Contra a crise

Aposta em inovação e economia ajuda a alavancar atividade da construção civil

Investimentos em novas tecnologias aumentam a produtividade do setor, reduzem custos no canteiro de obra e geram benefícios para moradores e condomínios

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 03/06/2018 17:00 / atualizado em 02/06/2018 12:20 José Alberto Rodrigues* /Estado de Minas
O sistema fotovoltaico economiza até 90% na conta de luz, tem baixo custo de manutenção e é importante fator de sustentabilidade  - Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 16/5/09 O sistema fotovoltaico economiza até 90% na conta de luz, tem baixo custo de manutenção e é importante fator de sustentabilidade

A indústria da construção civil sofre com o atual cenário econômico e político do país, que vem reduzindo a intenção de investir no segmento em curto prazo. Contudo, as empresas reconhecem a necessidade de maior produtividade e inovação no longo prazo. Essa estratégia de buscar inovações vem da redução do custo operacional da empresa e a despesa associada à aquisição da tecnologia, junto aos impactos positivos na qualidade da obra ou serviço.

De acordo com uma Sondagem Especial divulgada Confederação Nacional da Indústria (CNI), 80% das empresas da indústria da construção pretendem investir em novas tecnologias até 2020, sendo que 49% das companhias veem como principal atrativo a forte redução nos custos de produção proporcionados por equipamentos, máquinas, materiais ou processos modernos.

De acordo com Manuel Carlos Reis Martins, coordenador executivo da Certificação AQUA-HQE, da Fundação Vanzolini, os melhores materiais e sistemas - que, além de funcionais do ponto de vista de montagem na obra, qualidade e durabilidade no uso, incluindo desempenho acústico, térmico, lumínico, em qualidade do ar e da água, gestão adequada dos resíduos -, são escolhidos considerando seus impactos ambientais ao longo do ciclo de vida. Ou seja, a principal inovação que traz os ganhos em sustentabilidade socioeconômico ambiental consiste em pensar, planejar e controlar o desenvolvimento do empreendimento em todas as suas etapas, o que representa uma mudança significativa na cultura da construção civil.

O presidente da Emccamp Residencial, André Campos, conta que dentro do processo de construção de um empreendimento há várias etapas que vêm inovando. “Desde a concepção, há vários procedimentos que melhoram com o tempo nesse processo de definição de produtos. Há uma série de softwares que identificam os potenciais de cada obra, o que causa um dinamismo e redução de gastos. Temos o desenvolvimento de tecnologias em 3D, principalmente no que se refere ao planejamento de logística do canteiro de obras, uma vez que permitem uma melhor visualização do volume e da organização espacial dos materiais que serão utilizados”, pontua.

O momento de conceber o projeto é fundamental para o processo de produção da construção. Roberto Matozinhos, consultor técnico do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), afirma que há uma mudança na forma em que são idealizados os empreendimentos com a chegada de novos dispositivos e softwares “No momento de projetar a obra é que são feitas as escolhas que vão direcioná-la. Tem se investido muito numa mudança de projeto, com um foco maior no projeto. Há uma compatibilização e uma construção em conjunto com todos os setores envolvidos”, ressalta o consultor técnico.

O BIM, building information modeling (modelagem da informação da construção), é um novo conceito quando se trata de projetos para construções. O projeto ideal realizado em BIM trabalha com modelos 3D e agrega todas as partes envolvidas no planejamento de uma construção, fornecendo informações aprofundadas sobre cada detalhe da construção, questões hidráulicas, elétricas, estruturais, arquitetônicasetc. E que podem ser utilizadas por todos os envolvidos, desde engenheiros e arquitetos até planejadores e responsáveis pela compra de materiais. “Essa inovação tem sido ampliada, porém ainda é uma iniciativa incipiente, e está em implantação por parte dos escritórios projetistas. O BIM é uma atividade de construção coletiva e um importante auxílio no gerenciamento da obra. É como se fosse protótipo virtual, um preview da obra”, comenta Roberto Matozinhos.

O BIM representa redução de custos na obra, transparência no planejamento e precisão nos custos e cronogramas, por isso proporciona maior eficiência e confiabilidade já que é possível antever problemas que só poderiam ser percebidos nos canteiros de obras. Além de identificar os problemas ainda na fase de projeto. “A possibilidade de projetar com detalhes todas as etapas de construção e antecipar possíveis interferências otimiza bastante tanto o tempo quanto recursos da obra, gerando muita economia”, avalia André Campos.

