Captação de água das chuvas gera até 60% de economia

O sistema é uma forma sustentável de adquirir água para vasos sanitários, lavagem de calçadas e irrigação de plantas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 20/02/2015 08:47 / atualizado em 20/02/2015 08:59 Redação Lugar Certo DF /Correio Braziliense
 A cada 200 m² de telhado, conseguimos armazenar em períodos chuvosos até 15 mil litros - Esalflores/Divulgação A cada 200 m² de telhado, conseguimos armazenar em períodos chuvosos até 15 mil litros

Economizar água é o tema do momento. Com a realidade da crise hídrica vivida nas principais cidades do Brasil, a população busca diversas maneiras de sobreviver aos cortes e racionamentos. Para driblar o desabastecimento, uma opção é aproveitar as poucas chuvas, com a captação de água pelo telhado.

De acordo com especialistas, alguns sistemas de captação ajudam a economizar entre 30 e 60% de água e é feita por meio de calhas que escoam a água das chuvas para tubos. Desses tubos, as águas passam por dois filtros, o primeiro um gradeamento, que retém a sujeira grossa, e depois por uma tela, que filtra a poeira. Em seguida, a água é despejada em uma cisterna.

Esalflores/Divulgação
O engenheiro florestal e gerente da Esalflores, Milton Sanada, conta que a empresa optou pela cisterna especial capaz de armazenar 15 mil litros de água, que é utilizada nos vasos sanitários, na rega das plantas da loja e para lavar o piso, pois a água é cristalina, mas não potável. Ele ainda explica que a norma exige que o aproveitamento seja feito pelo telhado e não pelo solo, que possui contaminantes. “Por experiência, é possível economizar cerca de 30 a 60% de água. A cada 200 m² de telhado, conseguimos armazenar em períodos chuvosos até 15 mil litros. Como essa água não é potável, resolvemos utilizá-la para a manutenção da loja”, destaca o especialista.

O sistema na escala desenvolvida para o comércio pode custar até R$ 40 mil. Porém, em residências, o aparelho de captação de água da chuva custa cerca de R$ 4 mil. “É um investimento extremamente válido. Além de todo o resultado financeiro, com um consumo de água até 60% menor, estamos pensando no futuro do planeta, reaproveitando uma água que até então não tinha aproveitamento algum e que contribuía para inundações, já que os grandes centros urbanos são tomados por concreto e essa água não consegue ser absorvida corretamente pelo solo”, completa Bruno José Esperança, diretor geral do empreendimento.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
24 de maio de 2018
29 de abril de 2018