Comentários
600
Mercado imobiliário

Cidades sustentáveis

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
O arquiteto Jaime Lerner, ex-governador do Paraná, ex-prefeito de Curitiba e conselheiro do movimento Planeta Sustentável, tem uma crença de que cidade não é problema, mas solução. Ele afirma que toda cidade, independentemente do local em que se situa, pode melhorar sua qualidade de vida em um período inferior a três anos, necessitando que haja decisão política e visão estratégica que façam com que as forças da comunidade atuem a favor.

Além disso, indica que, entre os vários problemas que as cidades enfrentam, três deles são essenciais à correção do rumo: mobilidade, sustentabilidade e diversidade social. Ele mostra que os cidadãos podem contribuir para essa melhoria, desde que usem menos o carro, morem mais próximos aos locais de trabalho e entendam que a sustentabilidade é uma equação entre o que se poupa e o que se desperdiça.

Essas ideias se disseminam mundo afora. Prova disso é que, em junho, foi realizada em São Paulo a conferência da Rede C40, que contou com 40 cidades participantes e 19 afiliados, quando ocorreu ampla discussão sobre a forma de combate às mudanças climáticas. Na ocasião, o ponto alto foi a troca de experiências sobre projetos que tiveram como resultado e redução das emissões de gases estufa.

Algumas delas mereceram destaque, como o caso de Los Angeles, nos Estados Unidos, onde o consumidor pode optar por receber em casa energia renovável a um custo pouco superior, e de Seul, na Coreia do Sul, cujos motoristas podem aderir a um programa de rodízio voluntário, deixando o carro em casa um dia na semana. Em troca, oferece-se estacionamento grátis em outra data e desconto em impostos, o que resultou na redução de 10% nas emissões de gases estufa.

Outras iniciativas aplaudidas vieram de Chicago, nos Estados Unidos, que implantou um programa de substituição das luzes convencionais dos semáforos por LED, resultando em economia de 85% de energia ao ano, ou redução de US$ 2,5 milhões anuais nas despesas, e Amsterdã, na Holanda, cujo projeto de estímulo à aquisição de carros elétricos espalhou pela cidade em pontos públicos de recarga de bateria, sem nenhum custo, até 31 de março de 2012.

Exemplos diversos de sustentabilidade para as cidades são também anotados, como a criação e a ampliação de parques recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), uma área verde de 12 metros quadrados por habitante, e cita-se o caso de Estocolmo, na Suécia, onde cada morador vive a menos de 300 metros de uma reserva florestal.

Somam-se a essas ações implementação de ciclovias, que amenizam o trânsito e diminuem a emissão de poluentes, como Amsterdã, com seus 400 quilômetros de vias, e Estocolmo, com nada menos de 760 quilômetros destinados às bicicletas. A colocação de painéis solares, que são também uma forma de energia renovável, e até mesmo o polêmico pedágio urbano, já adotado em Londres e Estocolmo, que se mostrou eficaz na redução dos congestionamentos e na poluição do ar.

A importância dessas medidas levou até mesmo à criação de um prêmio, que elege as “cidades verdes” da Europa, que servirão de modelo para outros do conjunto. Teve início em 2010, com a escolha de Estocolmo. Este ano, a eleita foi Hamburgo, na Alemanha. Segundo a comissão que organiza a premiação, “se as cidades querem prosperar, precisam aprender a preservar os recursos naturais que sustentam suas economias e a qualidade de vida de suas crescentes populações urbanas.”

Tags:

Anúncios do Lugar Certo

Outros Artigos

ver todas
13 de março de 2017
21 de novembro de 2016
24 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
01 de setembro de 2016