Profissionais de BH dedicam dois dias a discutir e fomentar a cadeia da decoração e design

10ª edição do Congresso da Inovação em Decoração e Design e o Prêmio Amide de Decoração 2014, que acontecem até esta quarta-feira, reúnem arquitetos, decoradores, designers e estudantes de todo Brasil, na capital, para trocar ideias e pensar o setor

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 19/11/2014 12:04 / atualizado em 21/11/2014 14:18 Joana Gontijo /Lugar Certo
A revitalização da La Gallete, em BH, é um exemplo do poder transformador do design. O novo projeto de interiores da doceria, de David Guerra, salvou a proprietária da falência - Jomar Bragança/Divulgação A revitalização da La Gallete, em BH, é um exemplo do poder transformador do design. O novo projeto de interiores da doceria, de David Guerra, salvou a proprietária da falência
Belo Horizonte vive dois dias dedicados a pensar e nutrir a cadeia da decoração e design. Arquitetos, decoradores, designers e estudantes de todo Brasil desde esta terça-feira se reúnem na capital em um ambiente de encontro e troca de ideias. Expoentes da área sobem ao palco para comandar fecundas discussões, que interligam os elos do setor e tratam o design, antes de tudo, como ferramenta transformadora. Até esta quarta-feira, este é o clima no espaço Ilustríssimo, no Santa Efigênia, onde a Associação Mineira de Decoradores de Nível Superior (Amide) realiza a 10ª edição do Congresso da Inovação em Decoração e Design e o Prêmio Amide de Decoração 2014.

“O design hoje é o conhecimento que muda todo um cenário, seja na indústria, no comércio, na prestação de serviços. Enquanto profissionais, nós temos um campo enorme pela frente, principalmente com o design de interiores e a arquitetura”, destaca a presidente da Amide, Laura Rabe. Com o congresso, salienta, a entidade cria a abertura necessária ao debate de variados temas que compreendem o meio, não apenas com palestras sobre design, mas também com abordagens mais amplas sobre o contexto atual do país e do mundo. “Qual o papel do designer nesses tempos em que, a cada dia, surge uma nova tecnologia e a outra que você acabou de conhecer já ficou obsoleta? O mundo está mudando muito rápido e temos que acompanhar, para levar ao cliente o que está para acontecer. É uma responsabilidade enorme, porque a relação com esse cliente deve ser de confiança absoluta, em um universo de situações que podem acontecer”, diz Laura.
Ilustríssimo, no Santa Efigênia, é o espaço de encontro de arquitetos, designers, decoradores e estudantes - Joana Gontijo/Portal Uai/D.A Press Ilustríssimo, no Santa Efigênia, é o espaço de encontro de arquitetos, designers, decoradores e estudantes
No primeiro dia da programação, pela manhã, os destaques foram as palestras com Bernardo Farkasvolgyi, arquiteto e urbanista, responsável pela criação, elaboração, desenvolvimento e acompanhamento de projetos de arquitetura e consultoria imobiliária, e Denise Eler, designer gráfica, especialista em gestão estratégica da informação e mestre em educação, atuante há 15 anos junto a universidades corporativas de empresas nacionais e multinacionais.

Um dos arquitetos mais premiados do Brasil e do mundo, que acaba de conquistar três grandes prêmios internacionais, Bernardo falou sobre sua maneira de se mostrar como arquiteto, decodificando seu processo de trabalho. Ele, que acredita que o profissional está cada vez mais se tornando um psicólogo do cliente e da família, contou da trajetória e do desenvolvimento de 20 anos do escritório que virou um case de sucesso e, para Laura Rabe, está modificando o cenário da arquitetura, principalmente em Belo Horizonte.

Denise Eler reforçou a importância do design em todos os segmentos da economia, e como ele é fundamental ainda para mudar a cabeça dos empresários e impactar no produto final. Citando exemplos globais como a Nike, que se reposicionou através do design, e muitos casos em que o designer é o CEO de empresas gigantes, como a Philips e a Google, entre tantas outras, Denise quis pontuar como o profissional pode se encaixar em diferentes situações e abrir seu leque de atuação, já que tem a disciplina de projetar, planejar e conceituar o produto como um todo.

À tarde, o público pôde conferir o painel com o também premiado arquiteto David Guerra, que desenvolve trabalhos nas áreas de arquitetura residencial, comercial, institucional, interiores e design de mobiliário, e é um dos integrantes da Bienal de Arquitetura de Veneza, o empresário Teodomiro Diniz, indicado pela Sociedade Mineira de Engenheiros (SME) por suas iniciativas ousadas na área da engenharia civil e pelo talento empresarial, e a Analista de Inovação e Sustentabilidade do Sebrae Minas, Andréa Tristão, formada em administração de empresas, pós graduada em marketing, gestão de negócios e gestão do design, e coordenadora do Programa de Design do Sebrae Minas. A intermediação ficou a cargo do diretor geral e editor da Revista Encontro, André Lamounier.

