Vitrines eternas

Cristaleiras resistem ao tempo e assumem lugar de destaque na decoração

Herdadas ou feitas sob medida, elas causam impacto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 16/12/2013 09:00 / atualizado em 15/12/2013 19:06 Lilian Monteiro /Estado de Minas
Peça clássica em composição de madeira e vidro da arquiteta Adriana Morávia  - Alessandra Morávia/Divulgação Peça clássica em composição de madeira e vidro da arquiteta Adriana Morávia

A cristaleira tem o poder de acompanhar gerações e permanecer na composição da decoração com elegância e beleza. O móvel nasceu da paixão da rainha Mary, da Inglaterra, por louças, no fim do século 17. Ela o encomendou a artesãos para exibir sua coleção de porcelanas em azul e branco, cores do seu país de origem, a Holanda. Novidade, a peça foi adotada no resto da Europa e nos EUA e chegou ao Brasil com a corte portuguesa. Por isso, ela se tornou símbolo de poder e riqueza. Atualmente não é mais assim, embora ela mantenha o glamour intacto. E agora elas são herdadas, disputadas em antiquários e até feitas sob medida.


Ao longo dos anos a cristaleira se transformou. Se não há cristais para guardar, ela ficou democrática e aceita de livros a sapatos. Aliás, a dica de usá-la como sapateira é superbacana. Na verdade, o móvel é perfeito para expor a história dos donos da casa. Nele as pessoas exibem lembranças de viagens, bibelôs, xícaras, taças, objetos antigos, caixinhas, miniaturas e presentes. A peça é tão sedutora que faz o visitante parar diante dela para admirá-la, apontar o que tem dentro, emendar conversas e histórias.

No projeto da arquiteta Renata Basques, a cristaleira é camuflada no ambiente como um painel  - Gustavo Xavier/Divulgação No projeto da arquiteta Renata Basques, a cristaleira é camuflada no ambiente como um painel
A cristaleira imprime gosto pessoal e personaliza qualquer ambiente. Em seus projetos, o designer de interiores Antônio Machado gosta de usá-la de maneira funcional e não apenas como peça decorativa. Por isso, sala de jantar e espaço gourmet são os ambientes preferidos. “Ela é para compor o espaço. É importante ter um lugar específico e que atenda a demanda. Gosto da cristaleira para uso prático e não como enfeite.” João desenha o móvel para clientes, do estilo moderno ao clássico. “Criei um modelo revestido de rádica com parte fechada e outra aberta com espelho no fundo para dobrar o tamanho dos cristais e as portas e prateleiras de vidro.”

Já a arquiteta Laura Santos gosta de arriscar e levou a cristaleira para a cozinha. “Pintei de verde um modelo de madeira antiga e deixei o visual mais atual.” Para ela, com adequação, o móvel pode estar em ambientes diferentes.

Gisele Benícia, do escritório Arquitetura e Urbanismo, em Nova Lima, conta que a tendência das cristaleiras, que andou por um tempo ofuscada, voltou com tanta força que faz a diferença em vários projetos. Ela destaca a mistura de móveis clássicos ao lado de armários modernos. “As tradicionais estão sendo laqueadas, principalmente, de branco, cor que remete à ideia da arte clássica.” Ela reforça que o móvel é ótima opção para guardar coleções não só de cristais, prataria, taças e porcelanas
A cristaleira que era em pátina bege ganhou outro visual com a laca turquesa, na proposta de Laura Santos - Osvaldo Castro/Divulgação A cristaleira que era em pátina bege ganhou outro visual com a laca turquesa, na proposta de Laura Santos
chinesas, mas também carrinhos, toy art e até bonecas antigas. “Há clientes que guardam vinhos de forma tradicional, abrem mão de adega climatizada. Elas estão presentes nos espaços gourmets, mas há estilos contemporâneos que cabem em quartos ou mesmo num hall, onde uma peça com espelho no fundo vai dar amplitude e beleza ao espaço.”

SOB MEDIDA

A arquiteta Adriana Morávia explica as diferenças entre cristaleiras antigas e contemporâneas. “Antigamente elas eram, em geral, móveis soltos, feitos de madeira maciça, com entalhes e portas com vidro. Funcionavam como vitrines. Hoje, com os apartamentos cada vez menores, nem sempre é possível inserir essa peça em salas de jantar ou estar. Para solucionar o impasse, ela é feita sob medida e ganha profundidade com portas de correr ou com fecho-toque acima de bufês. Há ainda aquelas que são inseridas na estante da TV.” Ela conta que as sob medida não devem ter mais que 40 centímetros de profundidade, para a praticidade não ser comprometida.

Há quem goste de peças antigas e quem valorize modernas. O certo é que as cristaleiras se tornaram versáteis e se adaptam a qualquer cômodo da casa. Tudo vai depender da roupagem. O móvel dá sensação de aconchego. Na decoração, agrega bem-estar.
O designer de interiores Antônio Machado gosta de usar o móvel de maneira funcional e não apenas como peça decorativa  - Fábio Cançado/Divulgação O designer de interiores Antônio Machado gosta de usar o móvel de maneira funcional e não apenas como peça decorativa

Tags: decoração

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
21 de julho de 2019
08 de julho de 2019

No Lugar Certo você encontra o que procura