY.

A proposta é de multifuncionalidade. A bancada que começa na sala e contorna todo o quarto pode ser usada como mesa de jantar e, ao mesmo tempo, como bancada de um home office. Os equipamentos de vídeo e som em alta definição estão instalados de forma a também servir à sala ou ao quarto. A divisória que deixa o cômodo aberto, mas ainda reservado, é mais um acerto. "O apartamento do homem é como um bangalô, onde uma pessoa mora tranquilamente sozinha, e tem conforto para a companhia no fim de semana. É um espaço não muito cheio de detalhes decorativos, neste sentido é mais enxuto, mas é um lugar em que qualquer homem viveria, e todo mundo que vem aqui adora", dizem as designers, que participam da mostra pela primeira vez.

Na varanda, a estante em madeira de visual desgastado da São Romão reafirma o charme do morador, que também mostra seu apreço pela arte com a exposição dos desenhos da série Quintal Amarelo, de Estevão Machado, outro ponto alto do ambiente externo. Os finos traços à lápis mostram cenas cotidianas, como os intervalos de descanso em um banco da praça, enriquecidos pela riqueza da variedade de personagens, a delicadeza de pipoqueiros no parque, a diversão dos cães na rua. As imagens, debruçadas na vista das árvores, falam um pouco sobre como é importante aproveitar momentos que um dia se tornam boas lembranças, e fazem o artista e o público voltarem à infância, quando desenhar vem muito antes de aprender a escrever.
Sylvia Navarro diz que intenção foi fugir das cores clássicas masculinas. À direita, desenhos do artista Estevão Machado - Joana Gontijo/Portal Uai/D.A Press Sylvia Navarro diz que intenção foi fugir das cores clássicas masculinas. À direita, desenhos do artista Estevão Machado
No apartamento seguinte, mora a mulher do casal, que faz de seu lar uma maneira de contar história. No Loft da Mulher Moderna, da também estreante na Casa Cor Isabela Bethônico, o olhar é logo atraído pela romântica bicicleta dourada, com cestinha e flores, da Martone Cycling Co., que revela a moradora como alguém que quer escapar das imposições urbanas. "Ela vive sem carro e sem televisão, e usa sua bicicleta para trazer suas compras e o jornal da manhã", descreve a arquieta.
No Loft da Mulher Moderna, Isabela Bethônico cria uma moradora que não gosta das pressões urbanas - Leandro Couri/EM/D.A Press No Loft da Mulher Moderna, Isabela Bethônico cria uma moradora que não gosta das pressões urbanas
O revestimento em ladrilhos hidráulicos artesanais de Barbacena é o protagonista da varanda, e divide o estrelato no projeto com o biombo que setoriza as áreas íntima e social. Fabricado em tela metálica pelo multi-artista Paulo Henrique Pessoa, o Ganso, ele deixa a circulação fluida e permeável, na mesma medida em que garante a privacidade. O lugar destinado às refeições e as obras de arte são um charme extra, e potencializam o colorido de toda composição, onde até um vestido pendurado é uma peça da decoração. No espaço externo, outro detalhe é o balanço Sobra, de Zanini de Zanine, feito a partir do resgate de fragmentos de Ipê de demolição de um casarão no Rio de Janeiro.
Os toques coloridos e peças de arte e design são um charme extra no espaço de estreia de Isabela - Joana Gontijo/Portal Uai/D.A Press Os toques coloridos e peças de arte e design são um charme extra no espaço de estreia de Isabela
A EXPERIÊNCIA DO ESPAÇO

