Casa Cor mostra com sofisticação como a natureza pode integrar o lar; concorra a ingressos para a mostra em BH

Ambientes aparecem suntuosos com decoração em flores e plantas que conversam com a arquitetura modernista de Niemeyer. Participe da promoção e confira de perto!

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 08/10/2013 11:11 / atualizado em 18/10/2013 10:24 Joana Gontijo /Lugar Certo
Casa Cor/Divulgação

O amplo terreno onde acontece a 19ª edição da Casa Cor Minas Gerais na Pampulha, em BH, possibilitou a criação de propostas únicas, dentro ou anexas à casa da família Dalva Simão, projetada em 1954 por Oscar Niemeyer. Os 5 mil m² compreendiam, na configuração inicial, muitas áreas livres que se mostraram extremamente férteis para a aplicação do paisagismo, fazendo nascer belos jardins, além de novos ambientes exteriores que primam pelos conceitos da sustentabilidade.


A proximidade com a natureza é, aliás, um dos pontos altos da mostra que começou em 21 de setembro. Em muitas variações, o verde adentra o interior em tom sofisticado ou abraça os projetos inteiramente, fazendo-os totalmente integrados ao entorno. O contato com o meio ambiente dentro de casa ou no apartamento é, na verdade, um dos desejos – muitas vezes até exigência – mais recorrentes de quem procura os profissionais de decoração e arquitetura.


A Casa do Jardim, projetada por Luís Fábio Rezende de Araújo, instalada em um espaço inédito anexo à residência principal, faz o enlace singular entre arquitetura e natureza para receber bem. “Meu espaço foi construído nos jardins do evento em uma área de 140 m², em steel frame. Com o conceito de uma casa voltada para o lazer, a edificação conta com um hall de entrada, que deriva em um grande living que também tem função de home-theater. Atrás do hall, há uma sala de jantar e, ao lado, a cozinha gourmet. O ambiente conta ainda com lavabo e uma varanda parcialmente coberta sobre um deck, que tem o papel de mirante para todos os jardins da mostra”, enumera o arquiteto.
Na Casa do Jardim, chama atenção o imponente flamboyant que permeia o espaço - Sidney Lopes/EM/D.A Press Na Casa do Jardim, chama atenção o imponente flamboyant que permeia o espaço

A conexão com os jardins é um dos trunfos do projeto em sua íntima ligação com a paisagem. Detalhes como o flamboyant que penetra no espaço com seus generosos galhos e o imponente painel formado por trepadeiras saltam aos olhos. Emoldurando cada pormenor, a arquitetura surge em traços limpos e aberta, valorizada com a estrutura elevada e recuada que fornece a sensação da construção estar flutuando sobre os jardins. Luis Fábio ainda usou de tons de verde e marrom para determinar a paleta de cores em uma decoração clássica e contemporânea.
Na Pocket House, mini horta ao fundo e paredes de vidro que levam a estrutura ao jardim - Sidney Lopes/EM/D.A Press Na Pocket House, mini horta ao fundo e paredes de vidro que levam a estrutura ao jardim

A arquiteta Cristina Menezes também partiu de um conceito parecido para conceber a Pocket House. Inteiramente construída em um contêiner naval reaproveitado, o ambiente de 29 m² inclui uma mini horta vertical no espaço dedicado à cozinha. Generosos panos de vidro recortam longitudinalmente a lateral e, minimizando a pequena largura, abrem o ambiente ao jardim em um perfeito diálogo que resulta em uma boa sensação de amplitude. No espaço, cozinha, mesa para jantar, sala, banheiro, quarto com bancada para escritório. “Parte da premissa de ser criado para um morador de alma cigana, amante da natureza”, descreve.


A parede verde é um dos destaques do Gazebo, que valoriza elementos regionais - Thiago Ventura/EM/D.A Press A parede verde é um dos destaques do Gazebo, que valoriza elementos regionais

Em 24 m², a proposta da arquiteta Estela Netto é conversar com o cenário onde o evento está instalado. Ao chegar ao Gazebo, que aparece pelo jardim posterior, uma parede verde completamente coberta por vegetação surge como grande destaque. Em contraste direto com um suntuoso lustre de velas artificiais, ela fornece a impressão de estar imerso em um jardim, proporcionando uma agradável sensação de acolhimento, no resultante encontro entre sofisticação e simplicidade.
Na Sala de Banho, jardim vertical e muita transparência para chegar à paisagem - Sidney Lopes/EM/D.A Press Na Sala de Banho, jardim vertical e muita transparência para chegar à paisagem

Na Sala de Banho, de Márcia Carvalhaes, a natureza também aparece valorizada. O deck externo, rodeado por um jardim exuberante, dá continuidade ao espaço de relaxamento, trazendo o verde para dentro. A referência está até mesmo nos acabamentos, com a especificação da cerâmica Pétlas, revestimento decorativo de parede inspirado na natureza dos vegetais, que forma uma modulação geometricamente orgânica. Compõem o conceito ainda um vaso de madeira ecológica com flores, além de um jardim vertical. Já para os arquitetos Jonathas Valle e Sérgio Vianna, responsáveis pelo projeto do banheiro ecotransportável, a junção entre os lavabos masculino e feminino criou um hall de circulação decorado pela parede de heras original da casa.
Casa Cor/Divulgação


Serviço
Local: Alameda das Palmeiras, 444– Bairro São Luiz
Data: 21 de setembro a 29 de outubro
Horário de funcionamento: de quarta a sexta-feira das 16h às 22h; sábado das 13h às 22h; domingo e feriado das 13h às 19h
Ingressos: R$ 50 (idosos e estudantes pagam meia-entrada).
Assinantes do Clube A do Estado de Minas têm 20% de desconto.
Informações: www.casacorminas.com.br
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
eduardo - 08 de Outubro às 19:06
la vai os otarios darem 15% para as decoradoras metidas que nao fazem nada.

Últimas Notícias

ver todas
21 de julho de 2019
08 de julho de 2019

No Lugar Certo você encontra o que procura