Bairros de BH

Cidade Nova alia charme à praticidade em Belo Horizonte

Facilidade de acesso, boa infraestrutura, comércio variado e alto padrão de construção são os atrativos do Cidade Nova

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 03/03/2015 08:22 / atualizado em 03/03/2015 10:00 Marcus Celestino /Estado de Minas
A Avenida Cristiano Machado é uma das principais vias do Cidade Nova, por onde circulam o Move e várias linhas de ônibus - Edesio Ferreira/EM/D.A Press A Avenida Cristiano Machado é uma das principais vias do Cidade Nova, por onde circulam o Move e várias linhas de ônibus

Suas origens remetem à Fazenda Retiro Sagrado Coração de Jesus, da família Cândido da Silveira. A propriedade servia de fornecedora de laticínios e outros alimentos para a capital das alterosas. Também fornecia lenha, madeira e tijolos, em função da grande olaria que ficava dentro de seus limites territoriais. A fazenda perdurou durante muito tempo até sucumbir à expansão da zona urbana. Na década de 1960, o patriarca dos Cândido da Silveira, o ilustríssimo senhor José, optou por se desfazer das terras dada a iminência das invasões de seu território. Posteriormente, um conjunto de construtoras foi responsável por lotear a área. Com característica notável de ter tido uma urbanização impecável, o boom de construções de casas no bairro se deu prontamente. Hoje, edifícios luxuosos permeiam a paisagem linda, extremamente arborizada e arejada. Esse é o Cidade Nova, uma opção deveras interessante para quem quer, literalmente, de tudo a pouquíssimos metros de sua residência.


Quando o Banco Nacional de Habitação (BNH) surgiu, nos idos de 1964, graças a um decreto-lei do governo de 21 de agosto daquele ano, um grupo de construtoras de Belo Horizonte resolveu investir na construção de casas via financiamento da instituição para revendê-las posteriormente. “Em 1966, unimos cinco construtoras e nosso propósito primário era a construção de casas por intermédio do financiamento do BNH. No entanto, um tempo depois, por uma série de fatores referentes ao BNH, resolvemos colocar os lotes à venda e descobrimos que isso era extremamente rentável”, comenta com um misto de seriedade e felicidade o diretor-executivo Lucio Assumpção, da LSA Empreendimentos. O empreendedor, que participou do processo de nascimento do bairro, destaca também que o projeto era pioneiro em termos estruturais na Cidade Jardim. “Entregamos um loteamento totalmente urbanizado, com água, luz, esgoto. Começamos, inclusive, a abertura da (avenida) Cristiano Machado, com 50 metros de largura. Hoje, ela tornou-se uma freeway, uma referência”, ressalta Assumpção. Por esses predicados, o Cidade Nova se viu num boom de construção de casas na sua primeira quinzena de anos. Isso sem contar a ascensão do BNH, já mais estabilizado à época e atuando ao lado do proprietário do lote em questões de financiamento. “Já que entregávamos o lote pronto, algo jamais visto, a oferta foi muito grande, muita gente foi atraída por essas vantagens. Foi o primeiro grande loteamento de Belo Horizonte a ter essa experiência.”

Edifícios residenciais permeiam a paisagem arborizada e arejada do bairro, que começou a ser loteado em 1966 - Edesio Ferreira/EM/D.A Press Edifícios residenciais permeiam a paisagem arborizada e arejada do bairro, que começou a ser loteado em 1966


Como os lotes visavam a classe média belo-horizontina, sua área era de 360 metros. “(Um espaço) muito bom para se construir uma bela casa”, denota o empreendedor. O grupo de construtoras que tornou-se a Cinova ficou durante 10 anos, segundo Assumpção, vendendo lotes, e o enfoque era totalmente voltado para a construção de casas. Posteriormente, numa segunda etapa, os prédios começaram a ser erguidos. Contudo, mesmo depois do adensamento populacional seguinte à verticalização do bairro, o Cidade Nova não perdeu sua principal característica: ser um bairro que propicia uma estrutura fantástica aos seus residentes.

