Para driblar o calote

Administradoras e síndicos adotam ações para reduzir dívida dos condôminos

Primeiro passo é manter atualizado o cadastro de moradores, para que seja possível efetuar os devidos procedimentos de cobrança e contatos necessários

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 27/03/2016 17:38 / atualizado em 28/03/2016 16:52 Augusto Pio /Estado de Minas
Para os diretores da Conectiva Administradora de Condomínios, Alexandre Marques e Ricardo Louback, o problema demanda procedimentos especializados - Jair Amaral/EM/D.A Press Para os diretores da Conectiva Administradora de Condomínios, Alexandre Marques e Ricardo Louback, o problema demanda procedimentos especializados
A inadimplência em condomínio sempre foi um problema para moradores, síndicos e administradores. De acordo com os diretores da Conectiva Administradora de Condomínios, Alexandre Marques e Ricardo Louback, esse é um problema crônico, que demanda intervenções e procedimentos bem específicos.

“O ano de 2015 apresentou aumento progressivo da inadimplência, com maior expressão no segundo semestre. Com o crescimento do grau de endividamento das famílias, queda da renda e até mesmo a elevação do desemprego, o primeiro trimestre desse ano já deu mostras da dificuldade que o segmento espera, apresentando índice próximo de 25% no mês de emissão das taxas de condomínio. Em alguns casos, de até 30%”, diz Alexandre.

O grande desafio, segundo ele, “é tratar essa inadimplência e reduzir ao máximo o impacto econômico nas contas do condomínio. Para isso, desde o segundo semestre do ano passado estamos investindo em novas ferramentas e métodos de tratamento da inadimplência junto aos nossos clientes.”

Alexandre afirma que o primeiro passo é manter atualizado o cadastro de moradores, para que seja possível efetuar os devidos procedimentos de cobrança e contatos necessários. Alexandre lembra que outras ferramentas que auxiliam na recuperação de créditos condominiais são o envio de cartas de cobrança com discriminação analítica do débito e envio de lembretes eletrônicos, entre outras ações.

“A presença e a intervenção de uma administradora com setores bem definidos e profissionais qualificados são de suma importância para a reversão desse quadro. É importante que o condômino sinta que ele está sendo acompanhado. Normas internas de restrição são instrumentos importantes na inibição desse quadro. Tudo observando a legalidade dos atos”, ressalta Ricardo.

Segundo ele, pelo atraso, o condômino pagará multa de 2%, juros de 1%, atualização monetária e outros encargos que decorrerem do processo de cobrança, como honorários advocatícios, custas de cartório etc. “A norma interna e específica do condomínio pode prever multa para aquele que, reiteradamente, deixar de cumprir sua obrigação legal. De acordo com o Código de Processo Civil vigente, o devedor poderá ser compelido a pagar multa de até cinco vezes a taxa condominial”, conclui Ricardo.

Tags: administradoras síndicos ações reduzir dívida condôminos condomínios

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
19 de julho de 2018
15 de julho de 2018

No Lugar Certo você encontra o que procura