Em um ambiente de 55 m², o arquiteto Junior Piacesi, em sua sexta presença na Casa Cor, ressignifica o luxo. No Quarto de Hotel, a intenção, conta Junior, é fugir do extremamente decorado, e repensar o espaço como uma experiência de uso. O projeto clean, que exalta os pequenos prazeres e explora o sensorial, é uma grande caixa de madeira. "Minha busca é pela simplicidade e o bem-estar, pela vontade de ficar em casa. É falar que conforto e aconchego estão ao alcance de todos", diz o profissional. Com as paredes, o teto e o chão totalmente cobertos por madeira compensada virola, um material barato e ecologicamente correto, o ambiente se compõe em mesa, cama, banheiro integrado, um mini spa, com banheira de imersão, além da lareira, feita em arado de trator, que fica convidativa ao lado de um futon.
O Quarto de Hotel é uma grande caixa de madeira - Leandro Couri/EM/D.A Press O Quarto de Hotel é uma grande caixa de madeira
O algo a mais do design está por conta da iluminação, planejada em tubos de lâmpadas fluorescentes que perpassam teto e paredes, e imprimem ao cômodo uma inusitada, e harmônica, geometria. O traço simples e inovador do projeto se expande pela natureza escancarada na janela, que de fora a fora abre a integração entre interior e exterior, e cria a ambientação ideal para o usuário relaxar e se distanciar do caos e do excesso de informação da cidade. "Quis tirar a impessoalidade de um quarto de hotel. Aqui, temos a responsabilidade de criar um conceito, e não há um cliente para engessar a criatividade, podemos ousar à vontade."
Junior Piacesi concebe um projeto clean e simples para explorar os sentidos - Joana Gontijo/Portal Uai/D.A Press Junior Piacesi concebe um projeto clean e simples para explorar os sentidos
ARTE, COR E TEXTURA

A arquiteta Erika Viana conta que sempre inicia um trabalho pela textura ou pela cor. O primeiro projeto dela para a Casa Cor, o Apartamento do Hóspede, nasceu da divisória de bolas, em madeira MDF laqueada fosca e brilhante, que agrada logo quem adentra o espaço. O contraste de texturas, cores e brilho concebe um efeito interessante ao aproveitar a leitura das fotografias, dos trabalhos manuais, das obras de arte e do mobiliário. "Quando penso em um ambiente, logo me vem à cabeça o aconchego, um lugar que não tenha cara de loja. Então, gosto de materiais naturais, como o linho, do papel de parede reciclado, feito à mão, das cores salpicadas", diz Erika.
Erika Viana busca em suas ambientações o máximo de aconchego - Joana Gontijo/Portal Uai/D.A Press Erika Viana busca em suas ambientações o máximo de aconchego
No banheiro, um acabamento normalmente indicado para áreas externas ganhou novos ares revestindo as paredes, em diálogo com a louça branca. As cadeiras de palha trançada que encaram a vista a fazem uma aliada, e são um chamado para sentar, tomar um drinque, ou simplesmente descansar. A área de apoio para pequenos lanches e refeições, e também de bar, serve à visita com praticidade. A ideia do apartamento é ser refúgio. "Aqui é para entrar e ficar à vontade. Um espaço para curtir, repousar, ler, para usufruir. E também para sair quando quiser, aproveitar como um hóspede mesmo."
No Apartamento do Hóspede, a beleza vem da mescla de cores e texturas - Leandro Couri/EM/D.A Press No Apartamento do Hóspede, a beleza vem da mescla de cores e texturas
OPORTUNIDADE

Os dois últimos dias da Casa Cor, 15 e 16 de dezembro, serão dedicados ao Special Sale, período em que o público poderá adquirir objetos, produtos e móveis expostos com descontos de até 70%.

CASA COR MINAS GERAIS 2014
De 14 de novembro a 16 de dezembro
Na estrada para São Sebastião das Águas Claras, 1.289, Nova Lima
De quarta a sexta, das 16h às 22h, sábado das 13h às 22h, domingo e feriado das 13h às 19h
Ingresso a R$ 50
Transporte: Agendamento prévio pelo telefone (31) 3057-1119. R$30 por pessoa (ida e volta)
Informações: www.casacorminas.com.br ou (31) 3286-4587.

Tags: mostra

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
08 de julho de 2019
02 de julho de 2019

No Lugar Certo você encontra o que procura