Empresas da construção investem na participação em feiras para se atualizar

Feiras de construção atraem profissionais que procuram trocar informações para aumentar seu portfólio de serviços visando conquistar cada vez mais o consumidor

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 08/04/2012 11:35 / atualizado em 09/04/2012 10:43 Júnia Leticia /Estado de Minas
"No dia a dia das empresas, é difícil saber tudo o que ocorre nesse mercado e o que se aprende vem, na maioria das vezes, da internet" - Júlio Tôrres, diretor do escritório Torres Miranda Arquitetura
Em qualquer atividade profissional, é preciso atualizar-se constantemente para não ficar fora do mercado. Na área da construção civil não é diferente. Essa necessidade tem movimentado as empresas do setor, que investem na participação em feiras para trocar informações e se atualizar a respeito das tendências mundiais da construção civil.

Além disso, esse tipo de evento oferece a oportunidade para renovar fornecedores e conhecer serviços de alta performance. Com a busca por soluções que otimizem a construção civil em um mercado aquecido e cada vez mais competitivo, quem acaba ganhando é o consumidor, alvo das empresas que investem em projetos diferenciados para agradá-los.

A necessidade de se destacar em meio à concorrência, em um mundo em que informação é tudo, faz com que empresas como a Conartes Engenharia participem de feiras, como conta o engenheiro e diretor de produção da empresa Décio Gontijo. “Acreditamos que o capital intelectual das empresas, principalmente na contemporânea era do conhecimento, é um fator decisivo para a sobrevivência organizacional e melhoria contínua de seus processos”, diz.

Diretora de uma das maiores feiras da construção do mundo, a Feicon Batimat, Liliane Bortoluci destaca a importância do evento para o setor. “Realizada desde 1992, é na Feicon Batimat que os principais lançamentos do setor no Brasil, da fundação ao acabamento da obra, são apresentados para arquitetos, engenheiros, decoradores e demais compradores da construção”, conta.

Para o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat), Walter Cover, além de mostrar novidades e tendência, eventos como esse visam mostrar ao mercado e ao em público geral a potência das empresas e de suas marcas. “Têm como objetivo impactar de diferentes maneiras o consumidor e o comércio, ou seja, a rede de distribuição, as construtoras, bem como o público técnico, arquitetos, engenheiros, estudantes e o trabalhador nos diversos ramos da construção civil”, considera.

A possibilidade de agregar conhecimento e buscar estar sempre à frente da concorrência nas melhores e mais atuais práticas do setor é destacada por Gontijo. “Novidades tecnológicas surgem o tempo todo e temos que estar constantemente antenados, pois isso se reflete diretamente na qualidade de nosso produto.”

DESIGN

Antenado com o que há de mais moderno no mercado da construção civil, o advogado e administrador de empresas João Batista Ferreira Sales optou por investir em um empreendimento da Conartes. No caso, a escolha foi pelo Diamond Residence, no Bairro de Lourdes, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Com fachada 100% revestida em granito, um dos diferenciais do empreendimento é que a pedra é fixada criando uma espécie de colchão de ar, de forma a proporcionar maior conforto acústico e térmico.

João Batista conta que, quando passou pelo bairro, o design do prédio chamou sua atenção. Tanto é que, mesmo sem ver o apartamento, ligou para a corretora para fechar negócio. “Gostei do estilo e o prédio foi muito bem construído. Internamente, também é muito bom”, diz o advogado.

De acordo com o diretor do escritório Torres Miranda Arquitetura, Júlio Tôrres, as grandes feiras trazem as tendências e novas tecnologias para o mercado da construção civil. “No dia a dia das empresas, é difícil saber tudo o que ocorre nesse mercado e o que se aprende vem, na maioria das vezes, da internet”, diz.

Segundo Tôrres, é nas feiras que ocorre um grande resumo de tudo o que é novidade e pode-se perceber em que direção o mercado está caminhando, quais são as necessidades existentes e as criadas pelo consumidor. “Importante ainda é poder ver ao vivo materiais e tecnologias que, antes, só estavam disponíveis em vídeos e imagens na rede.”

Tecnologia com sustentabilidade
Projetos mais modernos contemplam redução de custos e aplicação de material que preserva a natureza. Outra finalidade é promover o bem-estar e a satisfação do cliente

Décio Gontijo, da Conartes, diz que participações em feiras favorecem conhecimento geral - Eduardo Almeida/RA Studio Décio Gontijo, da Conartes, diz que participações em feiras favorecem conhecimento geral
Na corrida atrás das novidades, o consumidor é um dos principais beneficiados. Afinal, para conquistá-lo, vários fatores são levados em consideração. “Adquirir um produto de uma empresa que se preocupa em evoluir constantemente é a garantia de adquirir algo de ponta, que preza não só pela tecnologia, mas, principalmente, pela sustentabilidade”, afirma o engenheiro e diretor de produção da Conartes Engenharia, Décio Gontijo.

Júlio Tôrres, diretor do escritório Torres Miranda Arquitetura, reconhece que o consumidor acaba ganhando com a participação das empresas nas feiras, já que, posteriormente, vai receber um produto com mais tecnologia, mais resistente e, por vezes, até mais barato. “Novas tecnologias podem propiciar construções em locais ou prazos que antes seriam inviáveis. Muitos desses produtos têm por finalidade dar maior conforto aos usuários, com melhor tratamento acústico e térmico, por exemplo.”