EXECUÇÃO

A aplicação do projeto é sempre um desafio, porém as inovações da construção civil trouxeram uma otimização em diversos processos que impactam diretamente na eficiência da mão de obra e economia de materiais. Dessa otimização surge cada vez mais empresas que apostam em construções industrializadas, com materiais pré-fabricados com todas a proporções já dimensionadas para o tamanho da obra. “Pensando no melhoramento e otimização dos processos construtivos, desenvolvemos formas de alumínios para execução de paredes de concreto que são moldadas no local. Conseguimos ter uma velocidade maior na obra e um foco em questão da sustentabilidade ambiental e financeira. Isso tudo sem desperdício e zero de perda. Além de ser um processo que consome menos água e acumulação de entulho, padroniza e melhora a qualidade, além de baratear a mão de obra”, ressalta o presidente da Emccamp.

Os kits pré-montados são outras opções inovadoras que racionalizam e agilizam as obras, além de simplificar o processo de compras, de instalação e o aumento da produtividade. Roberto Matozinhos conta que há kits elétricos, hidráulicos, de alvenaria, entre outros, que têm todas as dimensões específicas para cada necessidade da obra. Formados por componentes adquiridos separadamente, os conjuntos colaboram para eliminar algumas etapas de trabalho no canteiro, reduzindo o tempo e o custo de instalações.

“Nos kits de montagem elétricos, eles já vêm com todos os cabos pré-definidos e não demandam cortes ou ligações. O eletricista apenas monta e faz as conexões devidas. Nos kits hidráulicos, os conjuntos são compostos por tubos, conexões e acessórios, como medidores, que reproduzem a instalação hidráulica completa e geram uma economia e eficiência para a obra”, avalia o consultor técnico.

Em uma construção cada vez mais industrializadas, as construtoras transformam o canteiro de obras numa linha de montagem. “É como as linhas de montagem automobilísticas o caminho para uma construção mais industrializada. As peças já vão prontas para os canteiros e lá são montadas”, pontua Roberto Matozinhos.

OUTRAS SOLUÇÕES

Manuel Carlos Reis Martins afirma que as soluções mais eficazes e econômicas para os objetivos de desempenho sustentável da construção e do edifício em uso já se efetua também a análise técnica e econômica dessas soluções, e a viabilidade do investimento e o retorno esperado, seja em economia e rapidez na obra, velocidade de vendas de um produto diferenciado, bem como os benefícios em qualidade de vida e economias para os usuários. “As soluções são muitas e dependem de cada projeto. Especificamente, os fabricantes dos materiais e sistemas vêm ampliando sua oferta para a escolha dos projetistas”, ressalta.

O coordenador ainda cita outras soluções, como sistemas de aproveitamento de água de chuva; aquecimento solar; sistemas de tratamento local de esgoto doméstico; equipamentos com alta eficiência energética, como elevadores regenerativos; sistemas de condicionamento de ar inverter; bombas hidráulicas eficientes; sistemas de iluminação com lâmpadas LED; sistemas de compostagem de resíduos orgânicos; fachadas ventiladas, que permitem mais conforto térmico e acústico; vidros de alto desempenho lumínico e isolamento térmico e acústico; dispositivos econômicos de uso de água, sistemas de automação predial e muitos outros.

Outra boa opção é o sistema fotovoltaico, que economiza até 90% na conta de luz. “É um sistema com uma vida útil relativamente longa considerando o retorno do investimento. A manutenção do sistema fotovoltaico é baixa, mas devem ser observados pelo menos uma vez ao ano a fim de prevenir problemas que podem comprometer a geração de energia, O custo da instalação e do material dependem do porte do sistema fotovoltaico. Varia de acordo com o número de módulos fotovoltaicos a serem instalados, tipo de telhado e das condições do local de instalação. Esse valor depende do porte do sistema, número de módulos etc.

Hoje, considerando as tarifas de energia para consumidores residenciais e comerciais (alimentados em baixa tensão), o retorno do investimento está entre quatro e cinco anos. A economia gerada depende do porte do sistema fotovoltaico instalado e da área disponível que o cliente tem para instalar os painéis”, explica a engenheira da Loja Elétrica Rafaella Lopes.

O consultor técnico da Sinduscon-MG conta também que a impressão 3D, o uso de drones para mapeamento de áreas e o uso de robôs são outras inovações que estão reconfigurando a construção civil. Ainda são pouco utilizados pelo custo, mas podem gerar uma economia significativa.

* Estagiário sob a supervisão da editora Teresa Caram
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
21 de outubro de 2018

No Lugar Certo você encontra o que procura