LAZER E ESTRUTURA
O Cidade Nova tem de tudo. Mesmo. São inúmeras agências bancárias, gama de comércio extenso e a Feira de Produtores de Belo Horizonte, que nada deve em charme e glamour para o Mercado Central. Reduto da “velha guarda” do bairro, a feira é visita mandatória não somente para turistas, mas também para os locais. Em termos de lazer matutino e vespertino, ainda temos a pista de cooper na José Cândido da Silveira, o Horto Florestal, com sua belíssima área verde para agradáveis caminhadas, parques e pracinhas bem charmosas. No período noturno, os bares e restaurantes da Rua Alberto Cintra atendem muito bem os moradores do bairro e adjacências e há o Minas Shopping, que fica a poucos quilômetros. Para completar, o Colégio Espanhol Santa Maria Cidade Nova e, nos arredores, o Magnum. Existem nas proximidades instituições de ensino superior, como a UNI-BH e a unidade da PUC Minas no São Gabriel.

“Aqui, há uma diversificação muito grande. É bem variado mesmo”, pontua Fernando Ventura, diretor-presidente da Vianova Netimóveis. Segundo o executivo, apartamentos mais antigos são usualmente comprados por casais mais jovens e reformados. Já os empreendimentos novos, bem mais caros, têm como alvo um grupo mais velho, partindo da faixa dos 40 anos. “Já é um outro perfil. São pessoas que buscam apartamentos de quatro quartos, têm filhos, inclusive na faculdade, e querem no mínimo três e até quatro vagas de garagem”, ressalta Ventura. Outro ponto a ser destacado é o de que o Cidade Nova é apontado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas Administrativas e Contábeis da Universidade Federal de Minas Gerais (Fundação Ipead/UFMG) como um bairro de alto padrão. Tal classificação se dá pelo fato de a renda média mensal dos domicílios ser igual ou maior a 8,5 salários mínimos e inferior a 14,5 salários mínimos.

Pelos motivos citados, o custo de vida no Cidade Nova, obviamente, é alto, chegando a ser similar ao de bairros do Centro-Sul (excluindo, claro, Funcionários e Lourdes). “Temos apartamentos aqui que estão sendo vendidos na faixa de R$ 1 milhão, R$ 1,3 milhão. O metro quadrado de um empreendimento novo varia entre R$ 7 mil e R$ 8 mil, dependendo do acabamento e da área de lazer oferecida”, expõe o executivo. O coeficiente de aproveitamento do bairro, hoje, é de 1,4. Ventura acredita que haverá uma valorização dos imóveis com a redução para 1. “Não digo que terá uma hipervalorização, como no boom de 2008, 2009, mas teremos sim um aumento nos preços dos imóveis aqui.” Mesmo assim, certamente muitos continuarão a ansiar por um imóvel no Cidade Nova.


RAIO-X
REGIÃO

» O Cidade Nova fica na Região Nordeste de Belo Horizonte

PRINCIPAIS VIAS DE ACESSO
» Avenida Cristiano Machado
» Avenida José Cândido da Silveira

PRINCIPAIS VIAS DO BAIRRO
» Rua Professor Pimenta da Veiga
» Avenida Coronel Pedro Paulo Penido
» Rua Julio Otaviano Ferreira
» Rua Tabelião Ferreira de Carvalho

TRÂNSITO
» Apesar de enfrentar tráfego intenso na hora do rush, os moradores do Cidade Nova não têm muito a reclamar se compararmos o fluxo de trânsito do bairro com o de bairros da Região Centro-Sul, por exemplo

TRANSPORTE PÚBLICO
» Os moradores contam com inúmeras linhas de ônibus para locomoção e também podem se aproveitar do Move e da proximidade com as estações do metrô José Cândido da Silveira, Minas Shopping e Santa Inês

ORIGEM DO NOME
“Estávamos na dúvida sobre o nome, e o doutor Paulo Vieira, da Construtora Alcindo Vieiras, havia feito uma visita a Salvador. Lá, ele viu o lançamento da Cidade Nova soteropolitana e sugeriu que utilizássemos esse nome aqui também. Gostamos da ideia, ela era interessante comercialmente e, assim, adotamos o Cidade Nova.”
Lucio Assumpção, diretor-executivo da LSA Empreendimentos

Edesio Ferreira/EM/D.A Press

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
14 de agosto de 2018
13 de agosto de 2018