Comentários
600
Mercado imobiliário

Patrimônio Histórico e Valorização da Pampulha

A Pampulha é o vigésimo bem brasileiro a fazer parte da lista do Patrimônio Mundial, sendo agora, com os centros históricos de Ouro Preto e de Diamantina e o Santuário de Matozinhos, em Congonhas, os representantes mineiros na seleta lista

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
No último domingo, dia seguinte à frustrada tentativa de Golpe de Estado na Turquia, a cidade de Istambul foi palco de uma vitória, mas neste caso, brasileira: a Unesco, por meio do Comitê do Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, incluiu o Conjunto Moderno da Pampulha, de Belo Horizonte, na Lista do Patrimônio Cultural da Humanidade. É o vigésimo bem brasileiro a fazer parte da lista do Patrimônio Mundial, sendo agora, com os centros históricos de Ouro Preto e de Diamantina e o Santuário de Matozinhos, em Congonhas, os representantes mineiros na seleta lista.

O Conjunto Moderno da Pampulha é composto pelas construções de 1942 e 1943: Igrejinha São Francisco de Assis, o Museu da Pampulha, a Casa do Baile e o Iate Clube; pelo espelho d’água do lago urbano artificial e pelo paisagismo da Orla e pela Casa Kubistchek, de 1945.

O projeto, considerado um marco do Modernismo brasileiro, nasceu de um convite, em 1941, feito pelo visionário prefeito Juscelino Kubistchek ao arquiteto Oscar Niemeyer, que, desde o projeto do Ministério da Educação (em 1936, no Rio), do qual participou com o arquiteto suíço Le Corbusier, havia criado laços de identidade com a elite política e intelectual mineira.

O arquiteto Oscar Niemeyer, o paisagista Roberto Burle Marx, o pintor Cândido Portinari, o escultor Alfredo Ceschiatti, dentre outros artistas, são os responsáveis pelo belíssimo cenário. Estes profissionais geniais se encontravam nas fases iniciais de suas carreiras e buscavam a afirmação da identidade nacional construindo obras de personalidade própria, distintas da influência europeia. O Conjunto da Pampulha possibilitou mudança nos rumos da arquitetura e do paisagismo modernos, com a utilização das curvas livres na arquitetura e os recursos tecnológicos para torná-las possíveis, além de sua integração com a natureza e a paisagem que rodeia toda a lagoa. Como ícone da modernidade na arquitetura, Niemeyer e seus amigos influenciaram toda uma escola ao redor do mundo.

O reconhecimento da Pampulha como patrimônio cultural resultou no tombamento pelo Iphan, em 1997; em 1984, pelo Iepha/MG e, em 2003, pelo Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural do Município de Belo Horizonte. Em 2015, o Conjunto Moderno da Pampulha teve sua candidatura aceita pela Unesco para Patrimônio Cultural da Humanidade, por meio da dedicação, paixão e profissionalismo do presidente da Fundação Mineira de Cultura, Leônidas Oliveira, arquiteto e doutor em urbanismo e patrimônio histórico, e sua equipe.

O que está por traz da candidatura é o desejo ou necessidade de escolhermos o que deve sobreviver à passagem do tempo e constituir, assim, o fio que liga o passado ao presente e este, ao futuro. Definir o que deve ser preservado no momento presente é sempre uma decisão delicada e complexa, em que é preciso enumerar as razões que o justificam. Sabemos que, como todo processo político e social, é foco de tensões, disputas, conflitos e tem questões ligadas ao poder. Felizmente, houve consenso para a decisão de que nossa Pampulha será guardada, salva, conservada e utilizada.

Considerando ser a atividade turística um dos maiores propulsores dessa utilização e conservação, isso conduz à necessidade de buscar alternativas de gestão do território urbano que compatibilizem o crescimento econômico e imobiliário, com adoção de medidas governamentais importantes. A legislação já se fortalece evitando a verticalização da área e resguardando o complexo arquitetônico e a limpeza da lagoa. Sabemos que não há necessidade de verticalização e especulação para uma real valorização imobiliária. Espera-se, na realidade, uma boa política urbana de estímulo à construção sustentável, o incentivo ao turismo e incremento da infraestrutura na região.

É, pois, questão relevante e atual buscar a conciliação da atividade turística com a preservação do Patrimônio Cultural, harmonizando a atuação governamental e a dos cidadãos e empresas, que necessitam se conscientizar para que o bom turista e os cidadãos não danificam nem exaurem o patrimônio desta e das futuras gerações.

Embora o principal objeto de preservação seja a arquitetura, as áreas urbanas estão incluídas como parte da vizinhança de monumentos e como portadoras de valores indispensáveis para a vida urbana.

As principais diretrizes para a preservação das paisagens urbanas históricas supõem a formulação e aplicação de políticas públicas que protejam e equilibrem valores culturais e naturais; integrem intervenções contemporâneas e a rede urbana; incluam instrumentos de participação, conhecimento e planejamento adaptados ao contexto local, enfim, políticas que promovam também a intervenção privada com projetos de interesse comum.

Historicamente, o intuito de preservar o meio ambiente é fruto da conscientização coletiva à qual aderiram os cidadãos e os poderes nacionais, dando relevância não apenas ao ambiente natural mas, também, ao meio artificial, cultural e econômico. Que saibamos cuidar do nosso patrimônio, individual e coletivo. E que aumente o amor e orgulho pela nossa memória e pela nossa cidade.

Tags: pampulha Patrimônio Histórico Valorização da Pampulha Lugar Certo Estado de Minas

Anúncios do Lugar Certo

Outros Artigos

ver todas
17 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
21 de agosto de 2016
25 de julho de 2016
27 de junho de 2016