No debate, a conversa foi sobre a importância estratégica do design que, encarado como ferramenta de transformação, é capaz de agregar valor econômico ao negócio e até alcança questões de qualidade de vida; sobre como fazer o design acessível a todos, através da criatividade que resulta em projetos de baixo custo, que aplicam o reaproveitamento e dão novos usos decorativos a objetos corriqueiros; e também perpassou o tema do relacionamento entre o profissional e o cliente. O painel foi enriquecido pelas diferentes experiências dos debatedores, que trouxeram a perspectiva do arquiteto e designer que luta pelo convencimento, entre o cliente e o público comum, acerca da relevância do design, do micro e pequeno empresário que ainda não reconhece como deveria seu valor, e da indústria da construção, que já há algum tempo percebeu que seus imóveis devem ter algo diferente para conquistar o mercado.
O painel mediado por André Lamounier teve debate com Andréa Tristão, David Guerra e Teodomiro Diniz - Joana Gontijo/Portal Uai/D.A Press O painel mediado por André Lamounier teve debate com Andréa Tristão, David Guerra e Teodomiro Diniz
Explicando sobre a arquitetura do afeto, uma concepção de que a casa deve conter a mistura entre a memória afetiva cultural e a memória afetiva de cada um, e que o homem deve buscar nas suas escolhas aquilo que realmente lhe agrade, lhe acolha, lhe valorize, inspire suas ideias e seu humor, David Guerra ressaltou que grandes ideias, independentes da classe social, do tempo ou das intenções do cliente, devem ser sempre o foco do trabalho. “A criatividade norteia a qualidade de qualquer trabalho. Boas ideias fazem a permanência no mercado. É imprescindível realizar sempre bons projetos, independente do cliente, de forma a garantir a qualidade do profissional, garantir que aquele produto contribua para estabelecer sua própria postura no mercado.” Entre outros temas, como o significado de um briefing bem feito, David contou ainda sobre a revitalização da Doceria La Galette, em Belo Horizonte, um exemplo de como o design eficiente pode reconstruir uma empresa à beira da falência, e assim fazer renascer a própria vida da proprietária, uma senhora de 74 anos.

Andréa Tristão elucidou sobre como é a atuação do Sebrae, que desde 2002 tem um setor de promoção, suporte e educação sobre o design, na mediação da relação entre os micro e pequenos empresários e o designer, já que nestes casos muitas vezes não há dinheiro para altos investimentos. “Vejo uma dificuldade dos pequenos empresários em perceber o design. O designer tem que ir, mostrar e vender esses benefícios. Eles aceitam mais o desenvolvimento da marca, mas quando falamos em um projeto de design de ambiente, de melhorar um salão de beleza, um pet shop, uma papelaria, ainda falam que é muito caro. Desconhecem o que está por trás de apenas uma logomarca ou um cartão de visita, ou só melhorar a fachada ou o fluxo de um restaurante.” Como explica Andréa, o trabalho é no sentido de mostrar para as micro e pequenas empresas que o design vai além da estética, e deve ser encarado como uma estratégia, como algo que pode gerar retorno financeiro. “Vemos que esses empresários estão um pouco distantes dos designers, consideram um projeto um produto inacessível, e também têm dificuldades no diálogo com o profissional. O Sebrae tenta fazer a ponte.”

À frente da Construtora Diniz Camargos, Teodomiro Diniz disse que o design está na base do desenvolvimento, e sem ele não há solução palpável e viável para fugir de situações econômicas ruins. Para o empresário, o design, com suas características regionais e raízes de cultura, tem toda uma amarra importante que é valorizada em todo mundo. “Se temos um caminho para desenvolver a indústria em Minas, fazer com que Minas agregue valor à sua bandeira, aos seu granito, aos seus produtos básicos, é através do design. Se o estado quer melhorar e sair de uma economia de minério, de commodities, de siderurgia pura, é pelo design. Vários países se fizeram valer através do design, desenvolvendo a cultura e os processos, superando a concorrência mundial.” O design, continua Teodomiro, é uma forma dos profissionais mineiros se fazerem valer e, para ele, a busca deve ser para internacionalizar a prestação de serviços, através da sofisticação e do desenvolvimento de processos que, mesmo regionalizados, tenham expressão nacional e internacional.
Joana Gontijo/Portal Uai/D.A Press
O dia terminou com a palestra do cineasta, roteirista, diretor de cinema, produtor cinematográfico, crítico, jornalista e escritor Arnaldo Jabor, que abordou o tema Brasil, presente e futuro, e levou a discussão para o contexto macro. A estudante de design Mariah Dezopa Parreira, de 28 anos, acompanha este ano o congresso pela primeira vez, e conta que está adorando a oportunidade de estar em contato com profissionais do setor e os assuntos de destaque do momento. “Minhas áreas de interesse especial são o design estratégico e design de mobiliário, temas que estão sendo bastante discutidos.” Já participante do evento há várias edições, a designer de interiores Viviane Cabral diz que sempre aprende muito com os encontros. “Às vezes, um colega tem um olhar que você não tem. É bom escutar ideias diferentes, o que faz enriquecer o conhecimento. Aqui encontramos profissionais de áreas distintas, tanto de interiores como de produto, além de lojistas e fornecedores, que muitas vezes tem outras visões que complementam nossa experiência.”

Nesta quarta-feira, a presença no Ilustríssimo é do designer Hugo França, conhecido por reaproveitar resíduos florestais para a produção de esculturas mobiliárias únicas, da publicitária, escritora e colunista Cris Guerra, do arquiteto e urbanista Pedro Lázaro, que fala sobre a interface arquitetura e moda, e do designer dinamarquês Morten Georgsen, responsável pela Futhark Design. Às 20h, acontece a solenidade de entrega do Prêmio Amide de Decoração 2014, que consagra os melhores projetos incristos em quatro categorias - casas, apartamentos, ambientes comerciais e mostras de decoração.
Joana Gontijo/Portal Uai/D.A Press

Tags: design

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
08 de julho de 2019
02 de julho de 2019

No Lugar Certo você encontra o que procura