Pré-fabricados promovem agilidade no canteiro de obras

Uso de pré-fabricados na construção civil ganha espaço por resultar em rapidez e gerar menos resíduos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 11/04/2014 09:37 Celina Aquino /Estado de Minas

A estrutura da obra é totalmente produzida dentro da fábrica e segue pronta apenas para ser montada - Precon Engenharia/Divulgação
A estrutura da obra é totalmente produzida dentro da fábrica e segue pronta apenas para ser montada

A reconstrução das cidades europeias destruídas durante a Segunda Guerra Mundial precisava ser rápida. Diante da escassez de mão de obra, o caminho era industrializar o setor da construção civil. Assim, o uso de pré-fabricados de concreto ganhou destaque. Toda a estrutura da edificação, incluindo lajes, vigas, pilares e paredes, é produzida dentro da fábrica e segue pronta para o canteiro de obras, onde apenas será montada. O sistema industrializado resulta em mais agilidade e menos impacto ambiental.

Indústria, logística e shopping são os segmentos que lideram o uso de pré-fabricados, segundo a Associação Brasileira da Construção Industrializada de Concreto (Abcic). A maior vantagem é o tempo reduzido de obra, o que garante retorno mais rápido do investimento. O risco de atraso também diminui com o trabalho concentrado em fábricas. “Observamos crescimento em outras áreas, como infraestrutura. Não seria viável entregar os estádios no prazo sem um sistema industrializado”, aponta a presidente-executiva da Abcic, Íria Doniak. Não dá para comparar o custo da estrutura pré-fabricada com alvenaria (é preciso elaborar um estudo de viabilidade), mas geralmente o sistema industrializado compensa quando se considera mais agilidade, menos mão de obra e menos resíduos nos canteiros de obras.

A busca pela sustentabilidade torna os pré-fabricados ainda mais atrativos, já que esse tipo de construção gera menor impacto ambiental. “A estrutura é produzida na fábrica, ambiente mais controlado que o canteiro de obras. Com isso, consegue-se um uso mais racional dos recursos, o que significa menos desperdício, e eliminam-se etapas de construção. É preciso escorar a laje no sistema convencional, enquanto o pré-fabricado dispensa o escoramento”, acrescenta Íria.

Para o chief executive officer (CEO) da Precon Engenharia, Marcelo Miranda, o uso de pré-fabricados soluciona um grave problema da construção civil: a falta de mão de obra. “Está cada vez mais difícil concorrer com outros setores, porque o trabalhador sabe que no fim da obra será desligado. No ambiente industrial você consegue ter uma mão de obra mais perene, sem período específico de contrato, e diminuir o efeito do apagão”, justifica. O empresário se beneficia à medida que não precisa de tantos operários e não corre o risco de atraso por falta de mão de obra.

INDUSTRIALIZAÇÃO Há quatro anos, a Precon Engenharia colocou em prática um sistema industrializado para a construção de prédios residenciais, setor que pouco recorre aos pré-fabricados. “Fazemos todo o prédio na fábrica para depois transportar e montar as peças. A comunidade não sofre com barulho nem poeira, já que essa forma de construir gera 80% menos resíduos, e o cliente final recebe um apartamento com qualidade”, aponta Miranda. A troca do método artesanal pelo industrializado também permite que os imóveis sejam entregues no prazo estipulado. Mais de mil unidades devem ser construídas este ano em Belo Horizonte e região metropolitana. O objetivo da empresa mineira a partir de agora é investir na industrialização de todos os acabamentos do apartamento, incluindo elétrica e hidráulica.

Em paralelo, cresce o mercado de casas pré-fabricadas em concreto. “Começamos com alojamento, depois casa popular e hoje construímos em condomínio de luxo. Quem nos procura busca rapidez e não quer ter dor de cabeça”, destaca a sócia-proprietária da Porto Real, Mireille Salles Garcia Vaz de Mello. A estrutura é sempre a mesma. O que diferencia o imóvel popular do de luxo são os acabamentos.

De acordo com Mireille, um dos diferenciais é o maior aproveitamento da área utilizada. Uma casa pré-fabricada de 100 metros quadrados (m²) seria de apenas 80m² em alvenaria. Isso porque as paredes de alvenaria medem de 15 a 20cm, enquanto as de concreto não passam de 4cm. Já o custo total de uma obra erguida com o sistema industrializado pode ser 50% menor. “O que encarece o produto é a mão de obra. Como grande parte da matéria-prima chega pronta, gasta-se menos com funcionários e, como ainda não há desperdício, nada é repassado para o cliente”, explica a sócia-proprietária da Porto Real. O tempo de montagem depende do tamanho. Para levantar uma casa de 50m², o prazo é de 30 a 45 dias.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Bruno - 11 de Abril às 10:47
Realmente é muito bom, só que ainda está caro e não sei ao certo o isolamento térmico e acústico...

Últimas Notícias

ver todas
14 de agosto de 2018
13 de agosto de 2018