Lançamento

Residencial em BH aposta na sustentabilidade como novo conceito de moradia

Edifício foca no bem-estar de seus moradores, priorizando o que realmente é essencial, como luz natural, ventilação eficiente e leiautes otimizados que facilitam o seu uso

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 04/12/2017 19:17 Herlane Meira* /Estado de Minas
Projeto do escritório de arquitetura Vazio S/A convida ao uso das áreas descobertas - Vazio S/A/Divulgação Projeto do escritório de arquitetura Vazio S/A convida ao uso das áreas descobertas

Morar em casa ou apartamento é uma escolha que depende não só da questão financeira, mas também do estilo de vida do morador. Há quem defenda a segurança que os condomínios oferecem. Já outros preferem os espaços disponíveis e a independência de uma casa. Foi pensando nessa junção que o Edifício Buenos Aires foi projetado, para oferecer alternativas que contrastam com a mesmice dos projetos imobiliários atuais e priorizar o bem-estar de seus moradores, a sustentabilidade e a economia inteligente. Tudo isso para trazer o essencial em um apartamento: luz natural, terraços ensolarados, ventilação cruzada, plantas em leiautes otimizados e a sensação de morar em uma casa com quintal.

O projeto do Edifício Buenos Aires, do escritório de arquitetura Vazio S/A, vai na contramão dos condomínios residenciais, em que apenas as coberturas têm varandas. Ele tem terraços em todas as unidades, que estendem a área da sala e convidam ao uso das áreas descobertas. São nove apartamentos, todos com plantas diferentes, que vão de um a três quartos. “Os apartamentos de dois quartos, por exemplo, têm duas varandas em diferentes extremidades. Isso é possível pela estratégia em termos de volumetria utilizada, na qual sua estrutura se assemelha a um ‘bolo de noiva’”, explica o arquiteto Carlos Teixeira, responsável pelo edifício.

Vazio S/A/Divulgação

Ele ressalta que a proposta dos apartamentos faz parte de um novo conceito de moradia. O objetivo é refletir um estilo de vida que prioriza o que é realmente essencial. “Os apartamentos dos prédios com muitos serviços têm áreas geralmente ociosas, que encarecem tanto o preço das unidades quanto a taxa de condomínio. No outro extremo do desperdício de espaço, os apartamentos compactos devem ser projetados tendo em vista que cada centímetro quadrado deve ser bem utilizado e aberto às vontades dos moradores. É esta a nossa proposta: apartamentos de um ou dois quartos, cujas plantas potencializam e facilitam seu uso”, conta.

"É preciso escolher bem a área em que o edifício será projetado; nem todos os lugares comportam esse tipo de ambiente" - Rodrigo Nunes, vice-presidente das incorporadoras da CMI- Secovi-MG
Para Rodrigo Nunes, vice-presidente das incorporadoras da Câmara do Mercado Imobiliário (CMI- Secovi-MG), a proposta de um novo conceito de moradia, que permite espaços abertos e áreas verdes em condomínios, atrai os consumidores que se interessam por esses ambientes. Porém, é difícil precisar o impacto que tais características têm sobre o preço final do imóvel, mas ele garante que há público. “É preciso escolher bem a área em que o edifício será projetado; nem todos os lugares comportam esse tipo de ambiente. Há locais que desvalorizam o custo do imóvel e dificultam na hora de projetar área verde, mas é um empreendimento diferenciado, e tem público que prefere”, aponta.

PROJETO

O Edifício Buenos Aires faz parte do projeto NovoMorar, criado com o objetivo de transformar a maneira como as pessoas se relacionam com suas moradias e também com a cidade. Ele tem o que se chama de permeabilidade real, pois os jardins do térreo serão plantados sobre solo natural, e não sobre a laje, e em sintonia com um modelo de cidade mais sustentável. A área verde também se estende para a garagem. Um estacionamento ajardinado, aberto e totalmente transparente em relação à calçada.

“Os apartamentos são pequenos, mas vários têm salas com o recurso de ventilação cruzada, que é uma maneira de climatizar passivamente (dispensando a necessidade de ar-condicionado para temperaturas de até 28 graus). Presentes em todas as unidades, os terraços são extensões da sala de estar e, dependendo da vontade de cada um, poderão ser usados para trazer um pouco da natureza para o prédio. E foi por isso que inserimos plantas e arbustos nas imagens do Buenos Aires”, explica o arquiteto.

Por seu porte também pequeno, a caixa de escada não precisa ficar enclausurada e, nesse projeto, também é aberta e convidativa. “É um prédio compacto, que usa os espaços estritamente necessários de circulação e se aproxima mais de uma casa do que de um apartamento. Toda a otimização reflete no preço final, que se torna mais acessível”, garante Carlos Teixeira.

Vazio S/A/Divulgação

Para o arquiteto, o edifício dialoga com a importância de se pensar a arquitetura na nossa época. “Estamos nas mãos de pessoas que não estão ligadas no que seja morar, de pessoas mais conservadoras. Acho que a cidade tem sido produzida por pessoas e empresas pouco antenadas com o que os cidadãos desejam. Esse prédio é uma alternativa a essa indústria da construção que moldou a cidade”, complementa Carlos Teixeira.

* Estagiária sob a supervisão da subeditora Elizabeth Colares
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
17 de junho de 2018

No Lugar Certo você encontra o que procura