Meta agora é agregar valor

Fiemg quer fortalecer setor de material de construção em Minas com foco em APL's

Entidade concentra esforços para ampliar a fatia da indústria cadeia mineira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 27/02/2014 11:26 Paula Takahashi /Estado de Minas
"A intenção é propor o desenvolvimento de arranjos produtivos locais (APLs) em todo estado" - Teodomiro Diniz Camargos, presidente da Câmara da Indústria da Construção da Fiemg
Tabela/EM
Concentrada em commodities de aço e cimento, a indústria de material de construção está na mira da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). A intenção é ampliar a força do setor no estado e aumentar a fatia atual de 11% de participação no Produto Interno Bruto (PIB) da cadeia mineira – contra os 16,8% de peso no desempenho nacional. “Estamos muito focados em produtos básicos que agregam pouco valor. Temos o aço, mas não temos quem produza metais para banheiro ou fechaduras, por exemplo”, reconhece Teodomiro Diniz Camargos, presidente da Câmara da Indústria da Construção da Fiemg.

O resultado é que 37% do consumo de bens e serviços da construção mineira vem de outros estados. “Dados de 2011 mostram que produzimos em Minas R$ 12,6 bilhões na indústria de materiais e equipamentos, comércio e serviços, enquanto R$ 7,4 bilhões foram adquiridos em outras regiões do Brasil”, calcula Ieda Vasconcelos, assessora econômica do Sinduscon-MG e economista do banco de dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). “É um número expressivo para um estado que tem potencial. Temos que reverter esse quadro”, reconhece Teodomiro.

Tabela/EM
Para isso, a Fiemg encaminhou ao Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi) estudo detalhado da cadeia da construção civil realizado pela FGV com apoio técnico do Sinduscon-MG. “A intenção é propor o desenvolvimento de arranjos produtivos locais (APLs) em todo o estado”, explica Teodomiro. O objetivo é estimular a expansão e o desenvolvimento de áreas que já têm potencial para abrigar um APL.

“No Vale do Jequitinhonha, temos um maciço madeireiro muito forte, que precisa agregar valor aos produtos. Em Uberaba, temos a indústria da Deca, que pode fortalecer a instalação de outras empresas do setor no entorno. Em áreas de exploração de granito podem ser implantadas indústrias para beneficiamento. Enfim, temos que explorar o que já temos.” A intenção é que a partir da análise do estudo “Contribuição econômica e social da cadeia produtiva da construção no estado de Minas Gerais” sejam traçados planos para o desenvolvimento dos demais elos importantes para o crescimento da construção.

Tags: construção civil

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600

Últimas Notícias

ver todas
21 de outubro de 2018

No Lugar Certo você encontra o que procura