O fator economia também é destacado pelo engenheiro da Conartes. De acordo com Gontijo, a participação em feiras favorece o acesso ao conhecimento de tecnologias que possibilitem diminuir custos futuros de condomínios e de assistência técnica no imóvel. “Ou seja, a concepção do projeto não se preocupa apenas com a entrega do produto, mas em questões pós-entrega, que contemplem a satisfação do cliente.”

Para quem vai reformar ou construir também é uma ótima oportunidade, como diz o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat), Walter Cover. “O consumidor poderá comparar produtos e verificar tendências, do ponto de vista técnico e econômico, e sobretudo, da qualidade. Poderá tirar dúvidas, conhecer detalhes e os cuidados na escolha do produto ou do serviço que vai contratar.”

PONTE

No caso da Feicon Batimat, direcionada para arquitetos, engenheiros, construtores, designers de interiores, incorporadores, revendedores, lojistas e compradores do setor da construção, o consumidor toma conhecimento das novidades por meio desses profissionais. “Eles fazem a ponte entre os lançamentos no mercado da construção e o público, um dos principais beneficiados”, considera a diretora da feira, Liliane Bortoluci.

Para as empresas do setor, a percepção mais imediata da participação nas feiras são os negócios realizados durante e depois da sua realização. “A movimentação financeira é intensa e garante o início e a continuidade de grandes parcerias. Mas também há a questão da valorização das marcas expostas, que, na mente dos compradores que visitam a feira, são lincadas com tecnologia, design e sustentabilidade”, observa Liliane.

E como está cada vez mais visível no setor a tecnologia de automação, a questão da funcionalidade real alinhada ao design e, é claro, a sustentabilidade dos produtos vêm crescendo a cada ano, segundo Liliane. “Produtos que já vêm prontos e secam rápido, que tenham funções extras ou que economizam tempo, dinheiro, água e energia ao ser utilizados também devem ser mais vistos nos canteiros de obras e nas prateleiras das lojas de material de construção do país.”

A diretora da Feicon Batimat justifica esse comportamento do mercado dizendo que a adesão a esses itens é uma evolução natural. De acordo com ela, tudo que é prático, eficiente, acessível, rápido, bonito e sustentável cai no gosto do público. “Os fabricantes percebem isso e vão investindo cada vez mais nesses produtos, serviços, técnicas e tecnologias, que a cada edição estão mais evoluídos. Uns mais que outros, de acordo com o que determina o público e a situação econômica do país no decorrer do tempo.”


BENEFÍCIOS PARA O CONSUMIDOR

  • Maior informação que o subsidiará na aquisição de um produto – do material de construção ao imóvel propriamente dito –, de uma empresa que se preocupa em evoluir e fornecer algo de ponta e, principalmente, sustentável.
  • Possibilidade de receber um produto com maior tecnologia, mais resistente e, por vezes, até mais barato.
  • Para quem vai reformar ou construir, poderá comparar produtos, verificar tendências, não só do ponto de vista técnico, econômico, mas, sobretudo, da qualidade.
  • Oportunidade para tirar dúvidas e conhecer detalhes e cuidados para a escolha do produto e do serviço que vai contratar.


Inovações na construção

Décio Gontijo confirma a tendência por soluções sustentáveis na construção civil. “Está em evidência e as empresas estão fazendo uso de produtos ecológicos e com baixo consumo de energia, substituindo madeira maciça nos pisos por laminados, adotando novas tecnologias nos sistemas de aquecimento e maior utilização de pré-moldados nos projetos, entre outros”, enumera.

Ele diz que essas escolhas se dão devido a uma preocupação constante da sociedade quanto às questões de sustentabilidade, o que tem cada vez mais se refletido nos produtos da construção civil. “Além disso, o nível de exigência cada vez maior dos clientes, principalmente os de alto poder aquisitivo, nos passa a responsabilidade de sempre querer levar o que há de melhor no mercado para a concepção de nossos empreendimentos”, diz Gontijo.

Também para Júlio Tôrres, o uso de produtos e técnicas voltados para a sustentabilidade possibilitam novas maneiras de construir e interagir com o meio ambiente, buscando minimizar os impactos da cadeia construtiva. “Menor gasto de energia, menos destruição da natureza, otimização e reaproveitamento dos recursos naturais. Tudo isso é reflexo dos anseios da sociedade em que vivemos e que vai consumir esses novos produtos.”

O presidente da Abramat, Walter Cover, diz que a sustentabilidade será reforçada a médio prazo no mercado brasileiro e que o assunto envolve a adoção de sistemas e produtos racionadores de energia e de água. “Está havendo, também, uma evolução na exigência por qualidade e maior atenção para avaliação da relação custo/benefício. O consumidor está aprendendo a valorizar outros aspectos do produto além do preço, como a durabilidade, design, facilidade de aplicação e desempenho.”

Tags:

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Marcelo - 09 de Abril às 15:23
Liliane Bertoluci, vc. fala dos profissionais que fazem a ponte dos entre lançamento dos produtos x público, mas se esqueceu que quem mais leva esta informação ao cliente é o corretor de imovéis!

Últimas Notícias

ver todas
18 de setembro de 2019
30 de agosto de 2019

No Lugar Certo você encontra o que procura