Comentários
600
Mercado imobiliário

Desvendando a norma de incorporações - Parte 1

"Este instrumento normativo se mostra um elemento disciplinador das incorporações imobiliárias, no sentido de definir as regras que caracterizam a unidade autônoma e também a edificação em seu conjunto"

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 02/12/2013 12:12 / atualizado em 10/01/2014 17:18 Francisco Maia Neto /Especial para o Estado de Minas
Em dezembro de 1964, foi promulgada a Lei 4.591, que dispõe sobre o condomínio em edificações e incorporações imobiliárias, sendo a primeira legislação brasileira a apresentar definições dessa importante atividade da economia. Ela trouxe de forma clara os direitos e deveres do incorporador, além de ter aprimorado a relação jurídica entre o comprador e o vendedor das futuras unidades a serem construídas, mudando, assim, os paradigmas que reinavam na comercialização imobiliária até então.

Entre inúmeros aspectos que poderiam ser delineados sobre esse diploma legal inovador, que teve à frente o sempre lembrado professor Caio Mário da Silva Pereira, chama a atenção a disciplina contida em seu artigo 53, que estabelece a obrigatoriedade de a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) preparar normas técnicas que padronizassem critérios e procedimentos para o cálculo dos custos unitários, execução de orçamentos, memorial descritivo de acabamentos e áreas de construção, entre outros.

Foi assim que em 1965 surgiu o projeto PNB-140 da ABNT, posteriormente Norma Técnica NB-140, denominada “Avaliação de custos unitários e preparo de orçamento de construção para incorporação de edifício em condomínio”. A legislação anteriormente citada estabelecia a possibilidade de revisão periódica, o que somente veio a ocorrer em 1992, quando foram atualizados os acabamentos-padrão da norma primitiva, sem alterar os projetos básicos, que remontavam à década de 1960.

Naquela oportunidade, a referida norma brasileira ganhou nova numeração, passando a ser catalogada na ABNT como NBR-12.721, contemplando apenas unidades habitacionais unifamiliares de dois e três dormitórios, o que a restringia a apartamentos. Essa situação foi alterada com a revisão de 1999, quando passou a abranger unidades multifamiliares, tais como salas comerciais e construções industriais.

Com essa importante modificação, que resultou na Emenda 01, de 2000, os sindicatos da indústria da construção, que, de acordo com o artigo 54 da Lei 4.591/64, são obrigados a divulgar até o dia cinco de cada mês os custos unitários básicos da construção (CUB) a serem adotados nas respectivas áreas de abrangência. O cálculo tem que seguir os ditames da norma vinculada à lei, no caso a NBR-12.721, passaram a ampliar o espectro de tipos de CUBs.

Assim, foram incorporados ao portfólio de tipos de construções os CUBs referentes às unidades comerciais (lojas, salas, andares livres, galpão industrial) e às casas populares de um quarto, sendo que no caso dos comerciais existiam 12 valores, sempre calculando-se valores médios, e nos outros um valor para cada, por não existir necessidade de variações nos projetos-padrão.

Em agosto de 2006, surgiu a maior revisão da NBR-12.721, que, embora mantidos os conceitos teóricos básicos, resultou em profunda alteração em seu conteúdo, decorrente da necessidade de adaptação aos novos padrões arquitetônicos, estruturais e de instalações predominantes no mercado imobiliário. Isso obrigou a uma nova concepção dos projetos-padrão, que se diferenciariam totalmente dos originalmente desenhados, sendo acrescidos aqueles relativos ao período popular e o projeto de interesse social (PIS).

Dessa forma, esse instrumento normativo se mostra um elemento disciplinador das incorporações imobiliárias, no sentido de definir as regras que caracterizam a unidade autônoma e também a edificação em seu conjunto. Serve ainda para a determinação dos custos dos imóveis, tendo se transformado em importante indexador dos contratos de compra e venda, em função dos critérios operacionais estabelecidos, o que garante credibilidade na operação.

*Engenheiro e advogado, sócio da Precisão Consultoria e autor do livro Guia de negócios imobiliários - Como comprar, vender ou alugar seu imóvel

E-mail para esta coluna: coluna@precisaoconsultoria.com.br

 

Tags: Francisco Maia Neto

Anúncios do Lugar Certo

Outros Artigos

ver todas
13 de março de 2017
21 de novembro de 2016
24 de outubro de 2016
26 de setembro de 2016
01 de setembro de 2016